Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Momentos de humor são bem-vindos

 

Até pode haver dias em que aparece um ou outro cliente mais difícil. Mas não falo deles para me queixar, mas para desabafar, e dar a conhecer como é o atendimento ao público.

 

Mas tenho de dizer que é com satisfação que faço este trabalho. Por vezes até me divirto com os clientes. É um tempo bem passado. Sou uma sortuda porque faço aquilo que gosto e ainda recebo uns trocos! Quantas pessoas podem dizer o mesmo!?

 

Hoje atendi uma cliente, que traz sempre tão boas energias. O tempo que passo a atendê-la,  é tão bom, que me apetecia que ela ficasse mais um bocadinho... Estava a dizer-me que na hora de pagar a conta, o marido desaparece sempre. E depois, na brincadeira,  dizia ainda que os homens fazem falta, para pagar contas, depois eu digo "para mudar lâmpadas" e ela diz "e para mudar pneus"! Estava um senhor na fila que achou graça e até entrou na  nossa conversa!

 

Não foram estes dois dedos de conversa que atrapalharam o funcionamento da fila, muito pelo contrário...foi um momento de entusiasmo para muitas pessoas.

 

 

furado[1].jpg

Apelo à sensibilidade masculina

 

 

Estou a atender um casal já de média idade (por volta dos 50/60 anos). O homem diz à mulher que vai buscar algo que se esqueceu. Neste momento a esposo vai ao expositor de revistas, traz uma e diz-me: “ menina passe a revista, depressa, que o meu marido não pode ver”! Assim fiz. Depois a Sra. já mais calma e com a revista guardada na mala, revela-me:” Desculpe estar a envolve-la nisto, mas se o meu marido sonha que gasto dinheiro em revistas… Foi sempre um forreta, só pensa em juntar e só compra o necessário”. Entretanto o marido chegou e a conversa parou por ali. Fiquei com a sensação que aquela senhora estava triste, e precisava mesmo ter aquele desabafo. Por vezes os homens conseguem ser uns insensíveis.

 

Deixem lá as esposas comprarem uma revista, um livro, um batom. Sem exageros e desde que não comprometa a compra de bens essências, claro!

É vergonhoso ver dois homens a discutir por um lugar na fila

Como costuma acontecer aos sábados, o supermercado estava cheio de gente. Talvez por ser o último fim de semana para usar uns cupões. Uma colega vinha a chegar para abrir a caixa e disse: "podem passar a esta caixa por ordem de fila"! É nesta altura que dois clientes começam a discutir quem é que está primeiro. Discutiam em voz bem alta de forma a chamarem todos olhares em sua direcção. Um dos homens disse : "eu não daqui, olhe chame a policia!"

 

Na minha caixa estava uma uma senhora com um filho pequeno e a criança até estava assustada. A senhora disse.-me " é vergonhoso ver dois marmanjões ( foi a expressão que usou) a discutir por  isto, já não há respeito!" Sinceramente a Sra. teve toda a razão, parece que há pessoas que gostam mesmo é de armar barraco! Por pouco não se pegavam, até foi lá o segurança acalmar aquilo. No fim das contas a diferença do atendimento entre aqueles dois  foi de uns míseros minutos...

Em busca do cestinho perdido...

 Hoje uma cliente chegou ao pé de mim e disse-me:" menina não viu o meu cesto? Deixei-o aqui para ir ali ao corredor do arroz, e agora desapareceu?" Perguntei há quanto tempo e ela respondeu que cerca de dois minutos. Como não tinha clientes, saí da caixa e fiquei ali a observar e reparei que havia um outro cestinho ali num corredor sem dono.

 

Em menos de um ou dois minutos chega um senhor todo atrapalhado, pois tinha levado o carrinho/cestinho errado. Lá resolveram o mal entendido. A atrapalhação do senhor foi tão engraçada, o homem era muito cómico e ao mesmo tempo pacato.É mesmo coisa de  homens, são tão distraídos nas compras!

 

  

Onde estão os cavalheiros?

 

 

No outro dia, estava a atender uma senhora a quem ajudei a ensacar as compras, pois pensei que ela estava sozinha. O senhor que estava do outro lado de braços cruzados, alheio a este processo, para mim era apenas o cliente que eu iria atender a seguir.
 
Só no final do registo é que entendi que este senhor era o esposo da cliente que eu estava a atender. Depois dos artigos embalados e da senhora pegar nos sacos é que esta "criatura" pegou num molho de notas e pagou a conta. Apenas pagou a conta, nada mais fez para ajudar a esposa, nem sequer ajudou a levar os sacos. Quando vejo estas atitudes, fico a meditar no porquê de tanto machismo.
 
Será porque são pessoas da aldeia? Mas a cidade está mesmo ali! Ou será que foram educados assim? Situações assim ainda se encontram algumas vezes, onde estão os cavalheiros?
  

O Homem que não sabia meter as compras nos sacos...

 

"Eu não sei meter as coisas nos sacos, meta você"! Foi a frase preferida por um cliente ao chegar á caixa. Eu cumprimentei o senhor, e comecei a colocar os artigos, já é hábito  fazer isto mesmo sem os clientes nos pedirem. Só que este cliente usou uma tal arrogância que não lhe ficou nada bem.  Entretanto a cliente que estava a seguir a este senhor quando ele saiu do local disse: -"homens"! e eu disse "pois" e sorrimos. Uma dica para os senhores e que as senhoras apreciam no ensacar das compras: Não misturem os detergentes com mercearias fáceis de romper, como por exemplo, açúcar, sal, farinha...
 
Mais dicas: separem os congelados do pão. Tudo o que estiver em estado seco e embalado pode ficar junto no mesmo saco. Convêm sempre usar o menor número de sacos possível e assim proteger o ambiente...

 

Error running style: Style code didn't finish running in a timely fashion. Possible causes: