Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Ingenuidade ou falta de civismo?

Ainda uma cliente não tinha feito o pagamento, já o cliente seguinte, tinha estacionado o seu saco à minha frente. A senhora fica admirada, mas não diz nada. então eu digo "olhe pode dar licença que termine de atender esta senhora, ela tem de usar essa maquineta para  colocar o multibanco!" Ao que o senhor responde, continuando encostado á dita maquineta :  "Faça favor e não tenha medo que eu não sou da policia judiciária!" Volto a intervir dizendo: " Mas a senhora precisa de privacidade, pois tem de marcar o código!" Lá se afastou uns centímetros!

 

Isto faz-me nervos, nos bancos as pessoas respeitam o espaço do outro, porque que é no supermercado não respeitam!? É preciso uma sinalética no chão para que o cliente seguinte, deixe o cliente que está a ser atendido, tenha o direito de pagar e arrumar os produtos, sem a observação  dos outros!?

 

Falta informação porque até pode haver pessoas que o façam por ingenuidade, mas a maioria é mesmo por falta de civismo!

privacidadebanco.jpg

O gosto em quebrar as regras

quebraregras.jpg

Depois de ler um post da Marta Elle, que estava numa fila do continente para pessoas que pretendiam que as suas compras fossem entregues ao domicilio, e onde pessoas que não estavam nessa categoria estavam lá a empatar, fez-me pensar no porquê de as pessoas terem tanta aptidão para quebrar regras no supermercado. Resolvi enumerar algumas.

  • Quando as pessoas querem entrar no supermercado, pelas caixas, que é local de saída;
  • Quando há uma caixa para 10 unidades e as pessoas querem passar com um carrinho cheio;
  • Quando a saída sem compras é pelo local onde entraram e elas querem sair pelas caixas, onde há carrinhos e pessoas a serem atendidas, que têm de fazer ginástica, para as deixar passar;
  • Quando a pessoa que está a ser atendida ainda não terminou, e já o cliente seguinte está praticamente em cima deste;
  • Quando está escrito que nas caixas self service não é permitido passar com carrinhos e mesmo assim, querem passar por lá;
  • Quando as pessoas entram pela saída das caixas self service;
  • Quando sabem que os cestos de rodinhas não podem ir á rua, e mesmo assim, estão sempre a tentar fazê-lo;
  • Quando sabem que não devem de entrar com os trolleys para dentro da loja e entram;
  • Quando sabem que não é para levar compras, produtos e outras coisas ou  sacos, para dentro da loja, mas sim deixá-los entregues na entrada, e mesmo assim, algumas pessoas levam tudo consigo, e depois nem mostram ou avisam a operadora.

Acredito que existam até mais, e muitas vezes não se entende porquê! Será apenas para dar trabalho aos  seguranças!? Eles já têm que fazer!

 

Mais uma situação de falta de civismo

Na caixa atrás da minha, estava a ser atendida uma senhora grávida. Vai daí, uma velhota que estava com a filha na fila , decide passar pro outro lado, onde ainda estava a tal senhora grávida, só que ao passar empurra a barriga da senhora grávida contra o balcão, e a senhora grávida, assustada, grita. Vai a filha da tal velhota diz: "cuidado mãe, a senhora está grávida"! Depois pede desculpa à senhora, e a própria grávida, pede também desculpa por ter gritado, e a filha da tal senhora, diz que compreende, sabe que foi o instinto de proteção!

 

Só me apeteceu dizer: "mas porque é que as pessoas não respeitam a fila? Porque raio a mulher tinha de ir pro outro lado se ainda não estava na vez dela!? Que falta de respeito! É preciso por ali um sinal sonoro a impedir que as pessoas passem pro outro lado, quando a outra pessoa ainda lá esta!? É que mesmo que a senhora não estivesse grávida, não tinha nada que a empurrar!"

 

Falta de civismo!

 

gravitta.jpg

 

 

Ela não largava o telemóvel

Já aqui comentei várias vezes, o facto de estar a tender um cliente, que está a falar ao telemóvel, e nem se dá conta, do que está a fazer,  do tempo que demora, e da falta de civismo que essa acção é!

 

Uma vez, uma cliente emigrante, disse que lá onde vive, nas caixas há um sinal que proíbe o uso do telemóvel, deve ser como nós temos nas bombas de combustível. Claro que cá em Portugal e atualmente, o uso do telemóvel, faz falta, pois há aplicações, para uso do cartão cliente, para pagamento, não daria por isso, para proibir o seu uso. No entanto, um cartaz a pedir gentilmente que não falassem ao telemóvel, quando estão a ser atendidos, seria uma boa opção.

 

Claro que há chamadas e situações urgentes, e que têm de ser atendidas.

 

Um destes dias, uma senhora atendeu o telemóvel, quando estava a colocar as compras no tapete. Pelo que percebi, eram aquelas chamadas a oferecer cartões de credito, ou operadoras de televisão. Então a senhora falava alto e dizia "então faça lá a proposta, que depois eu vejo se me convém" e o "blábláblá", continuava. Parecia estar a dar uma lição ao pessoal de como se desenvencilhar dos chatos dos senhores que nos ligam para oferecer coisas. Mas, despachar as coisas no tapete, estava em câmara lenta. As pessoas olhavam, mas não comentavam.

 

Quando desligou olha para mim  e diz: "ai estes parvos só ligam para atrapalhar"! Olhei-a,  nem respondi, porque se respondesse era para dizer: "parva é a senhora, que lhes deu conversa, em vez de arrumar as suas compras e fazer os outros esperar"!

 

aotele.jpg

 

 

As placas estão ali, mas não devem de ser, para ler

situaçao345.jpg

Por vezes, para que nós consigamos fechar a caixa, coloca-se uma placa semelhante à desta imagem, para que os clientes vão para outra caixa e não para esta.

 

Aconteceu, que tendo eu esta placa na minha fila, os clientes contornavam-na ou empurravam-na e punham-se na mesma na fila!

 

Foi até, o cliente que eu estava a atender, que surpreendido com o facto, tomou a palavra e falou para as pessoas: "então não estão a ver a placa?!" Uma senhora disse :" vi isto, mas nem reparei pro que era"!

 

Inacreditável!

Onde pára o espirito natalício, na ida ao supermercado?

super-in-christmas.jpg

Nos últimos dias, tenho notado as pessoas muito stressadas, apressadas, impacientes. Parece que andam numa correria enorme para chegar não sei onde. E os dias de maior afluência ainda não chegaram...

 

Uma senhora, depois de colocar alguns artigos no tapete, pega na sua grande carteira aberta e coloca-a em frente ao scanner onde eu tenho de registar os artigos. Digo:" olhe deixou aqui a sua carteira, e assim, não consigo registar", lá a tirou... Deixa-me indignada este abuso do espaço da operadora de caixa que já é tão pequeno!

carteirainvade.jpg

Não quero parecer desconfiada, mas uma vez, eu tinha os selos dos copos à minha frente e um senhor estava debruçado em cima do meu ecran, com as mãos quase a chegar aos selos, e a tapar-me a visão para o ecran.

 

De outra vez,  uma senhora estava ainda a arrumar os seus produtos, já uma das clientes seguintes estava a colocar sacos abertos, no tapete de saída.

 

De outra vez ainda, estava uma senhora a querer marcar o código do multibanco e tinha um senhor mesmo colado a ela , de forma que a senhora estava só a enganar-se no código, tive de pedir ao senhor que se desvia-se um pouco, ficando este todo ofendido!

 

 E um senhor que levou literalmente com o carrinho de outro nas costas, pois o outro vinha de costas a empurrar o carrinho e não viu que a pessoa ainda não tinha saído dali!?

 

Faz tanta falta umas marcas no chão para que o cliente que está a ser atendido fique protegido quer dos encontrões, quer da privacidade no pagamento e embalamento das suas compras, bem como, um novo sistema de caixas onde as operadoras não sejam invadidas pela ocupação indevida dos clientes incivilizados, que mexem nas nossas coisas, e invadem o nosso espaço!

O respeito pelo espaço

Há coisas que nunca mudam. Uma delas é o respeito pelo espaço. O espaço entre clientes e o espaço da própria operadora de caixa.

 

O cliente está sempre a colocar os seus cartões e cupões justamente à frente do scanner, quando não atira com o molho de chaves onde está o cartão cliente para a nossa frente. Debruça-se em cima do visor. Quando está impaciente sopra para cima de nós. Ora o nosso espaço só tem aí meio metro, custa assim tanto não o invadir!? Há um supermercado da concorrência que tem o acrílico bem mais alto, o que protege mais a operadora, era bom termos um assim!

 

Entre clientes, é admirável o respeito que têm uns pelos outros. Estão sempre a roçar uns nos outros com a pressa. Uma pessoa que quer marcar o código do multibanco tem de fazer cá uma ginástica. Chegam a pisar-se. Dava tanto jeito uma marca no chão, como nos bancos, onde o cliente seguinte só pudesse avançar quando o cliente anterior tivesse terminado todo o processo, mas não, andam sempre a chocar uns com os outros!

 

É uma falta de civismo, que até enerva!

 

art_respeito_e_bom_e_eu_gosto_b[1].jpg

 

Quando estiver a ser atendido não fale ao telemóvel

Uma cliente está a colocar as compras sobre o tapete, ao mesmo tempo que vai falando ao telemóvel. Entretanto, não sei se desligou ou se a chamada caiu, pois quando olho a senhora já não está a falar.

 

Entretanto passa para o outro lado lado e diz-me: "só um bocadinho, que eu estava a meio de uma chamada importantíssima". E... está a ligar para alguém, quando o tapete está cheio de artigos por arrumar...

 

Nem se importou em organizar os seus produtos,  respondia às minhas perguntas por acenos  "se queria contribuinte" ; "se queria descontar o saldo". Não percebi qual o assunto da conversa, não posso opinar sobre a urgência do mesmo. Mas comparei esta situação a um "se conduzir não fale ao telemóvel", porque a cliente estava tão compenetrada no telefonema, que tudo o resto era feito de forma desorientada...Porque depois de tudo concluído, é que pediu contribuinte, quando, antes me tinha acenado um "não" com a cabeça.

 

Quando lhe disse "eu perguntei, mas a senhora disse-me que não queria", ela responde "eu estava ao telemóvel, percebi lá, o que me disse..."!

 

conduzirnaoligue.jpg

 

Atenção: não existe nada que proíba o cliente de falar ao telemóvel durante o tempo do atendimento, mas se poder evitar, ou se puder fazer ou receber a chamada, dai por 3 ou 4 minutos, era melhor, tanto para si (não se atrasava nem se baralhava), como para quem está à espera...

O atendimento é por (des)ordem de fila!?

Cheguei à caixa, não abri a cancela. Primeiro abri os saquinhos com as moedas e coloquei-as no respetivo lugar na gaveta. Gosto sempre de ter um minuto para preparar o meu posto de trabalho. Só  depois então, abro a cancela e chamo por ordem de fila.

 

Acontece que, um xico esperto, sorrateiramente, porque eu não dei conta, chega e começa a colocar os artigos sobre o tapete e abre ele próprio a cancela! Quando eu vi aquilo fiquei preocupada! O que diriam as outras pessoas!?  Em tom bem alto digo: " o atendimento é feito por ordem de fila!" Resposta do senhor ": Ah é.. ( olha para trás ), também é só isto!  E ainda tinha alguns artigos. Por sorte, ninguém se passou e perceberem a minha posição, mas isto podia ter corrido mal! E se eu nem fosse abrir caixa!? Era bem feito, não era!?

 

São estas as atitudes,  que eu menos gosto e entendo nas pessoas!

filas.jpg

 

Na caixa prioritária

 

 

Na caixa prioritária é o cliente prioritário ou a operadora de caixa  que pede aos restantes clientes da fila, se eles cedem passagem. Não basta chegar e passar pelos outros clientes que já estavam na fila e que merecem respeito e consideração. Esse respeito e consideração é igualmente esperado perante um cliente prioritário.

 

No continente onde trabalho, a prioridade é para grávidas, deficientes e pessoas com crianças de colo (não é ao colo, pois não basta pegar numa criança de seis anos e passar). E também não inclui idosos...

 

O caso que aconteceu ontem, foi um senhor, deficiente motor, vinha de muletas e pediu gentilmente aos restantes clientes se podia passar. Um cliente disse logo: "com certeza, faça favor"! Logo a seguir chegou uma senhora a acompanhá-lo, a esposa, suponho. Uma cliente que estava na fila, espera o casal sair e  diz  " mas se está com a mulher não tem prioridade, não está sozinho"! Tive de intervir e dizer que o senhor continuava a ter prioridade e até referi que as grávidas, quando vem acompanhadas pelo marido, também passam.

 

Esta senhora  não pareceu concordar. Faz-me uma certa confusão, esta falta de civismo das pessoas. Se estão com pressa e não são pessoas tolerantes e informadas olhem bem para a caixa que vão escolher...assim ninguém se chateia!