Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Um carrinho de compras sem dono, não marca vez

Estávamos num dia tranquilo em relação ao movimento. Estava um carrinho cheio encostado à minha caixa, mas não tinha dono. Chegou alguém com dois ou três artigos perguntou se podia passar, eu respondi "claro que sim", atendi e a pessoa foi embora. Chegou outra senhora, esta com um carrinho meio de compras, perguntou se podia colocar as compras, uma vez que estava lá um carrinho, eu respondi que o carrinho não marcava vez.

 

A senhora  começou a colocar as compras, já tinha o tapete quase cheio de artigos, quando chega a dona do carrinho abandonado, e diz : "Então, eu estava primeiro"! É aí que eu digo: "Fui eu que chamei a senhora, o carrinho não marca vez, e eu não podia estar parada:!" Ao que ela respondeu: "Não podia esperar? Foram só dois minutos!"

 

As pessoas não têm mesmo noção. Para já, não foram só dois minutos, e mesmo que fossem, imaginem a operadora de caixa parada, porque estava ali um carrinho encostado, e os clientes na fila também parados, sem sequer puderem colocar as suas compras no tapete, porque mesmo vazio, estava a guardar o espaço para alguém, que não devia de estar, supostamente,  muito longe!

 

Não dá, temos de circular, não se pode perder tempo, principalmente porque a maioria dos clientes vão ao supermercado com pressa!

 

abandonadocarrinho.jpg

O carrinho sem dono

supermercado.jpg

Estava um carrinho cheio de produtos no início da fila. Apenas o carrinho, não havia cliente. Os clientes que iam chegando iam se colocando atrás deste. E eu num impasse, sem artigos para registar. Digo: "podem passar, o carrinho mão marca vez." Mas as pessoas pareciam estar receosas. Resolvi sair do meu posto e ir à fila e puxar o dito carrinho para o lado. As outras pessoas começaram então a colocar os produtos no tapete.

 

Quando o dono do carrinho abandonado chegou, já eu tinha atendido uma pessoa e já estava a começar a segunda. Mas não houve qualquer problema, o dono do carrinho não se queixou. Mas se o fizesse eu já saberia o que dizer, assumia que tinha sido eu e diria o porquê!

 

Carrinho de compras não marca a vez, a não ser que já tivesse colocado algumas ou todas as  compras no tapete e tivesse apenas ido buscar um artigo esquecido, e mesmo assim, não poderia demorar o que muitas pessoas demoram nestes casos. Penso que é uma questão de bom senso e de respeito pelos outros.