Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

O cliente piquinhas...

 

Chega à minha caixa um cliente com o carrinho completamente cheio... Começa a tirar os artigos muito devagar e com um certo critério, ou seja primeiro as carnes todas alinhadinhas. Depois passou para o outro lado deixando apenas as carnes em cima do tapete. Ficou ali a olhar para mim enquanto eu colocava nos sacos. De seguida verificou os sacos que já estavam com as carnes. Voltou ao carrinho e tirou os enlatados, de novo esperou que eu os colocasse nos sacos.  O tapete continuava vazio e as compras no carrinho.

 

Quando alguém se aproximava da caixa e reparava naquele sistema desistiam e procuram uma outra caixa. A seguir aos enlatados foram os cereais e assim sucessivamente.  

 

A certa altura começou a mudar as coisas dos sacos, separava, juntava e...separava. Eu estava a começar a stressar, mas resolvi manter-me calma e tranquila para ver até onde aquele senhor (devia ter cerca de 35/40anos) ia. Quase no final coloca uns rolos de papel higiénico em cima do tapete (de salientar que era o único artigo em cima do tapete) e como se não houvesse mais espaço coloca o peixe a deitar molho e as ervilhas congeladas também húmidas em cima dos rolos de papel. Pensei cá para mim:" tanto cuidado com os artigos e agora uma atitude daquelas, seria aquilo para os apanhados da televisão!?" Eu ia tirando os congelados de cima do papel com cuidado para na passar para o papel e ele ia colocando lá mais e mais. No fim havia um rolo já um pouco húmido e o senhor aproximou o papel da vista e... pensei:"é agora! Vai desistir de levar o papel!" Mas entretanto guardou o papel. Este senhor não arrumou nem um artigo fui eu que embalei tudo.

 

No fim de fazer o pagamento os sacos ainda estavam todos em cima do tapete e ele nunca mais os recolocava no carrinho. Contei até 10 baixinho para não me enervar, pois já tinha clientes á espera na fila. Só quando eu já estava a atender o terceiro cliente a seguir a este (ali mesmo apertando o espaço) é que este senhor se foi finalmente embora... Felizmente que pessoas assim só acontecem uma vez por ano. Ufa... Que maçada!

 

4 comentários

Comentar post