Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Já passaram seis meses do covid-19

Já passaram 6 meses da chegada deste malvado vírus, já passei por varias fases.

Logo no inicio, a minha maior preocupação era levar o covid-19 para casa, já que era a única que tinha de continuar a trabalhar. Andava muito preocupada e cheia de receios, tinha 1001 cuidados. Mas depois, quando vi as medidas que a empresa implementou, e depois de perceber que os clientes estavam solidários connosco, consegui alguma tranquilidade.

A primeira semana que a máscara foi de uso obrigatário, foi horrível para mim, sentia-me a sufocar, tinha pesadelos. Felizmente tive conhecimento de um outro tipo de máscara, que não a cirúrgica, e  mais uma vez, consegui alguma tranquilidade.

Também me fazia alguma confusão estar cercada de acrílico, mas depois adaptei-me e até já conseguia esquecer que estava ali, prisioneira, porque me sentia mais protegida e segura.

Entretanto, o tempo vai passado, e a desilusão com o comportamento de alguns clientes foi crescendo.

Passado o susto inicial e o estado de emergência, muitos clientes relaxaram, convenceram-se que não havia mais perigo, ou que o mesmo, já tinha passado.

Começou a tornar-se uma espécie de luta todos os dias. Os clientes não querem fazer distanciamento, tiram a máscara ou andam com o nariz de fora, não respeitam a sinalética que está no tapete, no chão, querem entregar artigos em mão, querem, muitos deles, ter as suas próprias regras.

respeitarsinais.jpg

Os clientes saturam-nos a paciência, acham que algumas medidas não fazem sentido, questionam tudo. Não entendem que uma vez que entram naquele supermercado têm de seguir as normas nele imposto, e não aquilo, que em seu ponto de vista, lhes parece mais correto. Estão constantemente a ignorar as regras, quando está tudo tão bem sinalizado, escrito, com cartazes, sinaléticas, etc.

Por exemplo, um destes dias, disse a uma cliente que estava mesmo encostada a outra, para se afastar um pouco e ela respondeu " pois aqui na fila querem distanciamento, mas nos corredores anda tudo ao monte". Mas será que era preciso andar algum segurança atrás das pessoas nos corredores a impor que se distanciem, será que as pessoas não são capazes de ter  essa responsabilidade!? Como é possível que em 6 meses não tenham aprendido nada, não tenham mudado nada!?

Mais uma vez digo, que a empresa tem boas medidas, e que o problema são os clientes que não as querem cumprir, aceitar, que as questionam, que implicam com tudo! Não percebem que as ditas regras são para o bem deles e nosso!

condicoes.jpg

Mulher precavida

Um dia destes uma senhora dizia-me que se sentia mais segura em ir ao continente, porque ali, mantínhamos as normas de segurança. Fiquei satisfeita de ouvir um "elogio", porque ultimamente não tem havido espaço para muitos .

Também me contou que pouco sai de casa, porque está muito preocupada com a pandemia. Depois, disse-me que sempre que vem ás compras, ao chegar a casa coloca as compras todas sobre uma  mesa que tem no quintal, borrifa tudo com álcool, deixa lá ficar cerca de meia hora. Nessa meia hora, e antes de entrar em casa,  descalça os sapatos que ficam na rua, borrifa-os também com álcool spray. Entra em casa despe a roupa, mete a lavar na maquina de lavar, toma banho logo de seguida.

normas.jpg

A idade da falsa inocência

Antes eu até podia espreitar para os carrinhos, para dentro dos sacos, mas não tinha a autoridade, que agora tenho, para pedir que os sacos passem por cima do tapete em vez de irem dentro dos carrinhos.

Desde que tenho esta "autorização", quase todos os dias, aparecem uns "brindes".

Naquele dia, não foi exceção. Quando pedi educadamente uma senhora idosa para me passar os saquinhos que estavam dobradinhos no fundo do carrinho, e mesmo vendo a atrapalhação da senhora, julguei que era ela que não me estava a perceber,  não esperava que lá estivessem quatro artigos: um esfregão da marca scotch brite , uma esponja de banho, um rolone e um shampoo para o cabelo. Meteu tudo em cima do tapete e não disse nada.

Podem dizer que foi sem querer. Que são coisas da idade. Talvez, mas tenho dúvidas, porque ela ficou muito atrapalhada!

Já não é a primeira vez que os "brindes" surgem nesta faixa etária!

imageh678.jpg

Os que falam por falar

Um cliente habitual, um senhor que deve ter algum problema com a água e com o sabão, chega à minha caixa e diz que precisa de dizer uma coisa. Normalmente nunca tem nada de simpático a dizer, mas desta vez resolveu implicar com a minha máscara, dizendo que a mesma era falsa. Isto porque eu não estava a usar a cirúrgica, mas sim outra * comprada no continente, e certificada. Sinto-me melhor com esta!

mascaras.jpg

Começou a falar alto e a dizer que a máscara dele é que era boa.

Eu: Pois é a sua opinião!

Cliente: E tenho razão!

Eu: Mas deixe lá que a sua máscara no estado em que está, também não lhe vale de muito!

Cliente.  Porquê !? O que tem a minha máscara? (Eu ia dizer que estava sebosa, mas contive-me)

Eu: Essas máscaras só têm duração de 4 horas, e pelo estado dela, tem muitas mais horas em cima!

Ele baixou a altivez e disse: "Eu até acho que nem deviam obrigar a usar a máscara"!

Por aqui se vê o incoerência do discurso; primeiro a minha máscara é falsa, depois , já acha que não deviam obrigar o seu uso!

É cada situação, haja paciência!

*as máscaras de proteção Happo são  uma solução segura, ecológica e reutilizável.

happomask.jpg

Evite ir em grupo ao supermercado

21888764_DjBPh[1].jpgAqui há uns dias, numa publicação do Facebook sobre os aglomerados de gente no supermercado, deixei um comentário, em que referia que tinha atendido um grupo de cinco pessoas da mesma família, e disse que que não havia necessidade de irem assim em grupo.

Logo surgiram criticas, a dizer que cada um faz o que quer, que somos livres. E até disseram que a ida ao supermercado é um momento de confraternização familiar.

Pois era, mas as coisas mudaram. Vejam o primeiro ponto deste cartaz numa loja continente.

 O supermercado é para diversão ou é para que tenham sempre alimentação e outros bens essenciais!?

As pessoas certamente deixaram de ver noticiários, preferem não saber em que estado está o mundo e continuarem a sua vidinha como se estivesse tudo normal.

Mas, como podem ler no final do cartaz a prioridade do continente é garantir a segurança dos clientes e dos colaboradores!

Os brindes que vão dentro dos sacos

Pedi a um simpático e já habitual casal de velhotes que colocasse o saco vazio em cima do tapete, era um saco de ráfia que ia aberto no carrinho e que tinha sacos de plástico dentro. A velhota, muito atrapalhada, diz-me que o saco já foi pago, eu "sim, mas tem de passar aqui por cima do tapete como está aqui (apontei para um escrito)!" Ela, meio a tremer, tira o saco vira para baixo, tira os de plástico e cai uma laca para o cabelo, que se apressou a dizer, que a mesma tinha caído para ali! Daquelas pessoas que não esperava nada, esta atitude.

Noutra ocasião, uma senhora levava um saco de pano pendurado no braço, peço para passar o saco ali, e ela "porquê o saco é meu!" Lá lhe mostro o escrito, e ela diz "espere aí que me falta uma coisa". Vai pelo corredor da alimentação e chega com um pacote de laminas de barbear que fica para o outro lado e que seria quase impossível em pouco  tempo, lá as ter ido buscar!

De outra vez uma senhora levava dois sacos dobrados naquele sítio dos carrinhos onde sentam as crianças, dava perfeitamente para ver que não tinham nada, não os pedi, mas arrependi-me, porque a pessoa a seguir levava-os em balão, perguntou porque pedi a ela e não pedi à outra pessoa, expliquei, mas não entendeu a diferença e ainda ficou a pensar que estava a desconfiar...

mulher-com-mascara-medica-e-carrinho-de-compras-no

Percebem o porquê e a importância de os sacos passarem por cima do tapete!?

Gente que não acta regras e amua

Ontem, logo pela manhã atendi um casal, bastante jovem até, que me deixou logo aborrecida.

Quando nós pedimos alguma coisa ou chamamos atenção por alguma coisa, não é vontade nossa, mas sim normas da empresa, ou seja, ordens que temos. Pedi apenas que colocassem todos os artigos em cima do tapete incluindo os sacos vazios, pedi com educação, porque isso faço sempre, até posso falhar em alguma coisa, mas não é na educação. Ficaram chateados, e começaram a atirar as coisas à bruta, a implicar com tudo, a mostrar insatisfação e a descarregar a sua frustração. Não perdi a compostura e respondi sempre amavelmente.

Felizmente a seguir vieram pessoas bem educadas e civilizadas que aceitaram e entenderam os meus pedidos em nome da empresa, e acabei por desvalorizar aquelas pessoas mal formadas e ressabiadas!

ilustracao-de-supermercado-de-coronavirus_23-21485

Quem não deve, não teme

Não sei o porquê de alguns clientes ficarem surpreendidos, ofendidos ou até indignados,  por  nós pedirmos para que coloquem os sacos vazios que trazem de casa, e que vão no  fundo do carrinho,  em cima do tapete, para que passem pelas nossas mãos.

Hoje então em poucas horas tive três situações destas, e pelas três vezes, foi desgastante.

Uma senhora depois de colocar os artigos ia passar para o outro lado com vários sacos daqueles de ráfia todos em balão, fazendo volume. Quando lhe fiz o pedido, olhou para mim e disse que nunca lhe tinham pedido tal coisa, que era uma vergonha, pedi que olhasse para um aviso que estava lá a fazer o pedido, e, como estava escrito, lá aceitou.

Outra senhora reclamou, disse que nós é que perdíamos e que ia começar a ir à concorrência. Esta senhora, reclamou de outras coisas, foi uma chata, injusta nas afirmações, mesquinha mesmo.

Por último um senhor, só tinha um saco que ia aberto no carrinho, pedi para passar o saco pelo tapete, reclamou, e, mesmo depois de ler o aviso disse "era o que faltava sobem os preços e depois ainda desconfiam dos clientes!"

É isto todos os dias, não sei como ainda me surprendo. Não sei porque as pessoas têm tanta dificuldade de aceitar coisas tão simples. E neste caso, quem não deve não teme. 

quem-nao-deve-nao-teme.png

 

A cliente mereceu a lição

Estou quase a terminar o atendimento de um jovem, digo à cliente seguinte que pode ir colocando os seus artigos. Há uma marca no chão para o cliente que está a colocar os artigos, se o cliente for colocando os artigos na zona verde, o tapete rolante vai puxando os artigos, sem que seja preciso o cliente transpor a  marca.

No entanto esta cliente avançou demasiado. O jovem tinha de pagar com o multibanco e esta cliente estava muito próxima. Ao ver isto pedi à senhora para se afastar. Ela afastou-se apenas um milímetro. O jovem diz "vocês assim só cumprem o afastamento social entre vocês e o cliente, agora entre clientes, não"! Eu disse ao jovem "tem razão, eu já pedi à senhora para se afastar um pouco, mas vou pedir de novo". Volto a pedir à senhora para se afastar até à sinalética, mas ela diz que "ali não está a estorvar ninguém"! Vai o jovem diz que assim não vai fazer o pagamento enquanto a senhora não se afastar. Eu digo: "Pois está no seu direito!"

Sento-me e digo: " vamos esperar que a senhora se afaste então! Eu até às 13:30h posso esperar!" Eram 11 horas da manhã! E fico a olhar para a cliente, que a barafustar lá se afasta! Ainda me ouviu dizer que as pessoas não respeitam nada! Mesmo que não existisse pandemia, era uma falta de civismo estar em cima de alguém que está a marcar um código de  multibanco, que é secreto!

Há pessoas que ainda não perceberam que as coisas estão diferentes, tiveram mais de 5 meses, mais ainda não atingiram esse ponto de mudança! Esta levou uma lição. Só tenho a agradecer a este jovem que me ajudou na tarefa!

117651921_369318981133892_4740721721883030680_n[1]

condicoes.jpg