Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Os quebra-regras

Um dia destes, um cliente com um carrinho cheio, ao chegar minha caixa, queixou-se da minha colega não o ter deixado ir para as caixas self-service. Respondi que aquelas caixas não eram para carrinhos e que estava lá uma placa com essa informação. Ao que ele respondeu "pois, mas bem que ela podia facilitar"! Respondo que são regras da empresa, e o cliente, continua a não aceitar a regra e a dar os seus argumentos parvos!

Desisti, de argumentar. É por causa destas pessoas com esta dificuldade em aceitar normas, que a caixa de 10 unidades deixou de existir, porque as pessoas também queriam ir para lá com um carrinho cheio, alegando que não estava lá ninguém com dez unidades, e que as podia atender...

Fico passada com gente que não aceita regras, imagino que estas pessoas, também não devem respeitar outro tipo de regras, tipo as de transito, argumentando "o sinal está vermelho, mas não está aqui ninguém, vou passar e pronto!"

naoquebre.jpg

Por vezes temos de tomar medidas radicais!

Não têm conta as vezes que esta situação acontece por dia. Umas vezes a coisa resolve-se bem, mas por outras dá confusão! Refiro-me ao facto de na fila as pessoas não deixarem o cliente que está ser atendido ter a sua privacidade, quer para arrumar as compras, quer para fazer o pagamento ou mais alguma coisa. O cliente seguinte fica em cima deste!

Recentemente estava a atender um jovem, a seguir estava  uma senhora, parecia apressada ou impaciente, andava de um lado para o outro, até que se instalou no local de frente para o sítio onde o cliente que estava a ser atendido tinha de estar.

Quando digo o total, o jovem aponta para senhora e diz que é ela que paga! Ao que ela rege um pouco agressivamente, vai o jovem diz que ela lhe tirou a privacidade, que se roçou nele, e que agora ela tem de pagar, já que está ali.

Por pouco que esta situação não acabava mal!

Sugiro para que se evite essas situações que se coloque uma sinalética no chão e que quando o cliente que está a seguir a pisar, se emita um sinal sonoro, a ver se assim ele se dá conta, e recue!

imagem0325JPG.jpg

Não tem um paninho!?

Um dia de muito movimento e clientes no supermercado, não me incomoda, até dá a sensação que  o dia passa mais depressa.

No entanto, chegar ao ponto de não conseguir limpar o tapete, ( o mesmo estar molhado de peixe ou sujo de farinha, por exemplo) e o cliente dizer: "não tem um paninho?" Confesso que fico stressada, pois é como se me dissesse,  "sua desleixada e badalhoca, não limpa isto?!"

Não é desleixo é falta de tempo, o tapete tem sempre artigos em cima, não o consigo limpar. Se ao menos ele se limpasse sozinho enquanto rola!

limpeza.jpg

Grávida ou gordinha?

pontaria.jpg

Eu não tenho grande pontaria, para verificar se  uma pessoa está grávida ou não, se não for mesmo saliente. Na caixa de prioridade antiga, nós tínhamos de chamar as pessoas, e por vezes eu errava. Então eu deixei de chamar, só chamava mesmo quando se notava bem, e não tinha dúvidas.

Acho que já aqui relatei que uma vez chamei uma senhora que estava com a barriga empinada e as mãos à cintura, mas, errei. A senhora ficou ofendida e eu envergonhada. Pedi desculpa, mas fiquei a sentir-me tão mal.

Recentemente , vi uma outra senhora, e fiquei na dúvida se era gravidez. Olhei pelo canto do olho, disfarcei. Pensei "será que é!?"  Depois vi-a de frente, e pensei que afinal não era. Quando alguém disse que a pessoa estava grávida, para me desculpar disse que não tinha percebido, e   a grávida responde: "então pensava que isto era tudo gordura?"

Ora mais valia eu não ter dito nada!

Às vezes mais vale, esperar que seja o cliente prioritário a pedir/manifestar a prioridade, aliás, é o que está estipulado na lei!

leidaprioridade.jpg

Até porque, mesmo tendo o direito à prioridade, o cliente prioritário, pode não querer usufruir dela, por se sentir bem naquele momento. Por exemplo, uma cliente pode estar com um bebé, mas o  bebé estar tranquilo a dormir no carrinho, e a cliente não ver necessidade de estar a "roubar" o lugar a quem já lá está à mais tempo, e merece consideração/respeito!

Isso chama-se, ter bom senso!

Viesse mais tarde...

Esta semana houve um dia, que entrei às 10h, estavam outras caixas abertas, as colegas que tinham entrado ás 9h. No entanto, já estavam algumas pessoas em fila.

 

Peço ás pessoas para se dirigirem à minha caixa, por ordem de fila. Atendo uma senhora, e a seguir é a vez de um velhote, e a conversa que tivemos, foi a seguinte:

 

Eu: Bom dia!

Senhor: Bom dia, então atrasou-se!?

Eu: Desculpe?

Senhor: Hoje acordou tarde?

Eu: Por acaso acordei ás 7h!

Senhor: Então alguma coisa está mal, se acordou ás 7h, como é que só cá chegou ás 10h!?

Eu: Estou dentro do meu horário!

Senhor: Pois, mas  a gente é que não tem de ficar aqui à espera!

 

Ainda pensei em responder, mas achei que não valia a pena. Terminei o atendimento e despedi-me com cortesia, e o senhor já não disse mais nada.

 

As pessoas cada vez têm menos paciência para esperar, principalmente as pessoas mais velhas, aquelas que já não têm horários de trabalho a cumprir, isso podia deixá-los mais tolerantes, mas não, parece ser precisamente, o contrário!

 

Raramente as pessoas vão ao supermercado com tempo, a maioria das pessoas vai com pressa, muita pressa!

viessemaiscedo.jpg

Sacos em formato balão de ar

Uns clientes depois de colocarem as compras no tapete, passam com  uns sacos de ráfia no fundo do carrinho, tipo em balão, com ar, dando a impressão que podia lá estar alguma coisa dentro. Eram dois, um sobre o outro, e eu para tentar perceber o porquê daquele vulto, meti-me em bicos de pés. Agiram logo, sacudindo os sacos, mas com atitude de quem ficou ofendido.

 

Era tão bom se partisse dos próprios clientes, mostrar os sacos. Nós não estamos ali para desconfiar de ninguém, mas temos de fazer o nosso trabalho.

 

Felizmente muitos clientes entendem, e gentilmente mostram os sacos ou colocam-nos de modo a que se perceba que estão vazios! 

rafiasaco.JPG

As caixas selfservice do supermercado não são mágicas

Um destes dias, estava no balcão de informação e ao lado estão as caixas selfservice. Vejo um senhor, de meia idade, colocar as compras, de seguida coloca as mãos na cintura, olha para a máquina e diz "atão!?" Pelo que percebi, na perspectiva dele, as caixas serem automáticas ou  sefservice, queria dizer, que a máquina registava os produtos sozinha!

caixaselfservicecnt.jpg

Ela não largava o telemóvel

Já aqui comentei várias vezes, o facto de estar a tender um cliente, que está a falar ao telemóvel, e nem se dá conta, do que está a fazer,  do tempo que demora, e da falta de civismo que essa acção é!

 

Uma vez, uma cliente emigrante, disse que lá onde vive, nas caixas há um sinal que proíbe o uso do telemóvel, deve ser como nós temos nas bombas de combustível. Claro que cá em Portugal e atualmente, o uso do telemóvel, faz falta, pois há aplicações, para uso do cartão cliente, para pagamento, não daria por isso, para proibir o seu uso. No entanto, um cartaz a pedir gentilmente que não falassem ao telemóvel, quando estão a ser atendidos, seria uma boa opção.

 

Claro que há chamadas e situações urgentes, e que têm de ser atendidas.

 

Um destes dias, uma senhora atendeu o telemóvel, quando estava a colocar as compras no tapete. Pelo que percebi, eram aquelas chamadas a oferecer cartões de credito, ou operadoras de televisão. Então a senhora falava alto e dizia "então faça lá a proposta, que depois eu vejo se me convém" e o "blábláblá", continuava. Parecia estar a dar uma lição ao pessoal de como se desenvencilhar dos chatos dos senhores que nos ligam para oferecer coisas. Mas, despachar as coisas no tapete, estava em câmara lenta. As pessoas olhavam, mas não comentavam.

 

Quando desligou olha para mim  e diz: "ai estes parvos só ligam para atrapalhar"! Olhei-a,  nem respondi, porque se respondesse era para dizer: "parva é a senhora, que lhes deu conversa, em vez de arrumar as suas compras e fazer os outros esperar"!

 

aotele.jpg

 

 

A água de Monchique esgotada no supermercado

Os clientes aqui da zona consomem muito água de Monchique, e já se tinham manifestado pela sua falta, e eu ainda não tinha feito o clique de "fogo em Monchique, fabrica encerrada".

 

Entretanto, hoje um senhor perguntou-me se podia ver se tínhamos a água em armazém. Foi chamado o colega desse departamento, que veio informar o cliente, que em virtude dos acontecimentos na zona de Monchique não tínhamos recebido a água.

 

Pelos vistos, a dita água está esgotada em todo o país, certamente porque a fabrica deve estar em limpezas, análises, avaliações para que reabra com a mesma garantia de qualidade de sempre.

 

aguas.jpg

As crianças são a nossa maior fonte de alegria

Estava a atender uma senhora com os seus dois filhotes, um devia de ter aí uns 8 anos e o outro era mais velho. O mais novo quis conversa comigo. Ia me fazendo perguntas eu ia respondendo. Achei-o um miúdo tão castiço, curioso e educado.

 

No final eu despedi-me deles, e ele respondeu-me  com um tchau e acenou-me. Eu disse-lhe "porta-te bem". E ele respondeu : "e tu também!" Não estava nada à espera desta resposta tão ousada, mas se calhar merecia-a ! Fez-me rir e a mãe dele também sorriu.

 

Que miúdo tão querido. Alegrou logo  o meu dia!

21100540_fC9321.jpg