Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Será isto ingenuidade ou esperteza saloia!?

A entrada para o supermercado é mesmo ao fundo, depois de passar por todas as caixas. Muitas vezes os clientes, alegando pressa, tentam passar pelas caixas. Mas tal não é permitido, além de ser uma regra, o cliente também vai atrapalhar o atendimento que está a ser efectuado.

Ontem um velhote passa pela caixa. Digo-lhe: "Desculpe, mas o senhor não pode entrar por aqui, tem de entrar pela entrada" - ao que ele me responde: "Eu não vou roubar nada menina! Sou gente séria! Fique descansada!"

Será isto ingenuidade ou esperteza saloia!?

 

 

 

Conversas sobre gatos

Uma cliente leva apenas, aquele leite para gatinhos da whiskas, e pergunta-me se não temos biberões para gatos. Respondo que nunca registei nenhum. Vi que a senhora trazia um gatinho muito, muito pequenino dentro do casaco junto ao peito. Digo-lhe que é muito fofinho. É aí que ela me conta que a mãe deixou de ter leite para lhe dar. Diz-me que a gata teve 3 gatinhos e há pouco tempo um cão matou um dos seus gatinhos, e a gata mãe ficou tão triste pela falta do filho que deixou de ter leite.  O outro gatinho já come alguma coisa sozinho, mas este não come. A senhora ainda me disse que faria tudo para ele não morrer de fome, porque, segundo ela, morrer de fome, é muito triste, mesmo para um gatinho tão pequenino! Aconselhei-a a experimenta a dar o leite com uma seringa, e ela disse que era o que ia fazer.

Agora que também tenho um gato,  estas situações, deixam-me mais atenta.

 

 imagem copiada da internet

Super Preços Continente

 

 

Os clientes andam muito satisfeitos com os "super preços do continente". Este folheto tem sido um sucesso, principalmente por serem descontos imediatos.

Acontece, que os clientes vêem os preços a passar ao seu preço original no écran e ficam assustados, tenho de lhes dizer que a própria "máquina" é que faz o desconto no final.

No outro dia, depois de registar as compras,  pergunto à cliente se tem cartão continente,   a cliente estava com o marido, e estão ambos a olhar para o écran e não me respondem.  Começa a senhora a dizer para o marido " Estás a ver!?  Está a pedir o cartão e tu a dizeres que não era preciso cartão para os descontos! Eu bem disse para não virmos aqui. Fomos enganados..." Eu queria  dizer-lhe que a maquina fazia o desconto no final, mas eles nem me davam hipótese de falar, só dialogam entre eles. Até que carreguei na tecla do total mesmo sem me apresentarem o cartão, só para os aclamar. Quando eles se calaram eu disse o valor e aí eles respiraram de alivio. É que eles não tinham mesmo cartão, e achavam que eu ao pedir cartão estava a dizer que os descontos iam para o cartão.

Mas estas promoções estão a ser muito boas, as fraldas, os champôs, o detergente...e tantas outras, já que o desconto é imediato!

Vejam o exemplo do champô linic:

 

 

Chegar a dar ordens

Não querendo ofender ninguém, quero dizer, que há dias em que só me aparecem cromos à frente. O último cromo que atendi foi uma senhora que já chegou a dar ordens.

Cliente: Isso tudo bem arrumadinho nos sacos!

Eu: Bom dia! Desculpe...mas não percebi o que me disse.

Cliente: É que há operadoras que misturam tudo e depois levo detergente da louça com fiambre...

Eu: Fique  descansada que aqui não há esse problema!

Cliente : Ah não!?

Eu: Aqui são os clientes que arrumam as compras e assim a senhora arruma tudo ao seu jeito!

Cliente: !?!?

 

Apenas arrumei os congelados , já que o resto, na minha empresa fazemos com que seja o cliente a arrumar para o processo ser mais rápido. Teria ajudado mais a senhora se ela não viesse logo com reclamações,  acusações e cheia de soberba.

 

Cenários que nos deixam alerta

Hoje alguém se esqueceu de um casaco em cima do tapete na caixa que estava à minha frente, caixa essa que estava fechada. Eu não reparei quem lá o deixou nem em que momento isso aconteceu. Mas já o tinha visto por lá,  há um bom bocado.

 

Estava a atender um casal, que creio que o senhor é inglês, mas que fala quase na perfeição o português.  Estávamos a falar de esquecer coisas, e eu disse, que aquele casaco estava ali esquecido. A senhora olhou e disse, que se fosse na Inglaterra, aqui há uns tempos, já estariam a chamar a policia....e a conversa da senhora fez-me pensar em bombas. O casaco estava meio enrolado. O senhor pegou nele, largou-o logo e disse-me que tinha lá uma carteira porque pesava. Ofereceram-se amavelmente para o levar para o balcão de informação. Vi que o entregaram.

 

Mas ali por uns breves segundos, senti receio e penso que não fiu a unica. Isto tudo derivado às ultimas noticias daquela maratona de Boston!

Sei que é um exagero, mas que o sucedido nos deixa mais sensíveis, aí isso deixa!

Hábitos e manias

Peço o cartão de cliente a uma senhora, e a senhora demora  imenso tempo a procurá-lo na mala. Estão pessoas na fila. A senhora lá encontra o cartão. Depois ao fazer o pagamento, eu peço-lhe uns cêntimos para facilitar o troco. A senhora lá abriu a mala duas carteiras, enfim...demorou mais um bocadinho. Olhei para um cliente que estava na fila e senti que ele ia dizer alguma coisa. Não disse, mas deu para ver na cara dele, que eu devia ter evitado pedir as moedas, pelo fato de a cliente demorar séculos a procurar as coisas! Mas agi pela força do  hábito, pela mania de poupar trocos e de fazer arredondamentos!

 

O mau feitio

Há um cliente que consegue ser sempre desagradável. Tem sempre uma reclamação a fazer. Há dias foi por causa daquela promoção do leite TerraNostra  com o queijo da mesma marca. Estava lá tudo explicado na prateleira, mas mesmo assim, o dito senhor trouxe outro queijo que não tinha as mesmas gramas  que o da promoção. Quando lhe disse que não era aquele começou a insultar e a chamar nomes ao Continente. Deixou lá os queijos e o leite e foi embora revoltado.

No outro dia, quando eu ia a chegar ao parque,   vi-o a passar e desejei que ele não fosse à minha caixa. Mas foi, e desta vez ia a reclamar de um preço que era mais barato em outro supermercado, só me deu deu vontade de perguntar, porque não o comprou lá antes...mas lá me contive!

Ontem, pediu-me factura e eu perguntei se o seu contribuinte estava registado no nosso sistema, como respondeu que não, eu disse que ele tinha de ir ao balcão registar-se e fazer lá a factura, lá desatou a dizer que "nos outros sítios é tudo mais simples", mais uma vez me contive, mas não sei se da próxima não lhe pergunto porque é que ele vai ali se nada o agrada!

Haja paciência!

 

 

Pág. 1/2