Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Escutem bem o que é dito ao som

Ao longo do dia, quer na rádio do continente, quer ao nosso som, a funcionária que está no balcão, vai pedindo aos clientes para respeitarem a sinalética, o   espaço de dois metros entre pessoas e para serem breves nas compras, para permitirem a entrada de outras pessoas.

Estava uma colega a fazer o dito pedido, enquanto eu atendia uma senhora que estava com a sua mãe, era um momento até de acalmia. Entretanto a senhora mais nova (a filha) diz: "Vá mãe despacha-te, não ouviste!? Vão fechar para almoço e estão a pedir ás pessoas para saírem!"

Percebi logo que as pessoas nem prestem atenção ao que dizemos, elas ouvem o que lhes convém, ou o que acham por bem, o que lhes apetece. É impressionante!

Lá expliquei o que tinha sido dito, e que o continente não fechava para o almoço, como alguns supermercados na zona.

estimadocliente-covid-19-super.jpg

Obrigada aos clientes

Porque nós, no tempo em que estamos  perante este maldito vírus, também temos de agradecer.

Muito obrigada aos clientes por não levarem as crianças e adolescentes  consigo ás compras. Finalmente, as pessoas compreenderam, que os mais novos, não são muito  afetados pelo covid-19, ou que, mesmo apanhando, os sintomas não se manifestam, mas, elas podem transmitir o vírus às outras pessoas. Por isso, pediram que não deixassem as crianças com os avós!

Obrigada aquelas famílias que já escolhem um membro para ir sozinho ás compras e não vão em grupo, é melhor para vós e para nós.

Obrigada aqueles clientes que têm sempre uma palavra amiga, que perceberam que precisam de nós, tal como nós precisamos dos clientes.

Obrigada aqueles que entendem as regras e respeitam os espaços de segurança!

Bem hajam!

imagemcaixa.jpg

Parece que o medo de passar fome é superior ao do contágio

Esta semana o caso começou a ficar realmente preocupante. As pessoas, andam a correr ao supermercado, a açambarcar tudo o que podem, como se a comida fosse acabar.

imagem123654.jpg

(Imagem retirada da internet e publicada por um cliente do continente)

Tem faltado algumas coisas, não porque não haja os artigos, mas porque não se esperava este açambarcamento, e é preciso repor, reforçar.

Hoje por exemplo, foi a loucura, ás 9:30h já as filas eram grandes, diminuiu um pouco à hora de almoço, mas se for como ontem, no horário pós laboral, volta a encher até se perder de vista o fim das filas.

Ainda se fosse como na greve dos combustíveis, que havia a hipótese de os alimentos não chegarem ao destino e ficarem retidos, mas não! Isto é um caso sério sim, devido ao contágio, não por se poder  passar fome!

As pessoas disseram ter receio de os obrigarem a ficar fechados em casa e depois não terem nada para comer. Não acreditam que alguém lhes vá depois fornecer comida.

Então e o papel higiénico, perguntavam-se eles!? Isto vai dar em diarreia!? Não é por isso, diziam outros, é porque alguém disse para limparem as superfícies com um spray desinfetante com  papel e depois meter no lixo! Então era para isso tanto papel!?

Uma senhora que me disse ter problemas de saúde, pensou levar máscara mas teve vergonha, e só foi comprar as coisas do costume, realçou que não fazer armazenamento.

Muitas pessoas ouviram as notícias sobre as praias de ontem (zona de Carcavelos) estarem cheias de gente, acusando as pessoas de inconscientes, desobedientes, porque os tinham dispensado da universidade/escola/trabalho para ficarem em casa e foram todos para esplanadas e praias. Enquanto uns vão pro supermercado esvaziar prateleiras, outros vão para praia desfrutar do sol! Fazer o que lhes foi pedido e recomendado, não! Talvez com vigilância policial...

Parece que o medo de passar fome é superior ao do contágio. É preciso calma, ter comportamentos adequados, principalmente de higiene e ouvir mais quem sabe, quem é profissional, do que os sensacionalismos da comunicação social, principalmente um determinado canal, felizmente é um canal por cabo e muitos velhotes não tem acesso.

Nós, que trabalhamos num supermercado também estamos muito expostos, temos um frasquinho em spray com álcool, para ir passando nas mãos e nada mais. Eu estou realmente preocupada, não só por mim, mas também pelos meus, aqueles com quem vivo. Para já ainda não tenho receio de ficar sem comida em casa.

A mensagem que ontem o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho da SIC deixou, tornou-se viral no bom sentido, por ser tão correta e sensata!

« Foi declarada oficialmente a pandemia. Permita-me recordar que nesta fase estamos todos no mesmo barco, não sabemos para onde vai, não sabemos qual a dimensão do perigo que espreita. Em Portugal, e até novas ordens, podemos fazer a nossa vida.

Mas com uma atenção suplementar: reduzir os nossos contactos físicos ao estritamente necessário, evitar aglomerações sempre que possível, manter uma higiene vigilante e respeitar o espaço dos outros.

É bom que os portugueses percebam que esta não é daquelas que se resolvem a pensar 'isto só acontece aos outros'. Dito isto, vamos manter a esperança e o animo porque a tempestade vai passar com a ajuda de todos nós, do país e do mundo.»

Obrigada Rodrigo, por esta mensagem!