Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Não me falem de politica...

 Como já disse algumas vezes, para mim ser operadora de caixa não é uma função meramente mecânica. Sou humana e gosto de falar com as pessoas, aliás os próprios clientes gostam de meter conversa connosco, gostamos todos de confraternizar um pouco. Uma destas ultimas vezes que confraternizava com um cliente, confesso que "perdi o pio". Sabem porquê? Porque lamentavelmente não dominava o assunto: politica.  O cliente falava em siglas partidárias e blocos e etc. que a mim pouco ou nada diziam. Senti-me um pouco embaraçada. Apenas sorri e não dei opinião não fosse dizer algo errado. Mas fiquei a pensar no assunto. Talvez devesse ter algumas noções básicas da politica actual, mas acho o assunto tão...nem tenho palavras...

 

Santa ignorância...

 

 
O que hoje vos vou contar vem na sequência do post que escrevi ontem. Escrevi o post com o tema" normas dos cupões de desconto" antes de ir trabalhar. Eu dizia que acontece sempre algo devido a uma deturpada interpretação destes cupões. Este caso foi mais um insólito. Uma senhora chega á minha caixa com o seu carrinho de compras, depois de colocar os artigos passa para o outro lado e tira da mala duas cartas daquelas que recebemos pelo correio: "menina tenho aqui dois descontos, um meu e o outro é da minha irmã, ora se ela gasta aqui menos que eu porque tem descontos melhores que eu!?" A carta da senhora é como o exemplo da imagem do post anterior, ou seja, 10% de desconto. O da sua irmã tinha a mesma data mas era 5€ de desconto em compras de valor igual ou superior a 25€. A cliente barafustava porque achava que a irmã gastava menos dinheiro e estava a receber melhor desconto que ela. Então eu fiz-lhe a seguinte explicação: " imagine  que a senhora e a sua irmã fazem ambas compras do valor de 100€, ao apresentarem o cupão de desconto, a senhora fica com 10€ no cartão e a sua irmã fica com 5€, quem é que ficou mais beneficiada? Foi a senhora, certo?" A senhora pareceu compreender e aceitar  a minha dedução. Quando concluo a conta ela dá-me o cupão, mas eu digo: " mas a data que está aqui é a partir do dia 16 e hoje é dia 15 só amanhã é que dá para descontar..." Bem, a mulher começa a barafustar de uma maneira que só visto, estava a ficar violenta, não estava mais ninguém na fila e o intervalo entre a minha colega da frente era de duas caixas e eu estava a prever que a mulher ia tomar alguma atitude menos própria. É então que ela pega nos cupões aproxima-se de mim e diz: " quer ver o que eu faço com esta merd..." e rasga os papéis. Depois continua o discurso e diz que vai ligar para lá (disse mesmo lá, deve ser para a sonae) e diz que vai deixar de ir ali às compras, e conclui com desaforos.

 

Esta senhora, não teve razão alguma para fazer isto, porque estava tudo dentro das normas com os cupões, ela foi bastante injusta. Ela fez figura triste e lamentavelmente não havia mais ninguém por perto para me ajudar a fazer-lhe entender isto. Quando estas questões acontecem dá-me vontade de fugir dali. Mas como não pode ser tenho de contar não até 10 mas até 100 porque 10 não chega!

 

Normas dos cupões de desconto

 

 
Sempre que chegam estes descontos e apesar de já ser um habito constante há sempre alguma confusão. Em relação às datas, acontece sempre alguém querer usar o desconto antes da data ou depois da mesma. Muitas pessoas dizem que não repararam que tinham datas. Outra confusão é a interpretação que os clientes fazem destes cupões. Uns acham muito bem e acreditam que é uma boa ajuda; outros acham que é uma forma de fazerem as pessoas gastar mas dinheiro; outros ainda simplesmente dizem que não os usam e os dão a alguém (mas os descontos só servem para o portador do cartão).
 
Também acontece que nem todos os clientes recebem. Segundo sei é por um sorteio feito aleatoriamente pelo computador. Já por diversas vezes ouço clientes a dizer "gasto aqui mais dinheiro que a minha vizinha, ela recebe os cupões e eu raramente ou nunca recebo". A explicação pode ser esta do sorteio ou então, pode haver algum dado na morada do cliente que não esteja cem por cento correcto e não se poder enviar ou mesmo a carta extraviar-se.

 

Uma coisa que eu vos peço, é para lerem bem o que vem escrito na frente e no verso dos cupões, assim estarão mais esclarecidos quando os forem usar. Deixo aqui o verso de um dos cupões, espero que ajude...
 

 

Quando a divergência de preços acontece...

 

 

Na secção das frutas e legumes do supermercado onde trabalho estavam á venda dois tipos de morangos. Ambos com o selo continente. Tinham o mesmo peso, mas tinham preços diferentes e estavam ao lado um do outro. A diferença era que uns eram biológicos e os outros eram os comuns. O preço além de estar evidenciado numa placa vinha também na embalagem. Mesmo assim, passou uma cliente na minha caixa com duas embalagens diferentes. Quando a senhora percebeu que tinha passado com preços diferentes, chamou-me atenção, dizendo que tirou os dois no mesmo sítio e que não podiam passar a preços diferentes.

 

Expliquei a diferença e o facto de uns serem biológicos, mas a minha  explicação não foi suficiente e teve de lá ir um colaborador da secção que voltou a explicar tudo e ainda assim a senhora repetia que estavam ambos no mesmo lugar. A minha colega disse que poderia ter sido algum cliente que os tivesse misturado (é comum isto acontecer e depois na caixa dá sempre confusão). Com tudo isto as pessoas da fila iam batendo o pé e olhando para o relógio. a cliente lá decidiu aceitar as explicações e levar as duas embalagens de morangos.

  

Como o caso me deixou intrigada á saída fui lá espreitar e lá estavam os dois tipos de morangos bem evidenciados. Uma situação destas faz logo com a fila pare e com que as pessoas se desiludam. Desta vez não foi erro nosso. É muito frequente os clientes quando estão a escolher os artigos deixarem os mesmos fora do sitio, e se ninguém  (dos colaboradores) se aperceber do facto quando chegam á caixa pensam que é um preço e depois aparece outro e isso torna-se logo um episodio longo para quem espera...

 

 

Quem trabalha aos feriados?!

Hoje é feriado. Para mim foi um dia como os outros visto que estive a trabalhar. O supermercado esteve quase sempre cheio de clientes, só abrandou um bocadinho entre as 13h  as 14:30h. Os clientes andavam acorrer e cheios de pressa, muitos deles tinham esta conversa,

 

Cliente: Menina isto hoje fecha às 13h, não é?

 

Eu: Não, está aberto todo o dia!

 

Cliente: A sério? Ah coitadas de vocês!

 

Eu: Pois tem de calhar a alguém!

 

Cliente: Pelo menos domingo está fechado!

 

Eu: Não, domingo também vai estar aberto!

 

Cliente: Acho mal, é um dia santo! Também estão abertos o dia todo?

 

Eu: Fechamos apenas três horas mais cedo.

 

Apesar deste diálogo tão amigável, acredito que na hora de fechar no domingo vai haver alguém a não concordar com isto, como aconteceu o ano passado.

 

Numa outra conversa com uma cliente, esta confidenciou-me que também ela ia estar a trabalhar no domingo de pascoa e 24 horas seguidas, pois é médica. Enfim há profissões em que não pode haver feriados. Então os polícias e os médicos devem ser os que mais trabalho têm nestes dias...
 

Total e subtotal nos talões do supermercado...

 

Há cerca de dois anos atrás no meu local de trabalho, quando os clientes tinham duas contas mas queriam pagar tudo junto pediam-nos para fazer um subtotal e no talão vinham os artigos separados. Hoje em dia isso já não é possível, porque conforme podem ver no na imagem  (abaixo) com o nº2, os artigos vem separados por secções.  Na imagem1 passei os artigos, depois o sistema ordenou-os conforme está na imagenm2.
 
Apesar de este sistema já estar assim há imenso tempo, muitas vezes os clientes pedem um subtotal, pois por vezes a cliente tem de levar as compras para ela e para a mãe quer pagar tudo junto mas quer ter o subtotal para poder mais facilmente fazer contas com a mãe.
 
Queria deixar aqui esta explicação para que os clientes entendam o porquê de já não podermos fazer um subtotal nos talões...
 
 

 

 

(clicar na imagem para visualizar melhor)

Rosa Pomar

De blog em bolg tomei conhecimento que uma marca holandesa copiou um dos originais da Rosa Pomar, uma artista portuguesa. Não a conheço, mas como portuguesa estou solidária. Penso que a única ajuda que posso dar a conhecer o caso...

 

É este o blog da Rosa e este é o site da marca holandesa...

 

 

Crianças de férias, pais exaustos e ovos de chocolate!

 

Estamos na Páscoa. Muitas crianças acompanham os pais ás compras, pois estão de férias. Nas prateleiras há muitas coisas boas para eles. Ovos de chocolate dos seus heróis e heroínas preferidas. Pelos corredores, ouvem-se pedidos aos pais, ouvem-se choros, a frase "ó mãe compra!" está no top das mais ouvidas ( pelo menos por mim). Hoje uma mãe dizia-me "nunca mais começam as aulas, eu já estou sem paciência!" Creio que o ovo de chocolate que o pequeno levava, a mãe só o comprou para ele se calar... é que eles conseguem ser mesmo persistentes!

Agora é o cliente quem passa o cartão MULTIBANCO...

 

No meu local de trabalho foi recentemente implantado o novo sistema de pagamento com o multibanco. Já existe em muitos supermercados do grupo, mas nós somos sempre dos últimos. Agora nós operadoras de caixa não tocamos no cartão multibanco  (ou visa) dos clientes. São eles que passam o próprio cartão o põem o código. Os que tem chip é só direccionar o chip e inserir o cartão de frente, os que não têm o chip é passar a banda magnética. Não tem sido fácil principalmente para as pessoas mais velhas, pois elas não conseguem e  acabamos por ser nós a fazer a operação e  com tudo isto demora-se mais um tempinho. Sinceramente pensei que a aceitação do novo sistema fosse mais bem vista, mas as pessoas têm feito muitas perguntas sobre o porquê desta mudança.  
 
Ontem tive o caso que mais me incomodou. Um cliente, que já é habitualmente conhecido por ser "reclamista" (palavra que eu inventei), recusou-se a fazer a operação. Disse-me: "faça você isso, era o que faltava eu ter de vir para aqui trabalhar, é esse o seu trabalho"! O que é certo é que na localidade onde eu trabalho na concorrência já existe este sistema há algum tempo, e em outras localidades próximas também.
 
Um outro cliente disse com alguma ironia:" isso é para menina descansar um bocadinho!" Mas será que as pessoas preferem o sistema antigo em que a operadora faz toda a operação? Vocês que costumam visitar o meu blog, não acham bem serem vós próprios a fazer a operação? Assim ninguém vos mexe no vosso multibanco...