Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Momentos stressantes e animados

Hoje quando cheguei ao trabalho sentia-me animada e cheia de energia. No entanto, aconteceram algumas situações durante o turno, que teimavam em fazer o dia me correr mal. Situações como: ter de chamar apoio várias vezes; a impressora encravar; um cliente achar que a conta estava mal somada (eu disse 71 euros e ele entendeu 101, e foi um tal confusão de conversa); os vales de desconto não assumirem o desconto; bloquear a conta por ter passado artigos após o total, enfim...comecei a stressar.

 

Alguns clientes, até me diziam para me aclamar e  não stressar. Uns queridos e atenciosos! E não deixei que estes pormenores me estragassem o dia.

 

Entretanto, até houve  situações que me fizeram rir. Conto uma delas, que foi assim:

 

Um cliente já de alguma idade diz-me no momento em que registo um daqueles vinhos tintos que vem em caixa de de cinco litros, que o vinho é para a sua sua sogra. Eu começo a rir-me, porque pensei na idade que teria a sogra deste senhor, uma vez que ele próprio já não era novo. Ao que ele me responde: "Está rir-se!? É verdade! Ela tem 95 anos e bebe sempre um copo de tinto às refeições e está rija!"

 

E foi um momento animado!

poder-do-vinho-materia[1].jpg

 

Finalmente registei um livro meu, na minha caixa

Hoje tive um momento que muito me emocionou. Uma senhora já de idade, e vestida de preto, mas tão bem vestida que parecia uma boneca! Muito simpática, amorosa, doce, veio felicitar-me pelo livro. Disse-me que me viu na SIC, e que gostou muito. Depois perguntou onde podia encontrar o meu livro. Quando eu lhe disse onde estava,  ela pediu à pessoa que estava com ela para ir buscar um.

 

E eu registei finalmente um livro meu na minha caixa! Entretanto a senhora começou a falar sobre a sua vida, sobre a solidão e vi os olhos dela com lágrimas, tipo a pedir um pouco de atenção. Disse que gostava muito de ler e que o meu livro lhe ia fazer companhia. Tive de fazer um esforço imenso para não chorar também. Ela foi tão querida comigo. Eu queria arranjar palavras de conforto para ela, mas foi difícil para mim. Disse-lhe para ter calma, desejei-lhe felicidades e agradeci-lhe. Só espero que esta senhora encontre harmonia na sua vida, e que fique bem!

 

 http://www.facebook.com/Alupadealguem.olivro