Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

O meu primeiro dia com máscara

Não foi fácil. Aquilo ora tapava-me a vista, ora sentia falta de ar. Uma cliente viu-me mexer na máscara com as mãos e chamou-se atenção disse que assim mais valia não usar. Eu disse que tinha desinfectado as mãos.

Depois os clientes não percebiam o que eu dizia, o que é normal, pois também eu,  tenho dificuldade em perceber alguns devido ás suas máscaras, o som fica em modo eco, ou sei lá!

Realmente não sei como as pessoas conseguem e algumas dizem que é tranquilo usar! Talvez me falte hábito, experiência!

lupademascara0231.jpg

Atendimento ao público quando estamos quase sem voz

SquarePic_20191221_19164657.jpg

Quase todos os anos nesta altura do ano me constipo e quase sempre fico rouca. 

Muitos clientes ficam solidários comigo, dão conselhos de chás, e outras mesinhas, alguns até sigo, mas pelo menos uns 5 dias a rouquidão mantém-se. 

O que custa é que, mesmo sem má intenção, fazem-me repetir o "texto", mais vezes, e isso deixa-me mais cansada!

O que vale é que mesmo assim, alguns clientes ainda me faziam rir da minha "condição"!

 

No atendimento ao público, devemos atender todas as pessoas de maneira igual?

Devido a uma situação, em que estou a tender um senhor de fato e gravata, que me parecia ser um milionário, penso, "vou oferecer selos para colecionar copos, quando este  senhor,  já deve ter copos de cristal em casa que nunca mais acabam?" Ocorreu-me o seguinte  pensamento: no atendimento ao público, devemos atender todas as pessoas de maneira igual? A resposta mais óbvia seria "claro que sim". Mas, analisando bem, acho que não. E não porquê? Porque as pessoas não são iguais, não têm as mesmas necessidades, os mesmos gostos. Claro que expliquei a campanha a este senhor e ele levou a caderneta e um selo, certamente só o fez por educação.

 

Depois há aquelas pessoas que gostam de trocar dois dedos de conversa, e há  outras que não estão para conversas, apenas querem pagar e sair dali com as compras. Há aquelas que precisam de  tempo para arrumar todos os produtos a a seu jeito e gostam que nós registemos os produtos mais devagar, e há as outras que arrumam "tudo ao molho e fé em Deus" e querem é rapidez. Outro exemplo, não posso atender um velhote com problemas de se mover, da mesma forma que atendo uma senhora que veio a correr fazer umas compras na sua hora de almoço. Eu tento ajustar-me consoante a pessoa que estou a atender...

 

E isso não é estar a descriminar ninguém, acho que é apenas fazer um "atendimento personalizado"!

foivocequepediu.jpg

Atender os clientes quando estamos constipadas

Uma das coisas que mais me custa quando estou trabalhar é estar constipada,  ter de estar constantemente a assoar-me e a atender as pessoas. Noto muitas vezes na cara das pessoas um certo desagrado. Infelizmente constipo-me algumas vezes no Inverno. A empresa disponibiliza gratuitamente a vacina da gripe para os funcionários que a querem levar. Mas eu tenho alguns receios relativamente ao assunto. Tenho falado com algumas pessoas e continuo dividida, pois cerca de 50% encoraja-me a levar e diz que os benefícios são grandes, mas os outros  50% aconselham-me a não levar, alguns porque já levaram e ficaram na mesma.

Quem está no atendimento ao público devia de ter imunidade a este tipo de situação, mas se calhar, também é neste trabalho, e por estarmos muito em contacto com as pessoas que nos constipamos.

Já alguma vez, numa ida ao supermercado, mudaram de caixa por verem a operadora muito constipada!? Sentem algum desagrado?