Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Valerá a pena o esforço de ir trabalhar doente?

Acho que depende do tipo de emprego! 

imagem3217.jpg

O meu dia de trabalho de ontem, é para esquecer, mas também para tirar lições.

 

Eu estava praticamente sem voz, afónica, devido a uma constipação. Mas como me sentia bem, e já  estava a tomar antibiótico, fui.

 

Só que os clientes, não me ouviam, e neste trabalho, estando em contacto com o publico, a voz faz-me imensa falta. Tinha de me esforçar imenso, e além das perguntas habituais, ainda tinha de relembrar aos clientes o funcionamento do cupão de 15%.

 

A maioria dos clientes foram extremamente solidários e preocupados comigo, ofereceram-me água, rebuçados, desejavam as melhoras,  no entanto, houve um que disse "você não pode estar aqui assim, é perigoso"! Entendi que ele estava com receio que contagiasse.

 

Pior que a rouquidão, foi uma crise de tosse que tive. A tosse não parava, quase nem conseguia respirar, a cliente que estava a acabar de atender, cheia de cuidados comigo, a tentar ajudar, a perguntar se queria que chamasse alguém, e eu não a não conseguir responder. Queria telefonar para o balcão para pedir para me retirar um pouco, mas não conseguia falar, fiz sinal, porque estava cá atrás, mas a colega não entendeu o que se estava a passar e primeiro fez sinal que eu não podia sair, mas logo a seguir deu-me permissão. Foram uns minutos angustiantes e difíceis.

 

Lição que tirei é que nestas situações o melhor é ficar em casa! Isto porque, estava a atender o público e a precisar da voz. Prejudiquei-me  e deixei os clientes receosos...

 

Uma aparência impressionante, que atitude mostrar?

Olá. Depois do Natal é tempo de voltar ao trabalho. Neste dia já não houve aquela multidão, a correr para as últimas compras. Foi um dia pacifico com alguns piques de clientela, mas também momentos de pausa.

 

Atendi um cliente que me impressionou e muito. Um senhor já de certa idade. Estava com uns tubos no pescoço e algo na garganta que não soube identificar, comunicou comigo por sinais. Por uns momentos fiquei a olha-lo e a tentar não demonstrar o meu ar de assombro. Eu decididamente nunca seria capaz de trabalhar num hospital, mas ainda bem que há pessoas com vocação para tal, porque estes doentes precisam de alguém que lhes dê força e não de alguém que os olhe com estranheza. É frequente encontrar clientes de máscara, mas a aparência deste senhor…fez-me pensar: que grande coragem a dele ir assim ao supermercado sujeitando-se aos olhares indiscretos de quem ali estava.
 
E vocês já se cruzaram no supermercado ou no centro comercial com alguém nestas condições? Como reagem, com normalidade? Ou  fariam tal como eu (infelizmente ) fiz…disfarçaram o olhar de pasmo?