Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Não deixem o rapaz envergonhado

Estava a atender um casal de velhotes, que já são habituais. São simpáticos, a senhora é sempre muito amável. Nisto chega à fila um jovem casal. O velhote reconhece o rapaz como um menino que a esposa cuidou enquanto criança. Quando a senhora olha pro rapaz diz:  "ah é mesmo ele,  dá cá um beijinho!" O rapaz envergonhado, dá um passo atarás, e ela insiste: " não fujas, então tu dormias comigo"! Muitas pessoas a ouvirem, a olharem, porque a velhota falava bem alto, e contava como ele era, e o que fazia em criança, e mesmo vendo que o rapaz só queria um buraco para se esconder, continuava o seu discurso.

image12654.jpg 

Claro que a velhota não fez por mal, antes pelo contrário, só que deixou o rapaz completamente atrapalhado e constrangido...

 

Uma situação destas, numa fila de supermercado, apesar de ser engraçada para quem está de fora, deve mesmo embaraçar quem é o destinatário!

O show do artista

No sábado, como era inicio de mês o supermercado estava cheio de clientes e as filas tinham aí umas três ou quatro pessoas em fila. Uma situação até normal e compreensível, mas não para todos. Um velhote resolveu dar um pequeno show

oshowdoartista.jpg

Assim que chegou à caixa, começou :" Isto é uma pouca vergonha, um homem tão rico e uma coisa destas!" Conseguiu logo a atenção do publico. Continuou:" ...e agora quanto tempo é que vou aqui ficar"! Uma senhora que estava na fila disse: "Ó homem tenha calma, que ainda lhe dá uma coisinha má"! E ele prosseguiu: " Isto não se admite"! Até que deu à senhora dinheiro para ela lhe pagar a despesa  e ela consentiu e deixou-o passar.

 

Depois deste velhote sair, a senhora disse-nos que ele  era um daqueles velhotes, que costuma estar num bando de jardim, a jogar ás cartas com outros idosos e que devia de ser esse o motivo da sua pressa! Outro senhor confirmou que também o conhecia de lá.

 

Uma coisa é certa, neste dia, quem mais se manifestou insatisfeito com as filas foram exatamente os velhotes, aqueles que deviam ter mais calma e menos stresse, mas não,  parecia  que tinham um transporte para apanhar, um emprego para chegar a horas ou o almoço para fazer!

À procura dos espinafres

Eu já tinha acabado o meu turno, já estava sem a farda e andava a fazer as minhas comprinhas no supermercado. Mas mesmo assim, as pessoas conhecem-me e por vezes fazem-me perguntas. Por  vezes ando com pressa, mas neste dia até andava nas calmas. Um senhor dirigiu-se a mim e com muita educação perguntou-me se eu sabia como eram os espinafres, pois era um recado da esposa e ele pesar de comer sempre sopa de espinafres, nunca os tinha visto fora do prato da sopa!. Lá fui ajudar o senhor, que me agradeceu muito educadamente e até um pouco envergonhado!

Não deve ter sido fácil para ele confessar que não conhecia os espinafres fora do prato da sopa!