Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Há caixas invisíveis

caixainvisivel.jpg

Estava eu na ultima caixa, que por ter um poste, pode eventualmente não se perceber que está ali alguém. As outras caixas tinham clientes, a minha não.

Saio da caixa e vou ás filas perguntar se não querem passar à minha. Parece que ninguém quis saber. Entretanto vem um carrinho a chegar e vai logo para lá. A dada altura vai lá uma cliente e diz-me que eu a vi passar e que não a chamei. Até disse, que fiquei ali caladinha! Ao que eu respondi " se a senhora não me viu, como é que queria que eu adivinhasse que já tinha acabado a recolha dos produtos!?"

Isto  porque as pessoas passam lá e muitas vezes estão só a meio ou no inicio da recolha dos artigos!

De outra vez, como não tinha clientes, aproveitei para limpar e desinfectar todo o posto de trabalho, atitude normal nos tempos de pandemia. Entretanto chega uma cliente, começa a por os artigos, e outra cliente, de outra fila,  diz que pensava que eu ia embora porque estava a limpar o tapete. Respondo que como estamos em pandemia, é um procedimento normal, para fazer várias vezes ao dia!

Enfim, isto há situações que é preciso uma grande dose de paciência, para aturar certas atitudes!

Por vezes, somos apenas máquinas

Estava de pé a atender uma cliente, e por breves instantes tive uma tontura, senti que me ia desequilibrar e sentei-me. A cliente percebeu e disse "então"!? Eu disse": foi só uma tontura"! Ela responde: " mas se foi uma tontura, veja lá, não se engane na conta!"

Lá a tranquilizei, dizendo que era efeitos da vacina, mas que já estava a passar e que não me ia enganar na conta por isso.

Enfim, o importante era, sem dúvida, não me enganar na conta!

imgemtalque.jpg

Pêssegos vermelhos e nectarinas

A fruta quando vai dentro do saco, que é meio opaco não se percebe se é pêssego vermelho ou nectarinas. Tenho de pesar a fruta na balança da caixa. Pergunto á cliente se são pêssegos ou netcarinas que leva. Olha para mim, mas não responde.

Julguei que fosse estrangeira. Então, resolvi abrir o saco que estava atado para ver. Diz-me logo: "porque está a abrir o saco?" Respondo: "Para ver se era pêssego ou nectarina, eu perguntei e como a senhora não respondeu" Ao que a pessoa responde: "então o preço é o mesmo!" Explico: "Pois, mas o código é diferente e nós aqui marcamos  os códigos e não os preços!"

naom_5ed649538d0e2.jpg

Haja paciência!

Nem a pandemia civilizou as massas

Olá a todos! Peço desculpa por esta ausência, não por falta de situações para contar, mas por falta de tempo!

A situação continua a não estar fácil. Com o passar do tempo , cada vez mais, as pessoas querem deixar as regras, tapam os olhos à sinalética que continua lá exposta. O pessoal acha que isto já passou,  e que agora é hora de voltar ao antigo normal! Que pena, estas regras ficavam tão bem se ficassem para sempre, desde que não fosse preciso a nossa intervenção e insistência constante!

É cansativo estar constantemente a pedir por favor para que façam distanciamento, quando as pessoas querem, na sua maioria,  estar encostadas, bem juntinhas, umas das outras. Quererem entregar artigos pesados em mão, não respeitando o acrílico, o semafro, nem a nossa saúde física.

Tento limpar o mais possível o tapete a cada cliente, mas a maioria quer despacho e não se importa com a limpeza.  Tanto que uma pessoa corre de panos e spray nas mãos!

Já estava tão cansada de repetir e pedir pelo distanciamento que deixei que uma senhora me implorasse para eu pedir aos outros que não se colassem a ela, parecia que estava até a sentir-se mal, pois já se abanava. Senti-me culpada porque falhei ali, naquela situação!

Os clientes sem compras, continuam a passar pela linha de caixas, roçando nas pessoas que estão a ser atendidas, ou chocando nos carrinhos, quando têm um local próprio para sair. É uma falta de civismo e de bom senso!

Mesmo com tanto tempo de pandemia, não foi possível civilizar as massas!

imageJPG003.jpg

osfuracrilicos09.jpeg

Basta um, para se fazer notar...

O dia estava a correr bem. Há dias que correm bem, clientes simpáticos, compreensivos, educados, cumpridores, amigos , até. Devo de atender dezenas ou até centenas, assim!

No entanto, basta um, para estragar o dia, ou pelo menos para perceber que ainda há uma minoria de gente, que não aprendeu nada, com esta pandemia. Mais uma vez o distanciamento. Estava a atender um casal, outro cliente tinha as suas compras no tapete, onde há uma sinalética no chão onde ele tinha de estar e depois os outros teriam de estar mais atrás, conforme a marcação. Mas, "os outros" já iam colocar as compras. Pedi educadamente, para aguardarem só um pouco, até porque eram novos, julguei que entendessem. Aguardaram, quando os que estava atenderem saíram, e o seguinte passou para o outro lado, pedi que avançassem!

Começam "...e  porquê, qual é a diferença"!? Respondi que eram as normas da empresa e mostrei a sinalética, mas foram insolentes, mal educados. Por fim, disse-lhes "pois se não entendem, mesmo assim, já é uma coisa que não posso ajudar, só lamentar!"

Que gentinha medíocre! Creio que são pessoas como estas que fazem com que muitos estabelecimentos estejam fechados, mesmo com normas e equipamentos, porque simplesmente não cumprem, questionam tudo e não respeitam nada!

imagemJPG231.jpg

fartadelutas.jpg

Só quem está no atendimento ao público é que sabe

Um cliente queria utilizar um cupão de €5 em €20 de compras. Mas não trouxe o cupão de casa, nem   tinha imprimido uma segunda via no dispensador de cupões.

Digo-lhe que pode imprimir depois, e no balcão recuperar com a colega que lá estava, para não interromper a fila e fazer as outras pessoas esperar.

Então ele começa a ser parvo e a dizer que lhe estou a dar baile, porque se fosse lá depois de pagar como é que ia ter o desconto!? Respondo que os €5 euros ficavam no cartão e não era descontado já na conta. Ele insiste que o estou a enganar.

Uma senhora que estava na fila, pede licença para intervir e mostra ao senhor um cupão de €5 onde se lê que o desconto ficava no cartão! O senhor, mesmo torcendo o nariz, lá aceita!

Quando ele sai, a senhora pede desculpa, porque também trabalha no atendimento ao público e a situação estava a incomodá-la. Digo-lhe que só tenho a agradecer, porque só me ajudou!

E é isto, só quem atende ao público consegue se por em nosso lugar em determinadas situações! Fiquei  muita grata a esta cliente!

atendimentoaopublico.jpg

Nem o tapete me deixam limpar

Aproveito um momento sem clientes para com o spray pulverizar o tapete a fim de o deixar limpo e desinfetado. Chega uma cliente toda apressada e mete um  artigo em cima. Peço que aguarde um pouco até terminar a limpeza, ao que ela diz "a mim não me faz diferença". Ao que imediatamente respondo "mas faz a mim"!

A pessoa não se importava de colocar os seus artigos sobre um tapete molhado!?

limpezatapeterolante.jpg

Clientes flexíveis como os gatos e com bichos carpinteiros

Os gatos passam por qualquer espaço sem se magoarem. A explicação é que os gatos não têm clavícula , mas sim uma cartilagem  no lugar, que permite que se consigam mover, esticar o corpo e entrar em lugares estreitos.  

Os clientes desde que existe o acrílico também se esticam todos, enfiam os braços pela janela, invadem o nosso espaço, estão sempre  furar tudo. Ainda não atingiram, que se há um vidro à frente,  é para não entrar/furar. É que não compreendem, é  uma coisa que incomoda. Tenho uma esferográfica à frente e mesmo estando envolta em acrílico já um cliente a conseguiu  apanhar! Quando o vi com ela pensei: " mas como é que ele a tirou e nem vi"!?

Outra coisa, eles parecem ter  bichos carpinteiros, pois também é um desassossego e mexem em tudo, é que há coisas que podem ver com os olhos e não com as mãos. Por exemplo,   tenho um montinho de sacos organizados, e em vez de pedirem, vão lá tirar (para quê, se primeiro tenho de os registar) ! Se meto o spray de limpar o tapete à vista pegam nele e metem nas mãos! Aquilo não é álcool gel! Lá tenho de esconder o frasco.  As faturas, que quando saem em triplicado e fico com uma, guardo-as ordenadamente com um clip atrás da caixa registadora, até aí tentam chegar, porque acham que o papel é deles!

Por vezes,  só me apetece dizer como se diz aos miúdos: "aí não se mexe!"

furaacrilico.jpg

Quer número de contribuinte na fatura?

A imaginação das pessoas/clientes é incrível, nomeadamente na resposta à pergunta: "Quer número de contribuinte na fatura?"

A resposta simples e mais correta seria "Sim, o que está associado ao cartão, por favor!"

MAS, eles preferem inventar:

  • Está no sistema
  • Já aí/lá está
  • Está incorporado
  • Está no ecrã
  • Então, mas não o está a ver aí!?
  • Está agregado
  • Não é preciso, porque já está automático
  • Está à sua frente
  • Está na ficha
  • Associe esse que está no cartão
  • Está incluído

quercontribuinte.jpg

É proibido comer no supermercado!?

Não sei se existe alguma lei ou norma escrita que diga que é proibido  comer no supermercado, mas sempre achei que sim. Aliás, recordo-me se assistir a uma cena entre um segurança  a advertir uma mãe que estava a dar qualquer coisa ao seu filho pequeno, (isto antes de eu trabalhar num supermercado) dizendo que não o podia  fazer.  Guardei na minha cabeça esta "imagem".

No entanto acho que , mesmo sabendo disso, a maioria das pessoas, ignora o facto. Até porque alguns supermercado têm dentro, locais como pastelarias, com mesas  onde se pode comer, creio que o centro comercial Colombo tem.

Mas a maioria dos supermercados, são apenas supermercados, e, mesmo havendo locais para comer, são à parte.

Na minha opinião acho bem que não se coma. Fico a imaginar se  agora além de andarem a provar as uvas ou cerejas na frutaria, andassem igualmente a comer biscoitos, a beber uns sumitos, a deixar migalhas, restos espalhados, garrafas vazias.Sim, porque há gente capaz disso. Só se justifica, se os clientes tivessem algum problema se saúde que fosse urgente comer, como quebra de tenção ou diabetes, por exemplo.

Até as crianças, é tudo uma questão de os ensinar que não se pode, podem amuar uma ou duas vezes, mas depois acabam por perceber.

Foi esta semana que quando estava a registar os produtos a uma senhora com a filha adolescente reparei que a embalagem estava aberta, como não avisaram, quase espalhava os biscoitos, e o que a senhora disse foi: "fomos nós, é que já estávamos a ficar com um ratinho!" Isto em plena pandemia! Tirar a máscara para beber água, tudo bem, mas para comer!? Até parece que estão a quebrar duas regras: comer, tirar a máscara!

Enfim!

HJKLTR890.jpg