Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

A lupa de alguém

Sou operadora de caixa num supermercado Continente modelo. É esse universo que eu trato neste espaço...

As placas estão ali, mas não devem de ser, para ler

situaçao345.jpg

Por vezes, para que nós consigamos fechar a caixa, coloca-se uma placa semelhante à desta imagem, para que os clientes vão para outra caixa e não para esta.

 

Aconteceu, que tendo eu esta placa na minha fila, os clientes contornavam-na ou empurravam-na e punham-se na mesma na fila!

 

Foi até, o cliente que eu estava a atender, que surpreendido com o facto, tomou a palavra e falou para as pessoas: "então não estão a ver a placa?!" Uma senhora disse :" vi isto, mas nem reparei pro que era"!

 

Inacreditável!

Cuidado com certos velhinhos...

velhinhossupermercado.jpg

A nossa tendência, pelo menos, falo por mim, é achar que os velhinhos são ingénuos indefesos, incapazes de nos tentarem enganar, coitadinhos, já que muitos deles vivem da sua pequena reforma e querem mais é que não os enganem a eles.

 

No entanto, já assisti a algumas situações, que me deixaram, pelo menos, da dúvida. A mais recente foi um senhor que após eu lhe ter dado o troco, afastou-se e depois voltou lá, e disse que eu lhe tinha dado mal o troco e faltava dez euros. Verifiquei o talão, realmente tinha de lhe dar uma nota de dez. Pensei será que não dei?! Estava muita gente, e para não estar a perder tempo a contar tudo o que tinha na caixa, para ver se sobrava aquele valor, dei-lhe a nota de dez euros. Mas como fiquei na dúvida registei o dia. Quando veio a folha de quebras lá estava, uma quebra de 9,99€. O cêntimo de diferença, foi possivelmente algum cliente que não tinha um, e desculpei, ou algum que não quis esse troco, porque por vezes acontece.

 

O senhor até pode nem ter feito por mal, ou pode ter perdido a nota, e ter achado que eu não lha dei, mas, fica sempre a dúvida! O melhor mesmo é confirmar...

 

A cobiça não te fica nada bem

Por vezes perguntam-se se eu tenho algumas dicas para poupar no supermercado, já que trabalho num. E dicas eu até tenho, só que por vezes, o que custa é segui-las.

 

Muitas vezes estou a registar um produto a um cliente e a pensar "Eh pá isto deve ser mesmo bom, quando sair, vou comprar um igual"! E é assim que se cobiça o artigo alheio e se esquece a poupança! Por isso façam o que eu digo e não o que eu faço!

do-as-i-say-not-as-i-do[1].jpg

A prioridade começa logo em cima do tapete?

ondepara.jpg

Estava a falar sobre as novas regras de atendimento prioritário com os clientes, e uma cliente faz a seguinte pergunta: "Se eu já tiver as minhas compras em cima do tapete e chegar um cliente prioritário, eu vou ter de empurrar  as minhas compras, ou mesmo retirá-las para que esse cliente seja atendido à minha frente?" Respondi: "Julgo que sim"! E a senhora responde: "Pois mas aí, acho mal, acho uma falta de respeito por mim, ou quem estiver nessa situação.  Prioridade, sim, tudo bem, mas...até ao momento em que  os produtos estão dentro dos carrinhos e não quando já estão em cima do tapete"!

 

Bem vistas as coisas a senhora tem uma certa razão. Por isso, acho que esta parte, terá de ser melhor esclarecida...

Os velhotes impacientes

Se um dia alguma entidade resolver fazer um estudo para saber qual a faixa etária, que no supermercado,  mais reclama,  mais desespera na fila...em suma que mais dá nas vistas. Vejam se não são os mais velhos! ?

 

Hoje então, o dia 10 do mês,  foi um dia de os ouvir a toda a hora a pedirem mais caixas abertas, prioridade sem realmente necessitarem dela, falta de maneiras a falarem connosco... não deveriam de levar a vida de forma mais tranquila, visto que agora não têm, certamente, horários rigorosos para cumprir!?

 

Felizmente não são todos, mas são uma grande parte, acreditem...

 

picture453[1].jpg

 

 

Os velhotes e as suas teorias

Pergunto a um casal de velhotes se quer a caderneta dos copos. E a resposta do senhor é: "Ah, não  vale a pena, os meus netos já são grandes"! Primeiro pensei que pudessem estar a fazer confusão com a caderneta dos peluches que tivemos anteriormente, mas depois percebi que a palavra caderneta significava, cromos, coleção, e assim sendo, era coisa para crianças.

 

Enfim, os velhotes têm sempre algo de caricato a acrescentar aos meus capítulos!

 

O 9ºaniversário do blog

desde8janeiro08.jpg

 

Comecei este blog, timidamente, em janeiro de 2008. Foi no anonimato que se passaram os primeiros quatro anos. E foi mesmo no anonimato que dei um entrevista a uma rádio e falaram dele em outra, tendo assim o blog adquirido mais alguma visibilidade. Visibilidade essa também adquirida aqui no sapo, através de visitantes, de destaques.

 

Em 2011 com a chegada do primeiro livro, o blogue deixou de ser de uma operadora de caixa desconhecida e passou a ter uma cara. Posso mesmo dizer que o auge deste blogue foi nesse ano de 2011, as idas á televisão, às rádios e jornais locais fizeram com que ficasse conhecida. Quando saiu o segundo livro, em 2014 e apesar de ter voltado à televisão, foi tudo mais discreto. Eu também não gosto muito de aparecer ou de falar em público, o que eu gosto mesmo é de escrever, aqui no blogue, gosto de quando me chamam de blogger. Sinto que sou blogger...

 

E este blogue já existe há 9 anos! Como o tempo passa. Já comuniquei com tantas outros bloggers, alguns continuo a comunicar, outros perdi-os de vista, há os novos e os da "velha guarda". A blogosfera é um espaço muito agradável, quando o objetivo é trocar opiniões, dar e receber conselhos, aprender coisas novas, ser útil, desabafar. A equipa que coordena a plataforma SAPOBLOGS é fantástica, sempre que pedi ajuda em alguma coisa, tive ajuda. Dessa equipa com quem mais contactei foi com o Pedro, com a Jonasnuts, que, já não está tão próxima, e tenho saudades...e também coma outra pessoa que me ajudou num dos layouts, só não me recordo do nome, peço desculpa.

 

Espero continuar por aqui e fazer pelo menos uma década...esse é pelo menos, o próximo objetivo. Vou até agendar um post para daqui a um ano, quando estiver a comemorar uma década de blogue.

 

A todos vós que visitam o blogue, muito obrigada por tudo, por lerem, por entenderem, pelas criticas, pelas palavras de apoio. Bem hajam!

O do contra

Um senhor chega á minha caixa e pergunta onde está o carvão. Respondo ao senhor, e ele diz-me que não está lá carvão algum. Peço que aguarde, chamo uma colega que vai ao armazém ver se está lá.  Não havia. Naquele momento, não havia carvão nem na loja nem no armazém.  

 

O senhor fica zangado. Diz que por causa da falta do carvão não vai gastar 40 euros. Pensei que era por causa da caderneta dos copos, onde entregamos 1 selo por cada 20 euros. Quando lhe falo dos selos, responde longo que não quer nada de selos, nem de copos,  que queria era usar os talões que lhe tinham mandado para casa. Vejo a data dos talões que só entram em vigor no dia 9. Fica novamente zangado, e diz "se eu soubesse , não tinha vindo cá hoje". Ora a culpa de ele não ler as datas, era dele, ou do supermercado!?

 

Quando está para pagar, em multibanco, peço para inserir o cartão, e ele fica novamente zangado, porque, palavras dele, quando tinha loja, ele é que passava o cartão multibanco aos clientes! Ainda tentei falar do lado positivo de a operadora não mexer no cartão do cliente e ele diz "deve ser por causa da gripe"!

 

Paciência infinita!

 

odocontra.jpg

O "desculpe" não era um pedido de desculpas

Ultimamente as pessoas andam ainda com mais pressa que o habitual. Ainda não disse o total, nem terminei as perguntas e já estão a meter o multibanco no terminal e a tentar marcar o código, isto sem ouvirem o preço...

 

Outras vezes tiram-me os produtos das mãos antes de eu os ter registado. Numa dessas vezes uma senhora arranhou-me. E como ela a seguir disse: "desculpe" eu respondi "não faz mal", mas ela continuava a dizer "desculpe", de seguida" desculpe" novamente. Acabei por perceber  que o "desculpe" era uma chamada de atenção para me dizer que tinha duas contas.

 

Afinal, nunca me pediu desculpa pelo arranhão...

 

clientearranha.jpg