Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

No atendimento ao público, devemos atender todas as pessoas de maneira igual?

Devido a uma situação, em que estou a tender um senhor de fato e gravata, que me parecia ser um milionário, penso, "vou oferecer selos para colecionar copos, quando este  senhor,  já deve ter copos de cristal em casa que nunca mais acabam?" Ocorreu-me o seguinte  pensamento: no atendimento ao público, devemos atender todas as pessoas de maneira igual? A resposta mais óbvia seria "claro que sim". Mas, analisando bem, acho que não. E não porquê? Porque as pessoas não são iguais, não têm as mesmas necessidades, os mesmos gostos. Claro que expliquei a campanha a este senhor e ele levou a caderneta e um selo, certamente só o fez por educação.

 

Depois há aquelas pessoas que gostam de trocar dois dedos de conversa, e há  outras que não estão para conversas, apenas querem pagar e sair dali com as compras. Há aquelas que precisam de  tempo para arrumar todos os produtos a a seu jeito e gostam que nós registemos os produtos mais devagar, e há as outras que arrumam "tudo ao molho e fé em Deus" e querem é rapidez. Outro exemplo, não posso atender um velhote com problemas de se mover, da mesma forma que atendo uma senhora que veio a correr fazer umas compras na sua hora de almoço. Eu tento ajustar-me consoante a pessoa que estou a atender...

 

E isso não é estar a descriminar ninguém, acho que é apenas fazer um "atendimento personalizado"!

foivocequepediu.jpg

Empacotadores, sabem o que é?

Costuma-se dizer que portugueses e brasileiros falam a mesma língua. Concordam? Começo a achar que há muitas diferenças. Como clientes, acho-os simpáticos, educados e parecem estar sempre de bem com a vida. Lembro-me de uma vez uma rapariga me pedir sacolas, lá tive de decifrar que queria sacos. Penso até que nós os entendemos melhor a eles do que o contrário. Talvez porque sempre vimos as novelas deles e isso deu-nos alguns conhecimentos. Chegamos mesmo a usar palavras originarias do Brasil.

 

Hoje um casal, absolutamente normal, com uma filha,  chega à minha caixa e a mulher pergunta-me: " não tem empacotadores?" Eu pedi para repetir, e como continuava a não perceber, peguei no telefone e ia chamar o apoio, dizendo:"...por esse nome, não estou a ver, mas pode ser que essa coisa tenha outro nome"! Foi então que a cliente disse:" Coisa???? Mas é uma pessoa...como vocês falam...a pessoa que coloca as compras nas sacolas." Lá estava eu de queixo caído e ainda confusa. Foi então que a senhora me disse que no Brasil, tal como existe a operadora de caixa existe a função de empacotador, para embalar as compras dos clientes. Vocês sabiam disto? Esta função não existe em parte alguma do nosso  país, pois não?

 

Foi o melhor exemplo que consegui encontrar