Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Rolamentos que funcionam a caroços de azeitona

Um cliente depois de ensacar as compras e pagar, sai deixando lá tudo. Tive de o chamar bem alto, porque ele não ouviu à primeira. Quando ele volta e chega à minha caixa para apanhar os sacos diz "isto quando os rolamentos funcionam a caroços de azeitona, é no que dá!"

rolamentosazite.jpg

 

Mais uma expressão nova para mim, e mais um momento divertido!

Aquela birra, foi horrível

No passado sábado, a manhã esteve caótica, cheia de clientes, fim de mês é natural.

No meio de tanta gente, está na fila atrás de mim, uma mãe, uma avó e um menino ai dos seus 3/4 anos. Estava com uma birra descomunal, gritava alto, esperneava, a avó tentava em vão o assoar, pois a cara dele era ranhoca, era lágrimas!

O barulho era tanto que eu não conseguia ouvir o pip da máquina ao passar os artigos, nem os clientes me ouviam a fazer as perguntas habituais , nem eu ouvia as respostas.

Uma senhora na minha fila com um rapaz adolescente e uma bebé no carrinho, dizia "espero que a minha nunca faça uma birra destas"!

Não sei qual o motivo da birra, julgo que também não tenha sido fácil para aquelas pessoas verem toda a gente a observar e a tecer comentários.

O momento foi longo, e valeu a muita gente, eu incluída, uma grande dor de cabeça!

labirra.jpg

A reclamar é que a gente se entende

Estava um cliente (da 3º infância) no corredor a falar alto, a barafustar,  com dois ou três artigos na mão e mesmo assim, gesticulava. 

Como olhei para ele, ouvi ele dizer "empregadas" e depois "café". Deduzi que procurava o corredor do café, e dei indicação nesse sentido. Respondeu "Ah, está neste aqui!?Mas onde, não a vejo!"

É então que a cliente que estava a atender, a rir-se me diz "ele está é a dizer que não encontra empregadas, porque foram todas ao café!"

Lá peguei no telefone,  para pedir apoio. A colega que atendeu, ouviu o senhor a falar alto e perguntou o que se passava, e disse-me calmamente que o senhor não encontrava ninguém porque a loja é grande. O que não deixa de ser verdade. Se o senhor tivesse procurado mais um pouco teria encontrado!

Lá veio alguém ajudar o senhor. E lá foi ele cheio de pressa. Entretanto, que ele pediu uma empregada e quem o acompanhou foi um empregado!

ralhista.jpg

As pessoas por vezes acham que passamos o tempo todo no café, de férias, a almoçar, etc. Não percebem que esses momentos, não são feitos na hora do trabalho! Parece que querem ter ao seu dispor várias empregadas ao mesmo tempo, sempre à sua volta, para responder a perguntas, para os levar ao corredor certo, para dizer o preço, para segurar nos artigos. Claro que há situações que precisam mesmo de ajuda, mas há outras que até nem era assim tão preciso!

Mexer e arrumar

Um cliente diz para o outro que não gosta que mexam nas coisas dele, isto porque o cliente seguinte estava a empurrar os artigos do primeiro. Vai o outro responde que não gosta de desarrumações! E começa o bate-boca, que isto as pessoas gostam é de discutir, assim descomprimem e depois já se ficam a sentir melhor!

 

Cá para mim pensei: até podia não gostar de desarrumações, mas também não tinha de ir arrumar "a casa" do outro!

discussao.jpg

Queixas dos pais

É habitual haver perto das caixas de saída, artigos atrativos para as crianças. E claro eles pedem aos pais para comprar! Depois os pais queixam-se, dizendo que fazemos de propósito!

 

É verdade são muitas tentações, e sim, se calhar é uma boa estratégica! Mas também é uma forma de educar. Não é só ali que eles fazem birra, se os pais conseguem fugir do corredor dos brinquedos e são apanhados ali, há que usar o dialogo e tentar não fazer do momento uma tortura!

pedirnaocusta.jpg

O frantuguês está de volta

frantuges.jpg

Todos os anos é a mesma coisa, nem vale a pena pensar que este ano podia ser diferente. Os emigrantes, voltam ao seu país, para matar saudades, para descansar, estar com amigos e parentes. Saudades, mas não, de falar português! Costumam ir  ao supermercado, entre julho e  agosto, muitas famílias/grupos fazer as compras para as férias.

 

Será que em França, quando estão em casa e em família, não se fala português? Porque no emprego/trabalho, nas compras, ou em qualquer serviço é normal, pois estão em França! Não sei se o fazem de propósito, mas fica aborrecido, estarem falar francês, depois português, e depois ainda, as duas línguas na mesma frase! Eu, mesmo que os entenda, faço questão de responder em português!

 

A meu ver, é principalmente na língua francesa que este facto mais se faz notar!

 

Até o "obrigada", se esqueceram!?

A corrida para a peixaria

Os sábados de manhã são muito animados, principalmente à entrada do supermercado e antes mesmo, de abrirem as portas!

Vão para a porta quase meia hora antes de abrir, as esposas ficam à porta, os maridos dentro do carro a dormir. O tema da conversa, que eu ouvi "deviam de haver senhas para o peixe aqui fora"! Isto porque quem chega primeiro ao supermercado, nem sempre chega primeiro à peixaria.

Outro facto: logo à entrada do supermercado está o dispensador de cupões onde  também dá logo para tirar as senhas para as seções não só da peixaria, como talho, charcutaria, etc, só que muitas pessoas não se apercebem disso, e vão logo a correr para a peixaria.  Depois, quando percebem que ao chegar à peixaria primeiro, já há pessoas com senhas, que ainda estão primeiro, mas que chegaram atrás, rebenta a bolha, ou seja, a discussão! Uma senhora chegou a dizer-me que trazia o netinho para ele correr para a peixaria tirar a senha, porque ela já não tinha pernas para entrar na corrida.

E vale a pena andarem a discutir por causa de uns quilos de sardinhas ? Será que as sardinhas acabam assim tão depressa? Será que os que são atendidos primeiro, ficam com as sardinhas mais frescas?

 É que queixarem-se porque têm muitas pessoas para ser atendidas, porque há poucos funcionários a atender,  e têm uns 10 números à frente, eu até entendo, agora esta confusão  à entrada, era desnecessária!

Se calhar estas situações acontecem mais em localidades mais pequenas e em continente(s) modelo(s), onde há pessoas de aldeias, habituadas a se levantarem cedo,  nos grandes continentes urbanos, será que também há estas corridas?

É preciso mais calma, paciência e tolerância!

imagem1(1)[1].jpg

Grávida ou gordinha?

pontaria.jpg

Eu não tenho grande pontaria, para verificar se  uma pessoa está grávida ou não, se não for mesmo saliente. Na caixa de prioridade antiga, nós tínhamos de chamar as pessoas, e por vezes eu errava. Então eu deixei de chamar, só chamava mesmo quando se notava bem, e não tinha dúvidas.

Acho que já aqui relatei que uma vez chamei uma senhora que estava com a barriga empinada e as mãos à cintura, mas, errei. A senhora ficou ofendida e eu envergonhada. Pedi desculpa, mas fiquei a sentir-me tão mal.

Recentemente , vi uma outra senhora, e fiquei na dúvida se era gravidez. Olhei pelo canto do olho, disfarcei. Pensei "será que é!?"  Depois vi-a de frente, e pensei que afinal não era. Quando alguém disse que a pessoa estava grávida, para me desculpar disse que não tinha percebido, e   a grávida responde: "então pensava que isto era tudo gordura?"

Ora mais valia eu não ter dito nada!

Às vezes mais vale, esperar que seja o cliente prioritário a pedir/manifestar a prioridade, aliás, é o que está estipulado na lei!

leidaprioridade.jpg

Até porque, mesmo tendo o direito à prioridade, o cliente prioritário, pode não querer usufruir dela, por se sentir bem naquele momento. Por exemplo, uma cliente pode estar com um bebé, mas o  bebé estar tranquilo a dormir no carrinho, e a cliente não ver necessidade de estar a "roubar" o lugar a quem já lá está à mais tempo, e merece consideração/respeito!

Isso chama-se, ter bom senso!

Aquelas duas velhotas trapaceiras

caixa-de-supermercado.jpg

Por algumas vezes, quando   as atendia, julguei que eram mesmo duas velhotas um pouco despassaradas, alheadas!

 

Tinha de estar sempre a conferir os carrinhos, pois esqueciam-se sempre de alguma coisa. Não me parecia que fosse com intenção!

 

Mas a situação começou a se repetir tantas vezes, que comecei a ficar mais atenta!

 

Da ultima vez, uma delas levava um saco térmico tipo lancheira, e quando ela ia a passar eu vi algo vermelho lá dentro, nem percebi se era algum papel ou o que era e perguntei o que era aquela coisa vermelha. ao que a senhora me responde "são  uns gelados!"  Digo: "então mas tem de os por em cima do tapete para eu os registar"! E ela responde "ah era para não descongelarem"! Também levava peixe congelado, e esse, meteu-o em cima do tapete, por isso julgo que não foi distração, pareceu-me que a intenção era mesmo levar os gelados à borla!

 

Afinal, parece-me, que  nem todas as pessoas com mais idade, são completamente inocentes!