Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Ter resposta imediata

caixa-de-supermercado.gif

Por vezes tenho a sensação, que muitos clientes, acham que as operadoras de caixa sabem tudo. Todas as promoções (inclusive as do futuro), tudo o que se passa nas outras secções, todos os preços, o lugar onde está cada artigo...

Se não temos a resposta pronta, temos ao nosso lado um telefone, para podermos chamar alguém para ajudar o cliente. É claro que demora um bocadinho e que na maior parte das vezes o cliente não tem tempo para esperar...

Recordo-me de já me terem dito "nunca sabem nada"!

Apetece-me dizer que neste supermercado, bem organizado que é,  cada macaco está no seu galho. Cada um tem a sua função,  a sua secção, a sua formação, a sua responsabilidade e o seu conhecimento. É só accionar a pergunta e aguardar um pouco, porque a resposta já vem a caminho!

Apenas se pede tempo e paciência!

Mais tempo para os mais velhos

Finalizo o registo e peço o cartão de cliente ao cliente, um senhor, já de idade. Ele pega numa daquelas carteirinhas que só têm cartões, um porta-cartões, se é que assim se pode chamar.

 

Naquela carteirinha, estilo livrinho, havia cartões de tudo, principalmente cartões de visita. O cliente folheou duas vezes para encontrar o cartão continente. Entrega-me o cartão continente, passo-o e devolvo-o, digo o total e o senhor, volta a folhear  de novo a carteirinha, lentamente e a tremer, folheia uma, duas, três vezes e não consegue encontrar o cartão multibanco. Na fila de espera estão duas senhoras, que foram extraordinárias em compreensão pela demora, aliás estava eu mais stressada que elas!

Na tentativa de ajudar o senhor, e porque ele tremia tanto, pedi licença para folhear a carteirinha e tentar encontrar o cartão, mas não encontrei. O senhor estava preocupado,  principalmente porque achava  podia ter perdido o cartão. Uma das senhoras sugeriu que ele procurasse nos bolsos. Mas o dito cartão também não estava nos bolsos. Estava um outro, que não era  para usar, mas que na falta do outro, o cliente resolveu usar este. Mas o cliente marcou o código errado por tês vezes. Estava o senhor desesperado e  estava eu porque  estávamos ali há cerca de 10/15 minutos, naquele impasse. Avisamos o senhor, eu e as outras duas senhoras, para não colocar o cartão no multibanco, porque se não ia lá ficar retido. É neste momento que o senhor diz: " Só se eu pagar com dinheiro?" Pensei: " Mas tinha dinheiro e não disse logo!? Mas enfim o  problema está resolvido!" O senhor tirou todas as notas, todas as moedas, faltavam três cêntimos, mas eu nem me importei, queria era resolver a situação.

Comecei a atender as outras clientes, que foram umas queridas, por compreenderem a situação e até  por colaborarem. À frente da minha caixa há um banquinho, do tipo daqueles banquinhos de jardim, o senhor sentou-se lá com o carrinho das compras ao seu lado, e estava novamente a folhear a carteira tremulamente. Ficamos cheias de pena do senhor. Aquele senhor precisava de ter ali algum familiar ou amigo para o ajudar a encontrar o cartão ou para lhe dar apoio, pois ele parecia transtornado. Será que ele ia conduzir naquele estado? Fico com pena de não poder ter feito nada para o ajudar nem o poder encaminhar para alguém.

Este mundo é muito movimentado para quem está numa fase em que precisa de fazer tudo com mais calma!

A caminho da passagem de ano

Não sei se o facto de o movimento no supermercado estar  mais parado, do que na mesma altura no ano passado, só acontece aqui pelos lados onde trabalho, ou se é mesmo em todo o país. É que, se é mesmo geral, é preocupante...estamos mesmo numa crise muito grande! Sim eu sei, que estamos, que não é novidade alguma, mas é que por vezes, parece que a crise é só para alguns...

 

Ou então, como é típico do português...no dia 31 vai estar cheio!

 

Era previsível

Uma cliente pergunta-me se lhe posso dar sacos grandes. Eu dou, mas digo que não tenho muitos porque os ditos sacos, são destinados a artigos grandes. A senhora diz que lhe dá mais jeito aqueles e até diz com um ar severo que se for preciso paga-os, porque assim coloca tudo lá e até poupa em sacos, uma vez que dois lhe  bastam. Antes que houvesse chatices dei-lhe logo os sacos grandes. Começa a ensacar as latas de comida para animais. Quando acaba de encher o saco e o vai pegar para colocar no carrinho, diz: "ah...está tão pesado...eu não posso com isto!" Não me ofereci para ajudar, porque aquele peso ia me deixar com uma valente dor de costas. Mas a senhora, decide então tirar as coisas do saco grande e dizer que  afinal quer antes sacos pequenos. Era previsível, mas enfim! O tempo que demoramos enquanto outras pessoas tiveram de esperar, podia ter-se evitado!

 

A mania das pressas

Na fila estou quase a acabar de atender uma cliente e está um senhor com um carrinho cheio de compras a colocar as mesmas no tapete, vem um outro senhor só com um jornal e pede para passar. É-lhe cedida a passagem. Chega uma jovem com três coisas na mão e pede também passagem. E o mesmo cliente volta a ceder passagem. O senhor do jornal, que vê a dita jovem a querer passar-lhe à frente, diz: " mas eu ainda estou primeiro que o senhor também me deu a vez"! Responde a jovem: " mas   podia era  dar-me agora a vez que assim eu despachava-me já"! Ao que este senhor responde: " Mas eu tenho só uma coisa, você tem três, e além disso eu cheguei primeiro"!

 

E assim foi,  atendi o Sr. do jornal, depois a dita jovem e finalmente o senhor que cedeu estes dois lugares. Esta jovem, tinha tanta pressa em passar todos os lugares, que depois vi-a andar por lá a passear pela montra da worten.

 

É que por vezes nem é que estejam atrasados para algum compromisso, a sensação que me dá, é que apenas não querem estar à espera! Haja paciência!

 

Ai os cupões...

 

Aqueles cupões que estão a vigorar nestes dias, aqueles dirigidos apenas a artigos específicos, e não os dos 10% ou 5€ no total das compras, estão a dar as habituais confusões!

 

Primeiro a maioria dos clientes, não os lê nem analisa, antes de fazerem as compras. E depois é no momento de pagar que perguntam :" estes papelinhos que tenho aqui dão para alguma coisa?" E eu digo: " leva os artigos que aí estão?" E o cliente responde, "não sei, não vi!" E depois eu é que tenho de saber se o cliente leva alguma coisa ou não; tenho de os destacar (separar, recortar) e ver um a um se faz o desconto!

 

Segundo, não reparam que há lá umas datas, e estranham aquilo não dar para descontar quando lhes apetecer;

 

Depois ainda há aqueles clientes ou que não lêem tudo ou que interpretam o que lá está escrito à sua maneira ou da maneira que mais lhes convêm. Por exemplo, uma cliente deu-me uns cupões, e o sistema não fazia os descontos. Perguntei: "mas leva tudo que aqui está?" A cliente confirmou que sim! Então eu li um cupão que dizia desconto em detergente para a máquina de lavar roupa da marca Ariele, perguntei se confirmava. A cliente responde: " Ah o detergente não é para a roupa é pró chão e é do continente, mas é detergente"! Lá tive de respirar fundo e dizer com o sorriso sonae que tinha de ser o que lá estava escrito. Esta cliente não era uma velhota, muito pelo contrario! A mesma cliente tinha um cupão que dizia que o desconto era em todos os gelados, mas o que ela tinha eram congelados,  mas achou que era a mesma coisa!

 

O aborrecido destas coisas, é o tempo que se perde, principalmente para os clientes. É que por vezes bastava um pouco de cuidado por parte das pessoas. Tentem organizar melhor a ida às compras...

 

O tempo que o cliente demora a sair do local

Já aqui falei muitas vezes sobre a delimitação de espaço entre o cliente que está a ser atendido e o cliente seguinte. Muitas vezes esse espaço não é respeitado, e causa algum incomodo, principalmente quando se tem de marcar o código e está um emplastro atrás! Mas também é um facto que muitas vezes o cliente que está a ser atendido demora demasiado tempo a sair do local.  E isso causa nervosismo a quem está à espera.

 

Lidar com o publico é mesmo uma tarefa difícil.  Peço delicadamente a um cliente para aguardar a sua vez no local certo, dando assim privacidade ao outro para marcar o código, mas depois este sente-se no direito de se demorar, como se não estivesse ali mais ninguém!

 

Vou deixar de me preocupar com isto, eles que são os clientes que se entendam!

 

Inovação nas compras

No grande Continente há inovações que não existem no "meu" Continente modelo. E esta que se segue no vídeo, eu como cliente gostava de a ter, se bem que seria um sistema complicado para muitos dos clientes que eu conheço! São estes scanners que nos ajudam logo a saber os preços e assim a demorar menos tempo na escolha dos produtos. Basta o cliente se registar no balcão de informação. Este Programa do "Conta com Desconto" ainda não o vi na TV, mas tem de facto boas ideias. Ora vejam:

 

Factores que fazem a fila parar: preço diferente

Dando continuidade à rubrica, o factor que se segue é quando o preço que está na prateleira não corresponde com o preço que passa na caixa, acontece algumas vezes. Muitas vezes é um erro informático, ou é porque o preço mudou e houve um esquecimento de actualizar o que está na tarja da prateleira. É lógico que para o cliente o preço que está na prateleira ( ou seja o mais barato) é que conta. Também pode apenas acontecer o cliente ter visto mal, ou alguém ter trocado o sítio do artigo. Mas não deixa de fazer parar a fila para que a situação se resolva. São coisas que infelizmente acontecem apesar de haver todo o empenho da equipa para que seja em reduzido número de vezes. Só podemos pedir desculpa e um pouco de tolerância.

 

Factor: divergência de preço

Breves (3)

Porque será que é sempre a seguir ao dia em que as promoções acabam, que as pessoas se lembram delas? E depois perguntam:" dizia que era só até dia 13, hoje já não pode ser?"

Só na minha caixa fizeram-me a pergunta umas três vezes ( uma delas em relação à feira do bebé - que também acabou ontem), mas quando passava pela peixaria vi um cliente a perguntar à colega se ainda podia usar o cupão do desconto do bacalhau!