Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Tolerância e bom senso

A primeira caixa do supermercado onde trabalho (caixa1), é uma caixa apta a cadeiras de rodas, ou seja, a passagem é mais larga e no final o sitio onde o cliente coloca o multibanco para pagar é mais baixo, para ficar ao nível de uma pessoa que está sentada numa cadeira de rodas. De resto funciona igual ás outras caixas.

Mas sempre que lá estou, as pessoas, evitam a dita caixa. Uma vez chamei uma senhora e a resposta "Não, não obrigada! Depois vem um prioritário e tenho de dar a vez, e já estou aqui há muito tempo"! Expliquei à senhora que que mesmo em outra caixa se aparecer um prioritário ela teria de dar a vez, porque agora todas as caixas são prioritárias, aquela apenas é mais indicada para pessoas em cadeira de rodas. Veio para a minha caixa e disse-me que mesmo que aparecesse alguém, tinha o direito de não dar a vez! Não entrei mais em conflito, e deixei-a falar!

Sempre que alguém está naquela caixa a tendência das pessoas é não ir lá, porque não querem dar prioridade, quando a prioridade é igual em todas as caixas. Aliás, agora a prioridade  tem de ser ainda com mais bom senso, já que estando o tapete cheio de artigos, o prioritário tem de aguardar para que o distanciamento seja cumprido,e, será imediatamente atendido a seguir!

Com tolerância e bom senso tudo se resolve!

Caixa apta a cadeiras de rodas - A lupa de alguém

Caixa apta a cadeiras de rodas

 

A primeira caixa da linha tem uma sinalética que diz "caixa apta a cadeiras de rodas". Um cliente pergunta se a caixa é prioritária, ao que  respondo ser uma caixa igual ás outras, simplesmente estar adequada a pessoas com cadeira de rodas por ser mais larga e por ter o multibanco mais em baixo!

caixaaptarodas.jpg

Falamos um pouco sobre o assunto e percebi que o cliente não queria era ir para uma caixa onde tivesse de deixar passar alguém, porque estava com alguma pressa.  Expliquei-lhe que agora todas as caixas são prioritárias, e ter de dar a vez, podia acontecer em qualquer caixa, em qualquer supermercado, sempre que a pessoa prioritária solicitasse. Julgo que apesar da norma já ser conhecida por este cliente, ele não concorda muito com a mesma.

 

Cerca de dois anos  depois da nova lei, mesmo já tendo acontecido situações desagradáveis, umas de incompreensão, outras de intolerância e outras ainda de  abuso, julgo que tenha sido uma boa opção! As pessoas precisavam era de tempo para se habituarem, e talvez falte ainda "limar algumas arestas"!