Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Questões que alguns clientes colocam

Uma cliente perguntou-me se aqueles carrinhos/cestos estavam desinfetados. Ora eu sei que são desinfetados, mas também sei, que seria impossível desinfetar cada cesto, a cada cliente, então respondi : "Sim são desinfetados!"

Mas um conselho que já me deram é pegar no puxador com luvas ou com um lenço papel ou como agora cada um de nós anda com álcool gel ou spray colocar um pouco na pega.

Também me perguntaram se podiam pagar em dinheiro, porque achavam que não se podia. Expliquei que não era questão de não se poder, mas que apenas era mais aconselhável usar cartão, por causa do manuseamento das moedas e das notas e porque as mesmas andam em muitas mãos. Uma coisa que me ensinaram mesmo antes da chegada desta pandemia é que o dinheiro é a coisa mais suja que existe!

Uma cliente também perguntou se agora não podia levar a filha ao supermercado, porque já a tinham criticado. Eu respondi que não era proibido, mas que era aconselhável. Até disse à senhora que também não era aconselhável, irem pessoas idosas, pessoas com doenças de risco, mas, nada é proibido. Temos é de ser responsáveis e consistentes. Até lhe disse, que se ela tivesse  onde deixar a  filha, pelo menos enquanto isto estiver assim, era preferível. Aparentemente concordou... 

imagem12365lk.jpg

Quando estamos a cumprir, não há que ter medo das queixinhas

Estava a atender um senhor, que ainda tinha o tapete cheio, a seguir estava um casal,  pessoas aí com uns 70 anos de idade.

O marido da senhora passou pelo corredor onde estava o cliente a ser atendido, e quase roçou neste. Eu disse que não podia passar assim, e o senhor respondeu que era para ir para o outro lado, o mal já estava feito,  ainda expliquei a noção do espaço, mas o senhor ignorou. Entretanto a esposa deste chegou-se para o tapete e já ia começar as por os artigos, mesmo não havendo espaço.  Disse-lhe que tinha de esperar um pouco. A senhora ficou ofendida e começou a falar de forma agressiva. Não respeitou o espaço, não esperou as instruções da colaboradora para avançar como faz a maioria das pessoas. Ainda me pediu o nome,   que eu lhe dei com um sorriso, escreveu num papel e disse que ia fazer queixa!

Tremi de medo! Ela é que foi  mal educada, não teve civismo algum, nem respeito pelas regras!

Tenho sentido este problema nas populações com mais idade, esta dificuldade em aceitar e respeitar. Os mais velhos criticam a "rapaziada" mais nova por isto e por aquilo, mas nesta matéria, os mais novos, e até as crianças, estão uns pontos à frente!

idosonosuper012.jpg

E a "saga" da prioridade continua na fila

Estou a acabar o atendimento a uma cliente. A seguir está uma velhota já com algumas coisas no tapete e depois desta, está uma jovem senhora, grávida. Esta senhora, por acaso brasileira, pergunta se há uma caixa para grávidas, e se pode passar.

Fiquei ali um pouco indecisa, porque pedir a uma senhora idosa, e se calhar mais debilitada que a grávida, não seria bom senso. Então perguntei à senhora idosa, se ela se importava que atendesse primeiro a senhora grávida, ao que ela perguntou "mas porquê , ela está com pressa?". Respondi que estava grávida, e a senhora idosa não entendeu, o porquê desta querer ser atendida em primeiro lugar. Perante isto a senhora grávida, disse que esperava.

Quando chegou a vez da senhora grávida, eu expliquei que não tínhamos uma caixa exclusiva para grávidas, tínhamos as caixas prioritárias, mas, as mesmas, incluíam grávidas, deficientes, crianças de colo, idosos debilitados... A senhora disse: " mas isso não está muito certo, devia ter caixa para grávidas e cadeirantes, porque, assim a pessoa fica inibida de estar a pedir"! Disse à senhora que quando há vários clientes  prioritários, o atendimento é feito por ordem de chegada à fila, mas pareceu-me que a senhora não concordou, ou não entendeu!

Ainda bem que estes "conflitos" não acontecem todos os dias, e que muitas pessoas já conseguem usar o bom senso, porque não é fácil gerir!

1499884358[1].jpg

Aquelas duas velhotas trapaceiras

caixa-de-supermercado.jpg

Por algumas vezes, quando   as atendia, julguei que eram mesmo duas velhotas um pouco despassaradas, alheadas!

 

Tinha de estar sempre a conferir os carrinhos, pois esqueciam-se sempre de alguma coisa. Não me parecia que fosse com intenção!

 

Mas a situação começou a se repetir tantas vezes, que comecei a ficar mais atenta!

 

Da ultima vez, uma delas levava um saco térmico tipo lancheira, e quando ela ia a passar eu vi algo vermelho lá dentro, nem percebi se era algum papel ou o que era e perguntei o que era aquela coisa vermelha. ao que a senhora me responde "são  uns gelados!"  Digo: "então mas tem de os por em cima do tapete para eu os registar"! E ela responde "ah era para não descongelarem"! Também levava peixe congelado, e esse, meteu-o em cima do tapete, por isso julgo que não foi distração, pareceu-me que a intenção era mesmo levar os gelados à borla!

 

Afinal, parece-me, que  nem todas as pessoas com mais idade, são completamente inocentes!

 

O "poder" das palavras

O atendimento a pessoas com mais idade, pode nem sempre ser fácil. São pessoas que precisam de mais tempo, e muitos dos que estão na fila, não entendem isso, não estão dispostos a esperar.

 

Ajudei uma senhora que estava sozinha, no embalamento das compras, tentei despachar o mais depressa possível. Mas, a parte de tirar a carteira da mala, procurar os cupões, e tudo isso, não pude, obviamente, intervir. A senhora remexia, remexia e não encontrava a carteira. As pessoas da fila, já mostravam impaciência, e isso ainda atrapalhava mais a senhora.

 

Finalmente a senhora lá encontrou a carteira e os cupões. No final, antes de se ir embora, disse-me "obrigada pela ajuda e pela paciência"! Palavras, que naquele momento e naquele dia, souberam tão bem!

 

Por vezes, e para determinadas pessoas, tenho pena de não ter tempo para dar mais atenção, mas tenho de ser rápida a executar as tarefas, porque quem espera, desespera!

 

animacao.jpg

 

A velhice não tem ser assim...

Costuma lá ir um senhor que me recordo de o ver lá como alguém bem disposto e de saúde. Mas agora, com o avançar da idade, ou apanhado por alguma doença, apesar de fisicamente parecer bem, noto que está debilitado. Atrapalhado, esquecido, mas se me ofereço para ajudar a embalar as compras não aceita, deve achar que me ofereço por ele estar a demorar , mas não é isso, nós ajudamos mesmo, seja quem for.

 

Tenho de ir pelo passo dele, devagar, devagarinho, mas é mesmo assim, eu tenho paciência (este senhor faz-me lembrar alguém muito próximo, que já não está entre nós), quem está na fila tem de compreender. Quando o senhor finalmente saiu da minha caixa, uma senhora que o conhece disse que aquela debilitação lhe chegou de um dia para o outro, e disse, que ainda por cima, tem a esposa acamada. Outra pessoa da fila, disse que mesmo assim ele ainda conduzia e que já o tinha visto fazer uma rotunda ao contrário!

 

É triste assistir a estas situações, saber das dificuldades destas pessoas, a velhice não tem de ser assim!

idades.jpg

 

Quase 98 anos de vida

idosojanotas.jpg

Já atendi um senhor tantas vezes e nunca me ocorreu que ele já tivesse 97 anos, e em breve a fazer os 98. Fiquei mesmo surpreendida. É que o senhor não tem nem cara, nem postura  e muito menos conversa para  uma pessoa tão idosa. Mas, disse-me ele, trabalhou desde os 13 anos e esteve numa mesma empresa 49 anos. Enfim, teríamos tema para uma grande conversa, não fosse o movimento do supermercado exigir que eu tivesse de dar atenção ao cliente seguinte!

Com educação e civismo tudo se consegue

Na fila está uma jovem e quase que encostada a ela está uma idosa com três artigos na mão. Esta idosa parecia-me estar com a jovem, pela atitude de estar tão “colada” a ela! Mas, mal acabei de atender a jovem, diz-me a senhora idosa: “ esta juventude, a ver que eu só tinha estas coisitas e nem me deu a vez!” Foi quando percebi que elas não estavam juntas. A jovem ao ouvir isto ainda disse: “ Por acaso pediu-me alguma coisa? Não gosto nada que se encostem a mim e que me pressionem. Pensa que por ter idade pode tudo!?”

 

A idosa apenas baixou a cabeça, e já não respondeu, certamente, porque sentiu que a jovem tinha alguma razão, ou porque teve receio de um maior confronto. Acho que com educação e civismo tudo se consegue, e foi o que aqui faltou por parte da senhora mais velha!

 

novavelha.jpg

Os mais velhos quando vão à caixa precisam de mais tempo...

Uma das principais características da minha profissão é a rapidez e eficiência no atendimento e no registo das compras. Parece normal, já que é o que a maior parte das pessoas  têm horários a cumprir. Mas, e os mais velhos? E aqueles que não tem a mobilidade dos demais? Muitas vezes fico a pensar neles.

 

Um destes dias atendia uma velhota que mal se conseguia mexer. Eu embalei todos os seus artigos e tentei ajudar no que pude. Esta cliente usou cheque como meio de pagamento e este processo é muito demorado. O mundo parece não estar disposto a esperar nem a ter mais tolerância para este grupo de pessoas.

 

Eu tento tratar estas pessoas como eu gostaria que tratassem as pessoas da minha família e amigos ( nesta circunstâncias) que me são queridos e próximos, mas por vezes é muito complicado porque as outras pessoas que estão na fila não estão dispostas a aguardar.

 

Neste caso que relatei , a cliente a seguir disse na presença da outra cliente enquanto esta passava o cheque, frases como :  isto assim não pode ser; não tenho o dia todo;  esta gente não tem desembaraço nenhum...enfim eu até fiquei constrangida.

 

O que se pode fazer? Este grupo de pessoas não pode ser ignorado e merece todo o nosso respeito. Não deveria haver uma caixa especial para estas pessoas? Uma caixa sem a correria das demais? Não sei se seria solução adequada, mas acho que se devia pensar um pouco nisso...