Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A função do tapete rolante na caixa de supermercado

Na profissão de operador/a de caixa , o tapete rolante, tem a função de facilitar a vida às pessoas, fazendo com que haja um menor esforço da coluna, pois os artigos rolam, uma das razões (a outra é o respeito pelo acrílico que está à frente) que me leva a incentivar o cliente a colocar os artigos sobre o tapete, para que o mesmo traga os artigos até à operadora. Para o cliente pode ser só um pacote, só um volume, mas para a operadora, seriam dezenas por dia!

funcaotapeterolante.jpg

tapeterolantefuncao.jpg

O continente tem o selo covid safe

covidsafecontinente.jpg

Para  nós é um orgulho termos este selo. Mas há muitos clientes que têm um comportamento tão difícil que até parece que querem que o percamos.

Porque o supermercado é algumas vezes alvo de auditorias, como é normal, para que esteja seja sempre tudo nos conformes. Mas devia de haver uma entidade que fiscalizasse o comportamento dos clientes. As pessoas não fazem ideia, de como eles andam ultimamente, os desaforos que temos de ouvir, as faltas de respeito pelas normas, por nós, pela empresa.

Mas o importante é não deixar que isso nos afete e dar sempre o nosso melhor, para que este selo se mantenha!

Os que marcam pela diferença

Estava eu numa caixa ao fundo da loja, onde há cerca de dois anos, era a entrada para o supermercado.

Estava distraída com o atendimento, e com os clientes que estava a atender, não dei por um grupo de pessoas chegar até perto de mim, porque julgavam que seria  ali a entrada. Só dei por eles quando começaram a falar alto, de modo  agressivo,  zangados por a "porta" não abrir. Ora não existia ali porta alguma, apenas um vidro.

Apanhei um susto enorme. Entretando lá houve alguém que percebeu que a entrada, era no inicio da loja por onde eles já tinham passado.  Era um grupo grande com mulheres, homens, crianças e até bebés. estavam quase todos vestidos de preto, com as mascaras e as roupas sujas, notei até pelo menos uma senhora tinha um trapo branco a servir de máscara.

Depois de andarem por dentro da loja, mesmo sem os ver, ouvia-os da minha caixa, falavam, ralhavam, as crianças choravam. Uma parte deles foi para a minha caixa e a outra para outra caixa. Na minha caixa com o carrinho que tinham davam cacetadas no carrinho do cliente que estava à frente, ainda tentei chamar atenção, mas ou não ouviram ou não quiseram saber, mas tive receio de insistir.

Quando começo a registar um homem pergunta-me se posso lhe trocar uma nota de €50, digo que não. Saiu para ir trocar a nota e ficou uma senhora com um bebé no colo, mais duas crianças pequenas. Uma das crianças derramou sumo para cima do tapete. Conforme eu ia registando a senhora ia atirando os artigos para dentro do carrinho, sem cuidado, nem critério. Partiu os ovos, e partiu uma caneca, um pão saiu do saco, mas não quis saber, deixou até o chão pingado do ovo. Uma das crianças que devia de ter uns 5 anos, lindo de olhos azuis, tinha  narizito ranhoso, mostrou-me uma moeda de um euro e apontou para umas carteiras de legos e perguntou se eu lhe vendia aquilo por um euro. Lá lhe disse que não chegava.

Entretanto chega o homem com um maço notas e  paga. Saíram cheios de pressa, a ralhar e os miúdos a barafustar!

Eu não quero ser mal interpretada, mas se estas pessoas, tiveram um comportamento diferente, fizeram-se notar, deixaram-nos com receio. Não é uma questão de racismo ou de xenofobia, não quero estar com queixas, mas para que todas as pessoas, culturas, etnias, religiões,  sejam vistas por igual, também deveriam ter, um comportamento adequado nos lugares que frequentam, porque mesmo sendo um grande grupo, não estavam ali  sozinhos.

Se todos os clientes fossem em família ás compras, a fazerem aquele espectáculo, seria normal e já estaríamos habituados, mas felizmente não é assim.  Porque se estão em grupo na sua comunidade, podem ter o comportamento que faz parte da sua cultura, mas se querem ser vistos como iguais em sitios publicos  não se comportem de modo diferente! 

imagemculturas345.jpg

Os rebeldes

Quem diria que nesta época de pandemia, haveriam de ser os mais velhos, a não aceitarem bem as regras, a desvalorizarem, a dizerem "ah se morrer, morro, já vivi muito!"

Pelo menos pensem nos filhos, nos netos, nos que trabalham e zelam pela sua alimentação, saúde, segurança etc.

Sejam um pouco mais tolerantes, respeitadores. Dêem o exemplo. Não se esqueçam que são a faixa etária onde o vírus incide mais.

Pensem um pouco mais nos outros e deixem de fazer birra!

velhote 001[1].jpg

P.S.

Não tenho com isto a intenção de generalizar e dizer que são todos assim, são apenas, do meu ponto de vista, a maioria.

Ainda há detalhes, e pormenores a tratar neste campo

Uma  jovem senhora vem a chegar com uns artigos na mão,  e pergunta-me se pode passar. Julguei que ela tinha pedido a vez a uma senhora que tinha o tapete cheio, mas como ainda faltava atender um senhor,  eu disse " sim, mas este senhor, está ainda para ser atendido!" Ao que ela responde, apontado pra trás de onde estava o marido com uma criança ao colo: "Pois, mas você não levanta a cabeça!? Eu tenho um bebé"!

 

Pedi desculpa à senhora pela minha "falha" pedi licença ao senhor que deveria atender, e atendi a madame, enquanto o papá passou pro outro lado com a criança, que estava tranquilinha. Vi o olhar das pessoas e pensei que fosse dar problema. A senhora que tinha o tapete cheio de artigos, depois desta sair, educadamente questionou-me e opinou sobre a atitude da senhora.  Respondi que concordada com ela e que a entendia, porque faltou àquela mãe, educação e principalmente bom senso, pois, apesar de ela ter o direito, a criança estava com o pai,tranquila. Não estavam muitas pessoas na fila, era só esperar um bocadinho.

 

Acho que esta lei, ainda tem umas arestas a precisar de serem limadas... faltam uns cartazes, conversas, informações, flyers a apelar ao bom senso das pessoas...

lei888.jpg