Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

É pagar e andar, nem importa quanto

Se calhar sempre foi assim, mas agora, parece-me que as pessoas têm ainda mais pressa do que antes. Refiro-me principalmente quando as pessoas vão pagar com o multibanco. Ainda eu não finalizei a conta, ainda não passei os cupões, ainda não fiz as perguntas finais,e, principalmente ainda não disse o total, já os clientes estão a meter o cartão multibanco no terminal ou já estão a dizer "posso por o cartão?" ou "isto ainda não apareceu aqui nada"!

time[1].jpg

Ufa que estes clientes apressados, acabam por nos contagiar!

Eu não queria incomodar, mas diga-me: tem cartao continente?

É sempre aborrecido quando estamos a atender alguém que está ao telemóvel. Queremos despachar serviço, mas as pessoas não respondem ás nossa perguntas, e não conseguimos avançar. No entanto,  se não fizer as perguntas, há sempre alguém que afinal queria fatura e depois a culpa é minha, porque não fiz a pergunta. Muitas pessoas são incapazes de pedir à pessoa com quem estão a falar que aguarde.  E normalmente  há pessoas na fila para atender, que ficam também prejudicadas.

 

Por vezes até parece que eu é que estou a incomodar a pessoa que está em amena cavaqueira ao telefone.

Sem palavras

caminhando[1].jpg

Chega à minha caixa, aquele cliente, sobre o qual já aqui falei muitas vezes, principalmente da sua constante boa disposição. Cumprimenta-me com um aperto de mão,  noto logo que algo se passa, pois ele não vinha com piadas e brincadeiras como é hábito. Pergunto se está tudo bem, ao que ele responde. "não, está tudo mal!". Então eu pergunto se é a esposa que está novamente doente e ele responde: "não,  doente ela não está, já está, é enterrada!" Neste momento, eu fiquei bloqueada, surpreendida, sem saber o que dizer, pois ainda há tempos os tinha vistos lá aos dois.

 

Foi aquela doença maldita, houve uma altura que a senhora esteve internada, mas depois já lá ia de novo com o marido, é lamentável, eles chegavam a ir lá quase diariamente, sempre juntos.

 

Fiquei triste, nós vamos nos afeiçoando ás pessoas...claro que depois sentimos a sua falta

Dia ganho

É tão bom estar no trabalho e aparecer uma criança tão simpática, conversadora, inteligente, e principalmente tão educada...

 

Nem precisou da ajuda da mãe na conversa, já sabia a data de quando as aulas iam começar, também pensei que ia para o 1º ano, mas disse-me logo que já ia para o segundo...

 

E é assim que se ganha o dia...

imagem987.jpg

Todos os anos assisto a este "filme"

Mais um tão esperado mês de agosto. Muitos portugueses emigrantes estão de férias. E continuam a usar na mesma frase as duas linguas, quer nas conversas uns com os outros, quer com as operadoras de caixa, quando estão a ser atendidos, para perguntar alguma coisa, ou até para dizer um simples obrigada.

transferir.jpg

Encontrei esta imagem na net, e resolvi copiar...apetecia-me colocar no supermercado :)

Se o prazer foi dela, porque tenho eu de lhe dar prioridade?

prioridade.jpg

Quando eu penso que já mais nada há de novo neste universo, eis que surge algo de novo. Eu perguntei a uma senhora já bastante grávida se queria passar, respondeu afirmativamente e atendi-a.

 

Quando esta cliente  saiu, um senhor, homem aí dos seus 30 ou mais anos diz-me: “A sua atitude foi muito bonita, mas errada! Aquela senhora se está assim, foi porque teve um prazer, não tinha que passar à frente, além disso vem acompanhada pela mãe. Ela podia ir-se sentar e a mãe vinha para a fila”! Eu disse-lhe que não era isso que estava na nova lei, ao que ele me respondeu que a lei, estava ERRADA!

 

Como diria o Fernando Pessa, e esta, hein?

pessa.jpg

Um mal-entendido

Como já aqui referi, agora os clientes com cartão continente, podem associar o mesmo ao número de contribuinte.

 

Pergunto a um cliente se precisa de contribuinte na fatura e ele responde que NÃO. Sigo com o processo, o cliente paga e eu entrego o talão. Já estou a atender outra pessoa quando o senhor vem ter comigo e pergunta-me onde está o contribuinte lá no talão. Respondo:  "mas o senhor disse que não preciso o número de contribuinte!?" Ao que me responde: "não é preciso porque já lá está, disseram que associando o cartão, já não era preciso estar sempre a dar o número"!

 

Tive de dizer ao senhor, que por o número estar associado, não quer dizer que a fatura já saia automaticamente com o mesmo, porque o cliente pode nem sempre querer fatura. Simplesmente,  à pergunta da operadora terá de responder se quer ou não,  e respondendo afirmativamente, dizer  que já está associado. Encaminhei o cliente para o balcão de informação para  assim pedir a fatura, pois na caixa eu já não podia reverter a situação!

 

mal-entendido[1].jpg