Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A 500 metros do "meu" Continente há um Pingo Doce

versus.jpg

Logo pela manhã os clientes que chegavam ao Continente, contavam o que se passava no Pingo Doce que era mesmo ali ao lado. Contavam que lá em  compras acima de 100 euros davam  um desconto de 50%. Uma cliente mostrou-me mesmo o talão onde vinha escrito oitenta euros de desconto imediato. À partida é uma promoção bombástica, e nesse aspecto o grupo está de parabéns. O problema são mesmo as consequências: muitas pessoas, empurrões, discussões, brigas, filas, horas de espera, falta de produtos nas prateleiras, falta de carrinhos para tanta gente, falta de lugares no parque de estacionamento. Uma cliente contou que lhe chegaram a oferecer dinheiro pelo seu carrinho vazio.

 

Alguns clientes tiveram a lata de me pedir sacos para ir à concorrência. Houve até uma situação em que um cliente roubou  dois carrinhos do parque do continente para ir ao Pingo Doce, e indo a pé aquilo ainda é um bom bocado.

 

Uma cliente disse-me que tinha entrado lá, mas quando viu o estado caótico em que o supermercado estava, resolveu sair, pois aquilo parecia que vinha aí a guerra; uma outra cliente dizia que era pobre mas não era maluca; outra cliente dizia que já lá tinha estado mas que estava ali (no continente) porque lá já não havia açúcar. Soube também que na falta de carrinhos, os clientes colocavam os artigos em caixas e até aos montes no chão! Contaram-me também que as quantidades estavam racionadas, mas que havia batota. Soube que também lá esteve a polícia.

 

Se calhar, este  Pingo Doce é pequeno demais para tanta gente,  ou  possivelmente não pensaram que a adesão fosse em tão grande número, e o civismo nestas horas é esquecido, e o vale tudo assustou algumas pessoas e as fez recuar.

 

De tanto ouvir falar no PD, resolvi ir lá espreitar, mas dei uma volta ao parque e não encontrei estacionamento, havia automóveis estacionados em tudo quanto era lado, pessoas à porta. Demorei imenso até conseguir sair do parque e não cheguei a entrar, aquilo estava mesmo confuso.

 

Esta promoção vai ficar na história do grupo como a mais bombástica de sempre e nos tempos que correm, a malta agradece! Só há a lamentar os danos colaterais.

 

Nota: mesmo com toda esta promoção, o continente não esteve vazio!

     

Post com recorte no {#emotions_dlg.happy}

Dia do trabalhador

Estou neste supermercado há cerca de oito anos e é o segundo ano (o ano passado já esteve aberto) em que trabalho no dia 1 de maio. Como recebi o horário com um mês de antecedência, vi logo que este ano o supermercado também iria estar aberto. A mim não me causa grande admiração ou mesmo transtorno trabalhar neste dia, pois já me habituei com tantos anos de serviço, a trabalhar aos feriados. É apenas mais um, se fosse Natal ou Ano Novo ou até algum aniversário (tipo o meu ou o do filho)  custava-me bem mais ter de ir trabalhar. De qualquer modo respeito e compreendo quem está revoltado por ter de trabalhar neste dia, mas para mim tornou-se um hábito, e não vou contrariada.

 

Pág. 3/3