Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Vira o disco e toca o mesmo

Mais uma vez, a questão de pedir aos clientes para mostrarem os sacos vazios que trazem de casa e levam no fundo do carrinho ou até pendurados no mesmo.

Um casal, já tinha colocado todos os artigos sobre o tapete, eu já tinha passado mais de metade, quando o carrinho passa para o outro lado. Pedi para ver os sacos. Não perceberam a pergunta. Repito e aponto para o pedido por escrito onde menciona que os sacos têm de passar pelo tapete (claro que se as pessoas os mostrarem de livre vontade, nós não pedimos, tem é de dar para perceber se estão vazios). Olharam um para o outro e deram-me os sacos incluindo o térmico que estava com o peixe dentro. E disseram que com a pressa até se tinham esquecido.

Vi pela conta que levavam cerca de €60 em peixe, que certamente não pretendiam pagar! Eu é que ainda fiquei nervosa. E pedi porque peço sempre, e não por desconfiar! Não estava à espera! E podiam me ter enganado!

Quando saíram da caixa, o cliente que estava a seguir, tinha, sem eu dar conta, observado tudo e disse-me: "que espertos "! Pareceu-me bastante surpreendido e indignado com a situação.

Uns 10 minutos depois, chega uma senhora que fica toda ofendida porque lhe peço para ver o saco! Diz-me "estão com medo que as pessoas levem coisas sem pagar dentro dos sacos!" Então eu digo-lhe que ainda há minutos levavam €60 de peixe sem pagar. Explico-lhe a situação e a mulher responde: " Pois a miséria é tanta, e as coisas estão tão caras...", nem a deixei acabar disse-lhe logo que isso não era desculpa para roubar!

Isto não está fácil! Quase todos os dias há uma situação destas, de "brindes" dentro dos sacos!

HOME34567.jpg

Como se fosse normal...

Estou a registar os produtos a uma senhora. Quase ao fim do registo ela, retira dois snacks de cão pedigree da mala e  diz-me: " Ah espere! Aí que já me ia esquecendo, falta isto !" Eu digo-lhe  que não pode levar as coisas dentro da mala, e ela diz-me que a cadela dela quando a dona  chega vai logo a correr ter com ela porque sabe que ela lhe leva aquele miminho, como se aquela atitude, onde quase se esquecia de pagar não tivesse mal algum! Ainda lhe pedi para não voltar a fazer, mas acho que nem me deu importância!

Esta situação já não é a primeira vez que me surge, só não sei se foi a mesma senhora!

Era só colocar o artigo na mala depois de pago. Isto há com cada uma!

mulhedoida.jpg

Os clientes que não gostam de mostrar os sacos que trazem de casa

Estava a atender um casal, talvez na casa dos 65 anos.

A senhora passou para o lado de saída para arrumar os artigos, o senhor ainda estava com o carrinho no lado de recepção dos artigos. Quando este estava a empurrar o carrinho para a esposa, e como levava os sacos em formato de balão uns sobre os outros, levantei me para espreitar o seu interior. O senhor, muito ofendido, pergunta-me se estou a achar que ele leva coisas lá escondidas. Digo-lhe que estou a fazer o meu trabalho e aponto para um escrito que lá está, onde pede para os clientes colocarem todos os sacos, inclusive os que trazem de casa, em cima do tapete.

Mas ele continua a reclamar. E pergunta de novo se  acho que alguém ia levar lá alguma coisa. Como já estava a ser desagradável e não respeitar uma regra da empresa, respondo "não seria  nem o primeiro, nem o segundo, nem o décimo!" E ele volta a dizer mas "Mas eu!?"

Eu respondo que não o conheço, e mesmo que conhecesse é uma norma igual para todos.

A esposa disse- lhe "deixa não vale a pena"! Como se eu é que estivesse errada na atitude!

Também lhe disse que não percebia a atitude dele e que quem não deve não teme. 

Uma colega viu a situação, e até lá foi perguntar se estava tudo bem e se eu precisava de alguma coisa. Talvez tenha sido aí, que o senhor baixou a guarda.

Não sei quem era o senhor, se calhar alguém famoso ou conhecido, mas não para mim. Para mim era um cliente. Um cliente que não gosta de respeitar regras, pessoas, que não teve uma boa formação. Mal educado, mesmo. 

Mas esta situação acontece muitas vezes. Ainda há dois dias uma senhora me disse que as pessoas do Cartaxo são muito desconfiadas dos clientes. Respondi, "pois infelizmente temos razões para isso"! E ela respondeu que em Santarém confiam nas pessoas.

As pessoas não sabem, ou não querem saber, ou até lhe dá jeito que não se observem os sacos.

Também há dias, se eu não tivesse pedido para ver os sacos, a cliente levava peixe sem pagar, pois só quando fui ver os sacos é que me disse " ah também está aqui o peixe"! E já estava no lado de saída. Se eu fosse aqui a enumerar os artigos que já tentaram passar sem pagar, infiltrados nos sacos...

Se todos os supermercados tivessem esta norma, iam se surpreender com a quantidade de artigos que se infiltram por baixo dos sacos, por dentro, de lado e até entre os que estão dobradinhos. Quem nos dera que os clientes mostrarem os sacos fosse uma norma geral e obrigatória em tos os supermercados. Iam ver o número de roubos/quebras a descer.

Até parece que nós é que somos os desconfiados, os cliente têm sempre razão, são sempre corretos, bem formados, bem educados e nunca levam nada sem pagar, a não ser que o artigo lá vá cair...

Enfim, haja paciência!

sacossobreotapete.jpg

Os brindes escondidos nos sacos

Quando, nós, operadoras de caixa, pedimos aos clientes para mostrarem os sacos ou para os colocarem sobre o tapete, não é porque achamos que são novos e os queremos registar, é mesmo para verificarmos se estão vazios ou se levam brindes!

CarosClientes.jpg

Nós conseguimos perceber quando a cena é sem intenção e quando há má intenção. Mas certamente devem saber quem é que prejudicam!

Aquelas duas velhotas trapaceiras

caixa-de-supermercado.jpg

Por algumas vezes, quando   as atendia, julguei que eram mesmo duas velhotas um pouco despassaradas, alheadas!

 

Tinha de estar sempre a conferir os carrinhos, pois esqueciam-se sempre de alguma coisa. Não me parecia que fosse com intenção!

 

Mas a situação começou a se repetir tantas vezes, que comecei a ficar mais atenta!

 

Da ultima vez, uma delas levava um saco térmico tipo lancheira, e quando ela ia a passar eu vi algo vermelho lá dentro, nem percebi se era algum papel ou o que era e perguntei o que era aquela coisa vermelha. ao que a senhora me responde "são  uns gelados!"  Digo: "então mas tem de os por em cima do tapete para eu os registar"! E ela responde "ah era para não descongelarem"! Também levava peixe congelado, e esse, meteu-o em cima do tapete, por isso julgo que não foi distração, pareceu-me que a intenção era mesmo levar os gelados à borla!

 

Afinal, parece-me, que  nem todas as pessoas com mais idade, são completamente inocentes!

 

E a mãe permitiu?

asgomas.jpg

Estou a atender uma senhora com o seu filhote de  cerca de três, quatro anos. Acho graça ao miúdo e meto conversa, só que ele tinha a boca cheia de gomas e não conseguia responder, reparo que também tem gomas na mão. E diz a mãe: "ah ele já foi roubar gomas!" E ri-se. Não eram gomas de um pacote, que tinha aberto e depois ia pagar, mas sim daquelas que se vendem em avulso, que as pessoas trazem num saquinho  e depois nós pesamos na caixa...

 

Será que custava muito esta jovem senhora, dizer ao menino que tinham de por as gomas no saco e dar na caixa para se pesar e pagar, porque não se rouba!?

 

Com a cara que eu fiz, julgo que a senhora entendeu o desagrado!

Furtos no supermercado

Há coisas que nunca mudam, nem a presença  dos seguranças,  nem o facto de haver câmaras por todo o lado, intimidam as pessoas que têm o intuito de furtar alguma coisa.

 

Ontem, uma cliente  reparou ao chegar à caixa, que a meia dúzia de ovos que trazia, apenas tinha quatro ovos, pois alguém, que certamente só precisava de dois ovos, não quis  gastar dinheiro em seis, e então, certamente, levou dois ovos no bolso!

ovos.jpg

 

Os clientes e as suas estranhas atitudes

Os meus últimos clientes de hoje, eram uma senhora e um jovem. Depois de colocarem todos os artigos sobre o tapete, passam com o carrinho para o outro lado. Reparo que vai no carrinho uma caixa com cerejas.

Eu: Ainda está uma caixa no carrinho!

Senhora: São cerejas!

Jovem : Sim, são as cerejas.

E nada de me as darem para eu as registar. Mas eu fico em modo de espera/parada e é aí que me dão a caixa!

Já nem sei o que pensar das atitudes dos clientes! Será que pensavam que as cerejas eram oferta!?

cerejas-ficam-no-carrinho.jpg 

Uma escova de dentes no decote

Uma jovem cliente, acompanhada do marido/namorado, chegou à minha caixa com os artigos numa mão, na outra mão trazia uma canadiana. Começo a registar os artigos e reparo que ela tem uma escova de dentes embalada no decote, via-se apenas a cabeça da escova. Esperei que ela dissesse alguma coisa. Como não disse, atrevi-me a perguntar se aquela escova era da dali, ao que ela respondeu: "ah sim, é! não consegui foi agarrar em tudo"!

Fiquei surpreendida. Fica sempre a dúvida, pois o artigo era fácil de "agarrar", aliás, mais fácil do que qualquer outro artigo, mas não quero ser injusta, ao pensar que a intenção da senhora era, não pagar a escova!

 

A velha história dos sacos...

Ando sempre em luta com os clientes por causa dos sacos. Tenho sempre o mínimo possível de sacos disponíveis, prefiro ir dando os sacos à medida que os clientes vão precisando. Até me dá mais trabalho, mas enfim. É daquelas coisas que me perturbam. Há clientes que que levam uma lata de salsichas num saco e uma lata de atum em outro. E depois ainda pedem para levar mais sacos, alguns (clientes) pedem, outros nem pedem, tiram-nos.

 

Um destes dias, a colega que estava á minha frente tinha saído da caixa e deixado um monte de sacos à frente da caixa. Vejo o cliente que estava  na minha caixa a mexer lá e tirar os sacos todos. Levantei-me e disse: "Olhe desculpe, o senhor não pode tirar daí os sacos!" Sabem o que o senhor me respondeu? Respondeu:  " é você que paga os sacos!?" E depois voltou a colocar lá uns dois ou três, só para disfarçar, e levou aquele montão de sacos. Fiquei tão enervada!