Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A senhora que não tinha cara de ladra, mas "ladrou"!

Já aqui fui criticada, por cismar com os sacos que os clientes trazem de casa e os levam no carrinho de forma suspeita, mas continuo a ter motivos para essa cisma!

Aconteceu com uma senhora, uma cliente já aí com uns 60 anos, depois de colocar as compras, passa com os sacos de uma forma que enchia o carrinho, e diz-me: "pronto , o que agora aqui vai, são só sacos!" Eu digo à senhora "sim, mas nós temos de ver "! Dou a volta para ir ver e encontro artigos congelados num saco de congelado, mas com outro saco por cima, eram montes de artigos congelados, encontro outro saco com pistácios e outros aperitivos, ia levar tudo sem pagar! E enquanto eu descobria esses artigos, ela ia apressadamente arrumando os outros. Não demonstrou qualquer arrependimento ou vergonha e eu é que fiquei nervosa!

Foi uma situação, que apesar de fazer parte do quotidiano do supermercado, me surpreendeu e enervou. Claro que comuniquei a situação a quem devia.

Deveria haver um sensor que captasse imagem na passagem do carrinho de compras, e,  depois no nosso ecrã,  existir uma forma de aparecer um RX do  interior do carrinho, como naqueles tapetes do aeroporto por onde passam as malas dos passageiros. Muitas vezes, os clientes não querem mostrar os sacos , outros ficam ofendidos de pedirmos. Mas também podia acontecer eu ter feito aquele passo de ir espiar os sacos da cliente, e não ter razão e depois eu é que ficava mal. Acho que foi um feeling, porque a senhora não tinha nada ar de ladra!

Continuo a dizer que quem não deve, não teme. Tem é que haver educação e cordialidade entre operador e cliente!

ladra.webp

Na primeira fila, a assistir ao aumento dos preços no supermercado...

Sinto que estou a assistir na primeira fila, à angustia das pessoas com estes aumentos dos preços dos artigos do supermercado, ou não fosse eu, uma operadora de caixa, atenta!

Já não são só os velhinhos que se queixam, é a população em geral! Não é fácil ver as pessoas atentas ao registo a olhar para o ecrã, onde a conta vai somando, e ver a sua desilusão. É triste quando nos pedem, para anular artigos, porque o dinheiro não  vai chegar!

Ainda há dias um cliente, quando leu que tinha de mostrar os sacos vazios, disse que sabia que o motivo, era o de as pessoas roubarem, e, disse também, que não tinha pena nenhuma do patrão, porque "eles" não param de aumentar os preços. O senhor até podia ter a sua razão, mas eu respondi, que os funcionários tinham a responsabilidade de impedir que isso aconteça, porque se isso acontecer, nós seriamos prejudicados nos nossos postos de trabalho.

Já vi nas noticias que até as latas de atum tinham alarmes, isso ainda não chegou, que eu saiba, ao "meu" continente, mas pouco deve faltar.

Alguém tem de fazer alguma coisa, para que isto mude. A responsabilidade, não pode ser toda por causa da guerra. O custo de vida está muito alto, para os baixos ordenados.

Se as pessoas começarem a roubar, que capacidade teremos nós, funcionários de supermercados, para impedir!?

roubos.jpg

Os supermercados têm câmaras de vigilância

Por vezes, há situações que são mesmo embaraçosas. Há quem se esqueça que existem câmaras de vigilância nos supermercados. Fui informada que determinada cliente foi vista  a fazer batota com uns preços de um artigo da peixaria, digo assim, para  não entrar em pormenores e não dar ideias a outros como ela. .

O que fiz foi descolar, retirar o artigo, e registar. A cliente em questão apenas queria pagar umas sardinhas e levar à borla uma posta de outro peixe, que era de um preço bem mais elevado!

Mas a cliente não teve qualquer tipo de incómodo, pois já lá voltou outras vezes e de vez em quando, tenta a sorte.

Será que ela imagina  que já sabemos todos que tem esta atitude e que a vemos da forma que vemos!?

vaiserapanhadoaroubar.jpg

Um quase roubo

Estou a atender um cliente que estava numa de conversar, conversar. Eu estava a tentar despachar, mas o senhor queria mais conversa.

A dada altura ouço um alarme, que me parecia não ser da minha caixa, parecia vir de longe, e então olhei para trás. É aí que esse senhor que trazia uma mala preta ao ombro, retira da mesma umas laminas dentro de uma caixa com alarme e diz, na maior das descontrações : "Fui eu,  fui eu ! Meti isto aqui para não misturar com a comida e quase que me esquecia de as pagar! Ainda ia o segurança atrás de mim e passava vergonha!" Era um produto caro.

Fiquei ali uns segundos  a processar a situação, e pedi ao senhor para não voltar a fazer isso. Ele diz: "pois, já viu a minha situação, que vergonha!!

Eu nem sabia o que pensar. Ou o senhor é bom actor ou estava mesmo a ver se levava o artigo sem pagar!

E depois quem se sente mal sou eu. Mas alguém guarda um artigo dentro da mala com intenção de o pagar!?

laminasmala.jpg

A idade da falsa inocência

Antes eu até podia espreitar para os carrinhos, para dentro dos sacos, mas não tinha a autoridade, que agora tenho, para pedir que os sacos passem por cima do tapete em vez de irem dentro dos carrinhos.

Desde que tenho esta "autorização", quase todos os dias, aparecem uns "brindes".

Naquele dia, não foi exceção. Quando pedi educadamente uma senhora idosa para me passar os saquinhos que estavam dobradinhos no fundo do carrinho, e mesmo vendo a atrapalhação da senhora, julguei que era ela que não me estava a perceber,  não esperava que lá estivessem quatro artigos: um esfregão da marca scotch brite , uma esponja de banho, um rolone e um shampoo para o cabelo. Meteu tudo em cima do tapete e não disse nada.

Podem dizer que foi sem querer. Que são coisas da idade. Talvez, mas tenho dúvidas, porque ela ficou muito atrapalhada!

Já não é a primeira vez que os "brindes" surgem nesta faixa etária!

imageh678.jpg

Os brindes que vão dentro dos sacos

Pedi a um simpático e já habitual casal de velhotes que colocasse o saco vazio em cima do tapete, era um saco de ráfia que ia aberto no carrinho e que tinha sacos de plástico dentro. A velhota, muito atrapalhada, diz-me que o saco já foi pago, eu "sim, mas tem de passar aqui por cima do tapete como está aqui (apontei para um escrito)!" Ela, meio a tremer, tira o saco vira para baixo, tira os de plástico e cai uma laca para o cabelo, que se apressou a dizer, que a mesma tinha caído para ali! Daquelas pessoas que não esperava nada, esta atitude.

Noutra ocasião, uma senhora levava um saco de pano pendurado no braço, peço para passar o saco ali, e ela "porquê o saco é meu!" Lá lhe mostro o escrito, e ela diz "espere aí que me falta uma coisa". Vai pelo corredor da alimentação e chega com um pacote de laminas de barbear que fica para o outro lado e que seria quase impossível em pouco  tempo, lá as ter ido buscar!

De outra vez uma senhora levava dois sacos dobrados naquele sítio dos carrinhos onde sentam as crianças, dava perfeitamente para ver que não tinham nada, não os pedi, mas arrependi-me, porque a pessoa a seguir levava-os em balão, perguntou porque pedi a ela e não pedi à outra pessoa, expliquei, mas não entendeu a diferença e ainda ficou a pensar que estava a desconfiar...

mulher-com-mascara-medica-e-carrinho-de-compras-no

Percebem o porquê e a importância de os sacos passarem por cima do tapete!?

Roubos

Um destes dias, tive uma chatice no trabalho. Não foi com alguém em especial mas com uma situação. Alguém roubou alguma coisa, passou na minha caixa, o alarme não apitou e eu não dei conta. Ninguém me acusou de incompetência ou algo do género, apenas me informaram do sucedido, mas eu fiquei triste. Os clientes quando tomam esta atitude, não se lembram que podem prejudicar os funcionários! Podem pensar (os gatunos) que fizeram um trabalho bem feito e que ninguém reparou, mas olhem que não é bem assim. Há muita coisa que se sabe.

 

Era tudo mais fácil se as pessoas fossem mais honestas. E  o artigo em questão foi algo supérfluo, por isso não foi por estarem a passar fome ( não que isto seja uma justa desculpa) ou algo do género!

Cliente insatisfeita...

Chega uma senhora á minha caixa. Começa a colocar os artigos sobre o tapete e pede para passar um dos artigos em separado. Nesta altura está uma colega minha perto da minha caixa a arrumar aqueles artigos que estão no topo das caixas. Então a dita senhora começa a falar com a minha colega:” Como vê, sempre vou levar isto e já estou a pagar!”, mas disse isto num tom bastante alto. Quando a minha colega se afastou, a cliente, começou a discursar”…a sua colega estava a desconfiar de mim, o que é que ela pensa que eu sou? Não têm confiança nos clientes!? Primeiro estava eu no corredor das bolachas e ela lá, depois estava nos detergentes e ela lá. Isto porque eu lhe perguntei o preço de um artigo. Ainda por cima deve pensar que os clientes são ingénuos ao ponto de não perceberem tudo, irra!”
Sim, irra foi uma palavra usada pela cliente. Perante estas evidencias eu preferi deixa-la desabafar. O artigo a que a senhora se referia era uma espécie pestanas postiças e normalmente esses artigos são os mais “roubados”…