Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Quando 'a palavra é de prata e o silêncio é de ouro'

Uma senhora está a colocar as suas compras no tapete . Deixa um espacinho em cada grupo de artigos e diz-me que são três contas. Vai, um distinto senhor que está atrás diz: "isso assim não pode ser, não tenho tempo para estar à espera!" A senhora passa para o lado de saída sem responder ao senhor, mas diz-me que agora ainda vai fazer pior, e vai arrumar tudo nas calmas! Como a senhora estava no seu direito, porque não é proibido a mesma pessoa fazer várias contas, nem me pronunciei.

Assim fez, e o senhor esperou, e não disse mais nada!

calate.jpg

Os supermercados têm câmaras de vigilância

Por vezes, há situações que são mesmo embaraçosas. Há quem se esqueça que existem câmaras de vigilância nos supermercados. Fui informada que determinada cliente foi vista  a fazer batota com uns preços de um artigo da peixaria, digo assim, para  não entrar em pormenores e não dar ideias a outros como ela. .

O que fiz foi descolar, retirar o artigo, e registar. A cliente em questão apenas queria pagar umas sardinhas e levar à borla uma posta de outro peixe, que era de um preço bem mais elevado!

Mas a cliente não teve qualquer tipo de incómodo, pois já lá voltou outras vezes e de vez em quando, tenta a sorte.

Será que ela imagina  que já sabemos todos que tem esta atitude e que a vemos da forma que vemos!?

vaiserapanhadoaroubar.jpg

Mulher a passear pelo corredor e a dizer que estava a fazer distanciamento

O  dia estava com alguns picos de clientela, e eu ainda não tinha feito a pausa que tinha direito. Entretanto, surgiu um momento, em que, estando a acabar uma cliente e não tendo outra, tive autorização para fechar a caixa e ir.

No entanto, surge uma senhora, vinda do corredor que tinha o carrinho lá encostado, e diz-me: "Então!? Não feche, eu estou aqui, tem de me atender! "

A outra senhora que estava a terminar diz-me : "Olha que lata, andava a ver as coisas nos corredores e agora diz que estava na fila"!Ao que esta responde: "Eu não estava no corredor, estava a fazer distanciamento!"  Ela percebeu o que eu ia fazer, mas esteve-se nas tintas para mim. Porque nós somos máquinas, não temos fome nem podemos ir à casa de banho!

E pronto, lá adiei a minha pausa para atender a doutora, que bem podia ter ido a a outra caixa!

Haja paciência!

pacienciainfinita.jpg

Vira o disco e toca o mesmo

Mais uma vez, a questão de pedir aos clientes para mostrarem os sacos vazios que trazem de casa e levam no fundo do carrinho ou até pendurados no mesmo.

Um casal, já tinha colocado todos os artigos sobre o tapete, eu já tinha passado mais de metade, quando o carrinho passa para o outro lado. Pedi para ver os sacos. Não perceberam a pergunta. Repito e aponto para o pedido por escrito onde menciona que os sacos têm de passar pelo tapete (claro que se as pessoas os mostrarem de livre vontade, nós não pedimos, tem é de dar para perceber se estão vazios). Olharam um para o outro e deram-me os sacos incluindo o térmico que estava com o peixe dentro. E disseram que com a pressa até se tinham esquecido.

Vi pela conta que levavam cerca de €60 em peixe, que certamente não pretendiam pagar! Eu é que ainda fiquei nervosa. E pedi porque peço sempre, e não por desconfiar! Não estava à espera! E podiam me ter enganado!

Quando saíram da caixa, o cliente que estava a seguir, tinha, sem eu dar conta, observado tudo e disse-me: "que espertos "! Pareceu-me bastante surpreendido e indignado com a situação.

Uns 10 minutos depois, chega uma senhora que fica toda ofendida porque lhe peço para ver o saco! Diz-me "estão com medo que as pessoas levem coisas sem pagar dentro dos sacos!" Então eu digo-lhe que ainda há minutos levavam €60 de peixe sem pagar. Explico-lhe a situação e a mulher responde: " Pois a miséria é tanta, e as coisas estão tão caras...", nem a deixei acabar disse-lhe logo que isso não era desculpa para roubar!

Isto não está fácil! Quase todos os dias há uma situação destas, de "brindes" dentro dos sacos!

HOME34567.jpg

Um quase roubo

Estou a atender um cliente que estava numa de conversar, conversar. Eu estava a tentar despachar, mas o senhor queria mais conversa.

A dada altura ouço um alarme, que me parecia não ser da minha caixa, parecia vir de longe, e então olhei para trás. É aí que esse senhor que trazia uma mala preta ao ombro, retira da mesma umas laminas dentro de uma caixa com alarme e diz, na maior das descontrações : "Fui eu,  fui eu ! Meti isto aqui para não misturar com a comida e quase que me esquecia de as pagar! Ainda ia o segurança atrás de mim e passava vergonha!" Era um produto caro.

Fiquei ali uns segundos  a processar a situação, e pedi ao senhor para não voltar a fazer isso. Ele diz: "pois, já viu a minha situação, que vergonha!!

Eu nem sabia o que pensar. Ou o senhor é bom actor ou estava mesmo a ver se levava o artigo sem pagar!

E depois quem se sente mal sou eu. Mas alguém guarda um artigo dentro da mala com intenção de o pagar!?

laminasmala.jpg

Tomar partido

Mais uma vez, uma cliente deixa o carrinho a marcar vez, e vai buscar qualquer coisa. Chega uma outra cliente com alguns artigos, e digo-lhe para avançar.

Chega a outra cliente, e diz a esta que ela lhe roubou a vez. A outra senhora responde que não estava ali ninguém. Ao que esta responde:" não estava cá ninguém, mas estava cá o carrinho, não viu!?" A cliente que já tinha os artigos em cima do tapete diz "tanta confusão, por tão pouco, é por isso que cá venho poucas vezes!"

Resolvi intervir e dizer aquela minha máxima: " Mas, carrinho sem freguês, não guarda vez!"

carrinhonaoguardavez.jpg

Foi neste momento que a cliente do carrinho abandonado disse: " Pois, mas você não tem nada que estar a tomar o partido da outra, porque ela vem cá poucas vezes, e eu venho cá muitas e gasto cá mais dinheiro que ela!" A outra senhora ainda ripostou:" não venho cá eu, porque é a minha filha que cá vem!"

tomar-partido.jpg

Por pouco não se pegaram ali. Mania que as pessoas têm de achar que os carrinhos marcam vez, e que a operadora de caixa pode ficar parada à espera do dono do carrinho!

Quando os clientes acham que nós estamos a embirrar

Não sei o  porquê, mas, por vezes, quando pedimos ou dizemos alguma coisa aos clientes, eles acham que estamos a embirrar. Logo eu que tento sempre fazer tudo o que a empresa delega, porque além de ser a minha obrigação, estou de acordo com a maioria das normas, mesmo que haja alguma coisa que não esteja, cumpro!

Um  senhor levava 6 garrafões de água do Luso de 7 litro,  peço para colocar um em cima do tapete, fica zangado e diz ou não mete nenhum ou põe os 6. Ainda lhe digo que basta um e que multiplico, mas ele diz "umas vezes não é preciso, outras é..."  Respondo : "ponha então os 6, é preferível, obrigada!"

Estando em cima do tapete, nem é preciso grande esforço, confirmo melhor o fundo do carrinho, porque está completamente vazio, por isso não me importo e assim a birra do cliente, não me afeta!

garrafão-7-Litros-Luso.jpg

De outra vez, outro cliente deixou no carrinho para eu contabilizar uns quantos patés para gato, que apesar de alguns serem o mesmo preço, por serem de sabores diferentes, faz com que o código seja diferente, e, nesse caso é necessário registar consoante o sabor. Pedi para os colocar todos sobre o tapete, e disso que além de ser um artigo leve, tinham códigos diferentes. Deve ter ficado zangado e atirou com os patés para cima do tapete. 

SquarePic_20210607_20160565.jpg

Quando os registei, além dos sabores diferentes, havia até um com o preço diferente. disse-lhe, mas a pessoa nem quis saber, ficou convicto que eu é que estava mal!

Só quem está no atendimento ao público é que sabe

Um cliente queria utilizar um cupão de €5 em €20 de compras. Mas não trouxe o cupão de casa, nem   tinha imprimido uma segunda via no dispensador de cupões.

Digo-lhe que pode imprimir depois, e no balcão recuperar com a colega que lá estava, para não interromper a fila e fazer as outras pessoas esperar.

Então ele começa a ser parvo e a dizer que lhe estou a dar baile, porque se fosse lá depois de pagar como é que ia ter o desconto!? Respondo que os €5 euros ficavam no cartão e não era descontado já na conta. Ele insiste que o estou a enganar.

Uma senhora que estava na fila, pede licença para intervir e mostra ao senhor um cupão de €5 onde se lê que o desconto ficava no cartão! O senhor, mesmo torcendo o nariz, lá aceita!

Quando ele sai, a senhora pede desculpa, porque também trabalha no atendimento ao público e a situação estava a incomodá-la. Digo-lhe que só tenho a agradecer, porque só me ajudou!

E é isto, só quem atende ao público consegue se por em nosso lugar em determinadas situações! Fiquei  muita grata a esta cliente!

atendimentoaopublico.jpg

No dia seguinte, já estou pronta para outra!

Preciso de clarificar aqui uma situação, devido a um comentário que recebi.

SquarePic_20210413_18124934.jpg

Mesmo que por vezes aparente  que são tantas as situações negativas que acontecem que parece que  a qualquer altura vou cair, não é bem assim! Ao fim de tantos anos nisto, já estou vacinada . Apenas fico sentida no momento, mas depois venho para casa, se tiver, tempo e vontade ainda partilho as ocorrências.  Contudo,  no dia seguinte já estou fresca e  pronta para outra!  É tipo uma fénix, que renasce das cinzas.

Se partilho as situações não é só para meu desabafo, mas também para que sirva de lição e exemplo a que me lê, ou para quem passa pelo mesmo! Isto porque agora tenho umas quantas colegas que me lêem na página do Facebook, e é tão bom!

Por isso eu não preciso de ficar na retaguarda, porque,  como disse alguém, aquilo que não nos mata, fortalece-nos!

QSDFKJDC.jpg

Nem sempre interpretamos bem os sinais

No supermercado onde trabalho, houve uma grande preocupação com a nossa segurança, daí  estarmos tão acrilicados. O problema principal é fazer os clientes respeitar o acrílico e o distanciamento, mas sobre esse  tema já escrevi tanto, ainda assim, voltarei a escrever outro dia. Hoje o tema é a audição! O acrílico dificulta a nossa comunicação com os clientes. Por vezes os clientes estão a falar, mas eu não estou a perceber o que estão a dizer, faço sinal, peço para falarem do topo. Enfim lá nos vamos mais-ou-menos, entendendo.

Perguntei a uma cliente se queria descontar o saldo do cartão continente, ela abana a cabeça a dizer que sim. Pelo menos foi o que entendi. Então descontei o saldo e a senhora pagou o restante, sem protestar. Saiu, olhou para o talão e foi lá ter comigo de novo, dizer porque é que lhe tinha descontado o saldo. Quando eu lhe disse "então a senhora abanou a cabeça", ao que ela respondeu "mais eu disse: fica, fica!" Ou seja o "fica, fica", tem o mesmo sinal que o  "sim, sim", mas afinal significava, daquele modo, um  não!

Lá pedi imensa desculpa à senhora, e o caso ficou resolvido, mas não deixa de ser caricato!

acrilicados.jpg