Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Sem palavras

caminhando[1].jpg

Chega à minha caixa, aquele cliente, sobre o qual já aqui falei muitas vezes, principalmente da sua constante boa disposição. Cumprimenta-me com um aperto de mão,  noto logo que algo se passa, pois ele não vinha com piadas e brincadeiras como é hábito. Pergunto se está tudo bem, ao que ele responde. "não, está tudo mal!". Então eu pergunto se é a esposa que está novamente doente e ele responde: "não,  doente ela não está, já está, é enterrada!" Neste momento, eu fiquei bloqueada, surpreendida, sem saber o que dizer, pois ainda há tempos os tinha vistos lá aos dois.

 

Foi aquela doença maldita, houve uma altura que a senhora esteve internada, mas depois já lá ia de novo com o marido, é lamentável, eles chegavam a ir lá quase diariamente, sempre juntos.

 

Fiquei triste, nós vamos nos afeiçoando ás pessoas...claro que depois sentimos a sua falta

Quando damos pela falta dos clientes

Digamos que esbarrei sem querer neste post, onde mencionava alguns clientes e suas características. Percebi, que neste período de tempo, muitas coisas mudaram.

 

O casal amável, só vem a esposa, o simpático senhor , perdeu algumas das suas faculdades e está num lar de idosos; o senhor que tinha voz de desenho animado, só vejo a esposa e vestida de luto, possivelmente, já não está entre nós. A senhora do vinho, também deixei há muito tempo de a ver. A senhora que costumava comprar uvas, esteve algum tempo desaparecida, mas voltei a vê-la um dia destes e que feliz fiquei, disse-me que tem estado fora. A franjinhas, uma senhora relativamente nova, também deixei de a ver, se calhar emigrou.

 

De resto, os restantes, continuam na mesma, iguais a eles próprios, às suas manias, às suas características.

Os clientes familiares

 

Ao fim de cerca de oito anos a trabalhar na mesma empresa, na mesma localidade, vou fixando algumas caras, algumas manias, algumas características de alguns clientes. Aqueles clientes fixos. Por exemplo:

 

- O desenho animado - este senhor já bem velhote vai semanal ou quinzenalmente com a esposa. Está sempre a reclamar e tem uma voz que parece de desenho animado. Só me apetece desatar a rir quando o ouço!

 

- O cliente que não é cliente - tem uma aparência engraçada, pois é careca, mas tapa a careca com o cabelo dos lados. Sempre que pergunto pelo cartão de cliente, ele responde, com um ar sério, que não é cliente. Mas vai lá imensas vezes.

 

- o Sr. fala barato/ou o sr. Boa disposição - fala pelos cotovelos em voz alta, é uma animação aquele senhor, sempre com boas piadas!

 

- a chatinha de serviço - esta senhora é tão chatinha, que quando a vejo entrar, começo a rezar para que não vá à minha caixa. Faz mil perguntas, só quer é descontos e promoções, do tipo passo um artigo tenho de parar para ver a validade, o preço, se tem desconto, depois se não lhe convier desiste deste, e passamos ao segundo e a história repete-se. Haja pachorra!

 

- o Sr. das sextas-feiras - Gosta de fazer as compras à sexta-feira. É um senhor muito culto e simpático. Costumamos falar...imaginem de política, isto porque este senhor, tal como a maioria das pessoas (eu incluída) está indignado com a actual situação do país.

 

- o Sr. do jornal "o publico" - Compra sempre este jornal, é muito simpático e calmo,  é um cliente diário.

 

- o casal amável - Um casal de velhotes muito bem aperaltados, culto, simpático. Gosto imenso da maneira como eles me tratam. O senhor quando chega á caixa diz: " desculpe, vir mais uma vez dar-lhe trabalho". É tão educado, e está sempre a pedir desculpa, que até me faz rir.

 

- o senhor provérbios - antes ia muito à minha caixa, agora tem outra preferida, mas de vez em quando lá vai e é sempre muito amável. Continua a ir às compras de bicicleta, e por isso tem uma forma especial (que nem todas sabem) de levar as compras embaladas!

 

- a mãe - tem filhotes da mesma idade que o meu filho e costumamos falar...dos nossos filhos!

 

- O Mr. Bigodes - Está sempre a falar do meu livro, a chamar-se escritora, agora trata-me por Agatha Christie. Sempre bem disposto.

 

- a velha e simpática senhora do vinho - isto porque leva sempre vinho, mas faz sempre questão de dizer que não é para ela ( vá-se lá saber porquê).

 

- outro casal simpático - a senhora trata-nos sempre tão bem e é amorosa.

 

- uma senhora já velhota, compra muitas vezes uvas. Outra querida!

 

- o senhor do palito na boca - anda sempre com um palito na boca e faz questão de mostrar.

 

- a franjinhas - entra muda e sai calada, mas sempre correta!