Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Mais dois tesourinhos que partilho

Por vezes passa algum tempo sem que ouça ditados ou expressões novas dos clientes, no entanto, no espaço de dois dias, aprendi duas coisas novas, e ambas tendo ver com poupança, com gastos...

 

A primeira, tive de pedir ao senhor (um velhote queixoso dos gastos) para repetir, e espero tê-la apreendido bem:

 

burburinhodeumvelhote.jpg

 

Valha-me Santa Quitéria

Prima do tio Joaquim

Eu a fugir da miséria

E ela sempre atrás de mim

 

A outra foi uma senhora que vinha a dizer a frase para o marido:

 

salazarPortugal.jpg

 

Reduzir e poupar, mandava o Salazar! 

O sexo do dinheiro

Como já aqui disse, tenho o hábito de colecionar provérbios, expressões e ditos dos clientes. Um destes dias falava do dinheiro e da falta dele com uma cliente, e até usei uma expressão que aprendi há uns tempos. E a cliente diz que a sua mãe tem uma outra teoria que é " O dinheiro na casa de certas pessoas é fêmea, mas na minha é macho" -  porque não se reproduz ou multiplica, não faz filhos, não dá frutos!

 

burburinhoscliente.jpg

 

Achei muito curiosa esta teoria!

O dinheiro na minha mão, é como manteiga em focinho de cão

Uma cliente chega à minha caixa, a dizer: "Vinha só comprar duas coisas e levo tantas, nem trouxe carrinho"! Mas lá foi arrumando os seus artigos, e no meio de um suspiro, diz-me: "O dinheiro na minha mão, é como manteiga em focinho de cão"! Como já aqui disse, eu praticamente colecciono todas estas expressões e ditos dos clientes e este é mais um para a lista!

 

aqui.jpg

Já conheciam esta!? Alguém concorda ou se identifica!?

Expressões de outros tempos

Uma família está na minha caixa com as suas compras. Um casal com um filho. A senhora começa a perceber que são demasiadas coisas para carregar em braços e então pede ao filho para que ele vá buscar um carrinho, desta maneira:

 

- Vai lá buscar um carrinho a correr muito, até bater com os pés no c* !

corrermuito.jpg

 

Eu já tinha ouvido esta expressão, mas há muitos, muitos anos , atrás!

"Estamos na fraqueza da lua"

Estava a atender um casal, já com alguma idade. Surge o seguinte dialogo.

 

Senhor: Tanta coisa, dizias que vinhas só buscar duas ou três coisas...

 

Senhora : Pois, mas também são coisas que fazem falta!

 

Senhor: Sim, mas sabes bem, que estamos na fraqueza da lua!

 

Senhora: Pois é, tens toda a razão!

 

Foi nesse momento que eu interferi e perguntei o que significava a expressão, pois não conhecia, e eles, de forma simpática me disseram, que queria dizer que estavam á espera de receber o dinheiro para as compras, mas que agora, estava mau, estava fraco!

fraquezalunar.jpg

"Queria um saco branco liso, sem publicidade"!

Queria um saco de plástico, branco, liso, sem publicidade! Foi o que um dia destes uma cliente me pediu. Eu fiquei um pouco surpreendida, mas logo me lembrei que existem no continente uns sacos lisos, sem publicidade, não são é de plástico, nem brancos. Expliquei à senhora como eram e o preço, mas a senhora não quis. Pois queria, sacos que custassem os ditos 0,10€ e que fossem de plástico, e sem publicidade, que fossem neutros, pois, segundo ela, estava a pagar para o continente receber publicidade de borla!

Isto tudo, e algum tempo depois, até me pareceu uma espécie de teste, para a cliente, avaliar a minha reacção!

sacos-lisos.jpg

 

 

A repetição da Páscoa

Parece espantoso, mas todos os anos surgem as mesmas conversas nesta quadra. " Estão abertos no domingo de Páscoa!?" ; " Coitadinhos de vós"! " A que horas fecham no  domingo de Páscoa"? "Mas é dia santo, deviam de estar fechados"!

Depois de tantos anos a trabalhar quer na sexta-feira santa, quer no domingo de Páscoa, quando me fazem perguntas ou observações, mostro-me conformada. No entanto, hoje um senhor perante o meu conformismo, diz-me que o mal dos portugueses é se acomodarem às situações. Mas que queria ele que eu fizesse!? Um revolução!? Se calhar ele próprio vai lá às compras no domingo...afinal o supermercado está aberto por causa dos clientes ou para castigar os funcionários!?