Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Desafios da blogosfera

 

O autor do blog do  Prémios atribuídos propôs-me este desafio, oferecendo este selo, o qual aceito e agradeço e, consequentemente vou proceder de acordo com as normas do dito desafio.

 

 

Entretanto, o receptor deste desafio tem de responder às seguintes questões: 

 

1. Dizer uma coisa que goste em si.

 

- Dedicação

 

 2. Dizer uma coisa que goste no blogue de onde recebeu o selo.

  

- Uma excelente pessoa que escreve bonitos poemas, e que coloca sempre lindas imagens relacionadas com os mesmos.

   

 3. Desafiar 5 blogues, oferecer-lhe o selo e caracterizar os blogues em questão.

 

 - MaluquitaM, é uma jovem muito bonita não só exteriormente como interiormente. È muito prendada, especialmente a cuidar e decorar as suas unhas. Tem atitudes muito maduras e é muito consciente. Admiro o facto de não se deixar levar por marcas. È uma jovem muito bem formada.

 

- Animaleza, A sua preocupação com a natureza e os animais é admirável. Faz falta no mundo mais pessoas assim. Os animais precisam de quem os defenda.

 

- Coisinhas do dia-a-dia, É uma amiga recente. Trabalha também na sonae. Temos histórias parecidas para partilhar. Gosto de ler os seus post’s.

 

- Hitany-fx, Como vejo algumas novelas da TVI, gosto de passar pelo seu blog para saber dos resumos. Também fala de outros programas da TVI e muitas vezes tem lá os vídeos, o que  me facilita a procura.

 

- Entre Tejo e Odiana, Simplesmente adoro. As imagens os relatos, o facto de o blog estar muito bem estruturado, Mostra as coisas lindas que existem no Alentejo.

  

Pedem-me 5 mas eu até tinha mais, pois gosto de muitos. Queria só dizer que mesmo estando a desafiar-vos, não se sintam obrigados a fazer. Eu fiz porque achei interessante e até divertido e é  também uma forma de comunicar na blogosfera.

 

A responsável pelo Arredonda em Portugal

Ainda a propósito da campanha do arredonda, recebi este comentário, que achei importante realçar. Penso que é esclarecedor. Foi deixado por Luisa Villar.

 

 

«Caros amigos, Eu sou a responsável pelo Arredonda em Portugal. Achei que seria uma forma fácil de ajudar instituições e causas. Nunca foi minha intenção "obrigar" ninguém a ajudar, obviamente só quem quer é que arredonda. Acho extraordinário que se perca tanto tempo a criticar as coisas positivas que se fazem neste país. Se cada um de vocês, tivesse visto a alegrias das crianças ao receberem cada uma das 9 carrinhas que conseguimos no Natal, ia pensar 2 vezes quando lhe perguntassem em qualquer caixa se queria arredondar - Mas, como disse, só arredonda quem quer, e se não quer não arredonda, mas não tem que se justificar, muito menos pôr em dúvida o trabalho dos outros. E só mais uma coisa, informem-se antes de escreverem - é evidente que a Sonae não vai receber um recibo de donativo, porque não é a Sonae que está a dar nada, qualquer pessoa que arredonda pode ter o recibo correspondente ao valor arredondado. Podem até pôr em causa o oportunismo das marcas ao fazerem campanhas de Responsabilidade Social, eu por mim continuo a achar que se as marcas, com os seus orçamentos de marketing, poderem ajudar a tornar este mundo melhor, porque não? Se quiserem mais informação sobre o Arredonda, visitem o site da Associação Link - www.associacaolink.pt . Espero ter esclarecido e acalmado um pouco os ânimos

Factura com contribuinte, com consumidor final e com o nome...

 

Um Sr. pede-me para passar factura. Peço-lhe o número de contribuinte. O cliente pega num papel enorme, e desenrola-o (parecia um rolo de papel higiénico). E fica ali minutos a procurar o número pretendido. A fila está grande. A filha do Sr. pergunta: "então não encontras?" Ele responde: "Não estou a ver...!" Eu intervenho dizendo: "posso passar só com o nome..." Ele concordou, fiz a factura e coloquei o nome. Quando este senhor viu que estava na factura, consumidor final, o homem teve uma atitude brusca. Disse-me que eu podia ter esperado; que aquilo não podia ir assim; que eu estava com pressa.

 

Enfim... Pedi que se dirigisse ao balcão de informação. A minha colega teve de passar toda a factura manualmente e colocar o contribuinte que ele entretanto encontrou. Fez queixa de mim dizendo que eu estava com pressa e não esperei. Ainda tive de ouvir a minha colega dizer-me que eu devia ter esperado. Sim eu devia ter esperado, mas o sistema aqui há uns tempos dava para colocar o contribuinte depois, mas agora se não introduzimos o número assume logo como consumidor final. Se calhar, repito, podia  ter esperado mais tempo. Mas e as pessoas que estavam à espera? Se o cliente precisava de factura não deveria ter logo à mão o contribuinte?

 

Sai um:

  

 

A impaciência e a intolerância

 

Apesar de o artigo de hoje estar ligado ao universo do meu trabalho, considero-o também um desabafo pessoal. Preocupa-me a impaciência e a intolerância das pessoas. Hoje esteve um dia daqueles com muitos clientes, filas grandes, enfim muita confusão. Enquanto atendia uma simpática senhora já de idade trocava algumas palavras  que em nada atrapalhavam o registo das compras. Mas como percebi que o casal seguinte já estava "a soprar", tentei ser ainda mais rápida.

 

Entretanto na fase do pagamento esta senhora  ao fazer o pagamento enganou-se no código do multibanco e teve de repetir. Quando esta cliente saiu, o dito casal, fez cada observação…  frases  do tipo " quando for velha não quero ser assim"! Um exagero de coisas só porque a pessoa se enganou no multibanco e pela idade fazia as tarefas de forma mais lenta...Neste momento eu avistava na caixa à minha frente uma amiga com o seu filhote, um menino encantador, a quem eu gostava de ir cumprimentar. Mas depois disto, nem me atrevi a tal. Só que fiquei triste, pois sei que tão cedo não voltarei a encontrar aquele menino.

 

Esta profissão tem destas coisas, nós estamos ali limitadas aquele espaço.   A maior parte das pessoas espera de nós apenas rapidez e eficiência. Parece que nos enxergam como máquinas. Podem até me dizer, que já viram muitas vezes a operadora de caixa estar a falar com outra pessoa e não lhes estar a dar a merecida atenção. Isso até pode acontecer, mas deve ser uma em cada mil, porque na Sonae, estão sempre a pedir-nos para dar-mos aos clientes um "atendimento Sonae" ( um atendimento de excelência)! Eu também esperava um pouco mais de humanidade da parte dos clientes.

 

Pág. 3/3