Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

Delimitação de espaço: os emplastros

Lá vou eu ser repetitiva. Pois vou falar de novo na situação no espaço entre um cliente e outro. Quase todos os dias surge este problema, eu noto-o mais que os próprios clientes. Hoje houve uma situação em que o cliente que eu estava a atender ainda não tinha feito o pagamento, e já duas senhoras tinham o carrinho vazio atrás deste cliente de forma a que este nem se podia mexer, pois estava trancado. As senhoras não fizeram por mal, aliás são pessoas bem formadas e simpáticas. Acho que elas não tinham mesmo a noção do que estavam a fazer. O cliente ficou encurralado. Eu vi o Sr. um pouco aflito e pedi às senhoras "um momento que este senhor ainda está a ser atendido e assim, não consegue chegar ao multibanco"! Elas imediatamente pediram desculpa e recuaram.

Talvez uma delimitação de espaço desenhado no chão resulte, como nos bancos, por exemplo! Se calhar a situação custa-me mais a mim a presenciar do que ao resto das pessoas, por isso se eu estiver a exagerar avisem-me. Eu no lugar de cliente também não gosto de ter alguém atrás, do tipo emplastro! Sim emplastro, é o que as pessoas que não respeitam o espaço parecem!

 

Os animais, são os melhores amigos do mundo!

Sempre que há uma feira no Continente, e essa feira está nos meus gostos, eu gosto de a publicitar. Normalmente, as minhas feiras sazonais do Continente preferidas são: do bebé, do livro, do material escolar, dos brinquedos. Hoje é a dos animais, porque eu também gosto muito dos animais, porque eles são os melhores amigos do mundo! Visitem a feira, há muitos descontos em cartão!

 

 

Ver folheto !

 

Nota: as datas da feira, não são iguais em todos os Continentes

O descaramento

É  engraçado e ao mesmo tempo, não tem graça alguma. Agora que sei que os clientes se podem vir a "reconhecer" nos meus relatos, tenho de ter um pouco de cuidado. Custa-me imenso o facto dos clientes abusarem nos sacos. Um destes dias um cliente, apanhou uma caixa sozinha com um monte de sacos em cima porque uma colega, de outra seccção  saiu e deixou-os lá por lapso. Sendo de outra secção e estando apenas ali para reforçar, é normal se ter esquecido de os arrumar. Ele foi lá buscar os sacos, disfaçou e colocou-os dentro de outro quando já estava na minha caixa. Para que ele não roubasse mais eu ia-lhe dando poucos e ia eu arrumando as compras. No final, ele perguntou se eu não lhe arranjava "uns saquitos".  Eu disse-lhe: "com certeza!" Peguei em dois (só dois e tive para lhe dar um) sacos e dei-lhe. Ele ficou a olhar para mim, e eu fiz-lhe um sorriso daqueles!  

Ainda em relação às facturas do material escolar

Na altura das facturas de material escolar,  a propósito deste post, surgiam algumas dúvidas. Resolvi enviar um email para as finanças, na esperança que o esclarecimento fosse tão claro quanto a clareza da minha questão. Mas a resposta foi muito técnica, a meu ver.

Deixo uma cópia do email que enviei, bem como a resposta que obtive cerca de 10 dias depois:

 

meu email:

Boa tarde,
Queria tirar duvidas à cerca das facturas do material escolar para efeitos de IRS.Se uma factura tiver escrito no lugar do número do contribuinte "consumidor final" fica sem valor ou posso colocar o numero de contribuinte à frente? E tem de ser no nome ( e contribuinte) da criança ou pode ser no do pai? A factura pode vir passada manualmente? Pedia que me esclarecessem para também eu poder esclarecer.
Obrigada

 

Resposta:

Em resposta ao seu email informo que nos termos do artº 78 nº6 al.b) do CIRS ( Código do Imposto sobre Rendimento de Pessoas Singulares), para que  as despesas de educação possam ser deduzidas à colecta, estas deduções,  só podem ser realizadas se:

Mediante a identificação,  em factura emitida nos termos legais, do sujeito passivo ou do membro do agregado a que se reportem, nos casos em que envolvam despesa.

Com os melhores cumprimentos

A Funcionária

 

 

Gostava que a mensagem do meu livro passasse mais...

Hoje gostava de falar sobre o meu livro. Mais propriamente sobre os primeiros que tenho conhecimento que já foram vendidos:

 

Na loja Bertrand do Vasco da Gama uma amiga disse-me que o livro não estava à vista, mas quando perguntou ao funcionário por ele, ele imediatamente o foi buscar;

Na Bertrand de Cascais, a minha amiga (virtual, por enquanto) Mafalda, disse-me que o tinha encontrado "escondidinho" entre dois outros livros e que o que ela comprou era o único que lá estava. Aliás ela até fez um post no blog dela a falar sobre o livro aqui e desde já aproveito para lhe agradecer. Obrigada pela divulgação!

 

Numa outra Bertrand no Norte, não sei exactamente qual, o meu livro também não estava à vista, mas quando se fez a pergunta á funcionária, ela foi direitinho ao local onde ele estava.

 

Eu apenas gostava de o livro estivesse mais visível, gostava de o poder publicitar de alguma forma, sem que tivesse de gastar dinheiro com isso. Talvez depois do lançamento, mude alguma coisa, mas não sei. Não é por vaidade ou por querer ficar conhecida, apenas queria que a mensagem do livro passasse mais. Alguém tem alguma ideia para me ajudar neste sentido?

 

 

 

P.S.

Encontrei depois de ter escrito este post, um vídeo de um lançamento de um livro da mesma Editora que está a lançar o meu livro. Talvez o "a lupa de alguém" precise de um clip assim...

 

 

 

Ditos

Fulano A: - Parece que agora há um novo membro a querer entrar para a Sonae!

Fulano B: - Quem?

Fulano A: - O Alberto João Jardim!

Fulano B: - Mas porquê?

Fulano A : - Porque ele diz que "conta com o Continente"!

Imagem copiada da internet

 

Que mau feitio Sr. Cliente!

Pergunto a um cliente se tem "cartão de cliente". Ele atira-o para a minha frente e pergunta: "que dinheiro é que isso aí tem?" Eu respondo que no momento está a zero. E o cliente responde: " então fique com ele !" Eu fiquei a olhar para o cliente sem lhe responder e deixei ficar o cartão lá no lugar onde este o deixou. Entretanto concluí o atendimento, e o cliente olha mais uma vez para o seu cartão e pega-lhe de súbito e leva-o consigo!

 

É que nem sei o que lhe passou pela cabeça. Se ele o lá deixasse eu entregava-o no balcão de informação...Há cada situação!

 

Situaçoeslupa.jpg

 

As pastilhas elásticas, as birras e as crianças

Uma menina com cerca de quatro aninhos chorava imenso na minha caixa porque queria, imaginem , pastilhas! Estava com a família, onde a mãe dizia que não lhe ia comprar pastilhas. O volume do choro aumentava de vez em quando. Mas a criança tinha lágrimas a cair-lhe por todo o rosto. Já todas as pessoas da fila tinham percebido o porquê do choro. Aliás quando esta família deixou a caixa, houve uma senhora que disse: " se fosse eu comprava as pastilhas só para a rapariga se calar!"

 

Eu não respondi, mas pensei para comigo que se a mãe não lhe comprou as pastilhas, certamente teria um bom motivo.

 

P.S

Vejam um exemplo de uma grande birra...

  

Pág. 1/2