Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Situações que incomodam

vrouw-winkelwagen[1].jpg

Ainda não terminei o atendimento a um senhor, e a cliente que está a seguir, como já colocou os seus artigos no tapete, está a tentar passar com o carrinho para o outro lado, roçando no senhor que ainda estava a ser atendido. Intervenho dizendo para a senhora esperar um bocadinho porque ainda ali está uma pessoa.  Ela responde "ah está bem", entretanto o senhor desvia-se para  ir colocar o cartão multibanco de modo a efetuar o pagamento  e ela volta a roçar das costas do senhor. E o senhor diz-me: "não vale a pena, as pessoas não têm educação nenhuma"!

 

Só naqueles breves minutos um senhor levou dois toques nas costas, por causa da pressa de uma mulher!

 

E se houvesse um sensor no chão que tocasse em forma de alarme,  para as pessoas se afastarem daquele lugar e só avançarem quando o outro já lá não estivesse!?

Aí não se mexe...

Com esta campanha da "Star Wars", nós temos de ter naquele espaço diminuto, as  saquetas para dar aos clientes. Esse espaço está envolvido pelo acrílico, mas mesmo assim, uma criança foi lá tirar as saquetas, e o pai, ao invés de repreender a criança, disse-me que eu é que tinha de arranjar outro ligar para colocar aquilo. Ora o miúdo é que mexeu naquilo que não lhe pertencia e  invadiu o meu espaço...

 

Mas não só as crianças, há adultos que também gostam de tocar/mexer nas coisas que estão lá. Por vezes apetecia-me ter lá um mata moscas!

tuy.jpg

As pessoas têm direito a um atendimento com a devida privacidade

Continuo a presenciar situações de falta de civismo entre os clientes, principalmente no que diz respeito ao espaço. Ainda não terminei de atender um cliente e já o outro está a roçar neste. Chegam a dar com o carrinho nos calcanhares ou nas costas do outro; chegam a ficar a observar o outro a marcar o código do multibanco, chegam a ocupar o tapete com os seus sacos quando ainda está na vez do outro.

 

Talvez um dia andem à chapada, pois já faltou mais. Talvez depois se pensa numa solução, uma  marca no chão, sensores, cartazes, advertências na rádio do continente...

Onde pára o espirito natalício, na ida ao supermercado?

super-in-christmas.jpg

Nos últimos dias, tenho notado as pessoas muito stressadas, apressadas, impacientes. Parece que andam numa correria enorme para chegar não sei onde. E os dias de maior afluência ainda não chegaram...

 

Uma senhora, depois de colocar alguns artigos no tapete, pega na sua grande carteira aberta e coloca-a em frente ao scanner onde eu tenho de registar os artigos. Digo:" olhe deixou aqui a sua carteira, e assim, não consigo registar", lá a tirou... Deixa-me indignada este abuso do espaço da operadora de caixa que já é tão pequeno!

carteirainvade.jpg

Não quero parecer desconfiada, mas uma vez, eu tinha os selos dos copos à minha frente e um senhor estava debruçado em cima do meu ecran, com as mãos quase a chegar aos selos, e a tapar-me a visão para o ecran.

 

De outra vez,  uma senhora estava ainda a arrumar os seus produtos, já uma das clientes seguintes estava a colocar sacos abertos, no tapete de saída.

 

De outra vez ainda, estava uma senhora a querer marcar o código do multibanco e tinha um senhor mesmo colado a ela , de forma que a senhora estava só a enganar-se no código, tive de pedir ao senhor que se desvia-se um pouco, ficando este todo ofendido!

 

 E um senhor que levou literalmente com o carrinho de outro nas costas, pois o outro vinha de costas a empurrar o carrinho e não viu que a pessoa ainda não tinha saído dali!?

 

Faz tanta falta umas marcas no chão para que o cliente que está a ser atendido fique protegido quer dos encontrões, quer da privacidade no pagamento e embalamento das suas compras, bem como, um novo sistema de caixas onde as operadoras não sejam invadidas pela ocupação indevida dos clientes incivilizados, que mexem nas nossas coisas, e invadem o nosso espaço!

Coisas que irritam os clientes no supermercado

civismofilas.jpg

Hoje, resolvi me debruçar sobre um comentário/queixa que me deixaram aqui no blog. São duas situações que acontecem diversas vezes, e que também me incomodam, como operadora de caixa e inclusive como cliente.

 

«Há duas coisas que me irritam nas filas do supermercado: 1ª quando a pessoa que está atrás de mim se cola a mim como se fossemos siameses; 2ª quando quem está atrás de mim vem acompanhado e o acompanhante passa por mim quando a funcionária ainda está a registar as minhas compras ou ainda estou a pagar e passa para o outro lado da caixa e fica a ver o que a funcionária e eu estamos a fazer! »

 

Eu ainda acrescentaria a parte em que o cliente tem de marcar o código do multibanco para efetuar o pagamento e o cliente a seguir fica "plantado" atrás deste.

 

Não tenho uma solução perfeita, mas deve de haver alguém que tenha uma. A mim, só me ocorre colocar um marcador pintado no chão, como existe em alguns bancos, mas quase de certeza, que a maioria das pessoas nem ia dar pelo marcador ou iam achá-lo despropositado. Ou então, colocarem  placares pendurados na zona com apelos suaves aos clientes, de forma a que estes fiquem consciencializados e não ofendidos.

 

O ideal era haver mais civismo por parte das pessoas, mas infelizmente, parece difícil que haja.

 

Há um espacinho só meu

Na  orientação do espaço na caixa, cada operadora o dirige, como lhe dá mais jeito, em determinados pontos e em outros pontos é como está estabelecido. Nós temos, por exemplo,  um local para os sacos, outro para os artigos deixados pelos clientes e outro ainda,  para guardarmos o triplicado das faturas que temos de levar para o escritório no fim do dia.

Recentemente, uma cliente, depois de ser atendida volta à minha caixa achando que não lhe tinha dado o talão, e precisava do mesmo, caso tivesse de trocar alguma coisa. Chegou à minha caixa e vai direto às minhas faturas dizendo que devia de ser um daqueles papeis. Invadiu espaço privado. Isto porque o  acrílico  que separa o cliente da operadora é muito baixo e a tendência dos cliente é estarem sempre a mexer nas nossas coisas. E eu, num gesto instintivo, tirei as faturas da mão da senhora e disse que aquilo era meu. A senhora afirmava que eu não lhe tinha dado o talão e eu sabia que lho tinha dado. Depois lá o descobriu dentro da mala...

Mas será que as pessoas não se dão conta que devia de haver uma linha que separa a operadora do cliente!?

O problema repete-se

Ainda não tinha acabado de atender um cliente, já estava a cliente seguinte com o seu carrinho a querer passar. Chegou mesmo a tocar com o carrinho nas costas do cliente que estava a atender. Ainda disse em tom de riso "ai desculpe"! O cliente estava completamente encurralado entre o carrinho do cliente seguinte e o seu próprio carrinho. Vi a cara feia que ele fez, e, antes que desse confusão, resolvi intervir e pedir à cliente seguinte para se chegar um pouco para o  lado da fila. Felizmente a senhora atendeu (mas não sei se entendeu) o meu pedido!

Mas é raro o dia em que esta situação não aconteça!

Esta imagem, é a fila de um banco, mas bem que se poderia pensar em algo do género para a fila do supermercado, não me refiro a fila única, mas no respeito pelo espaço/distância e privacidade de quem está a ser atendido!

Mais privacidade ao marcar o código do multibanco no continente

privacidadepin.jpg

Imagem copiada da internet

Agora a maquineta onde os clientes marcam o código do multibanco é diferente, para dar mais privacidade. Mas as pessoas que são mais altas e que têm de marcar os algarismos que estão em cima o 1, 2, 3 têm de fazer uma certa ginástica para marcar o código. Mas todos têm concordado que está melhor assim.

Foi , quanto a mim, uma boa opção, já que o cliente que está a seguir tem sempre a tendência de se colocar em cima do que está a marcar o código!

Há um supermercado que costumo ir, por uma questão de proximidade, onde tento sempre pagar em dinheiro, porque o sistema de pagamento deles com multibanco não oferece qualquer privacidade, falta-lhe estas partes laterais como o  continente tem.

Delimitação de espaço - supermercado

Ontem foi daqueles dias, em que duas ou três situações, me fizerem , novamente, pensar em invasão de espaço.

Primeiro foi o conflito de dois clientes, porque um estava colado ao outro, mesmo antes do pagamento.  Impressionante, é que a pessoa que estava a arrumar as suas compras nem tinha espaço para se mexer, houve discussão da brava! O que faz falta? Uma marcação de espaço como existe nos bancos, pois, as pessoas tem direito ao seu espaço e à sua privacidade, nem que seja só por uns míseros minutos!

Depois, como sabem, nós temos os selos das facas à nossa frente, e o acrílico, a parte se separa a operadora do cliente é muito baixo. Um cliente estava debruçado quase em cima de mim, nem me deixava ver o visor e às tantas vejo-o a mexer nos selos, e num gesto brusco toco nos selos, como que a achar que o cliente os queria tirar. O cliente, disfarçou e disse, que queria selos. Eu disse que ele tinha de esperar eu acabar a conta, e que eu é que os dava! O que faz falta? Um acrílico, mais alto, quer na nossa frente, quer um bocado na lateral, como há no Mini-Preço, por exemplo. Já que a falta de civismo das pessoas parece não ter limites!